segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Continua a ser cedo para chegarmos a conclusões

Na semana passada dei conta da minha recusa em alinhar num discurso alarmista, em que tudo seria posto em causa sem sabermos, ainda, com que linhas nos haveremos de coser. Mais que evocar lugares comuns, referi algumas das incógnitas que, dadas as condicionantes inerentes a um começo de temporada, não nos permitem chegarmos a conclusões, sejam elas quais forem. Claro está, fui criticado.

Disseram-me vários amigos, daqueles que sentem uma derrota como se tratasse do caos pois acham que o Benfica deveria ganhar por decreto porque é o Benfica e os seus jogadores usam camisolas vermelhas com uma águia ao peito, que sou “demasiado optimista”. Parte deles, eufóricos com o excelente resultado alcançado na primeira jornada, vieram agora dar-me razão, a qual, em bom rigor, não a tenho nem a reclamo.

Assim como repudio o catastrofismo, não embarco em euforias. Os bons sinais deixados pela nossa equipa não passam, nesta altura, disso mesmo: bons sinais. O Benfica não se fez de um jogo, nem sequer de uma temporada. Perceber esta realidade, diria mesmo, este axioma, permite perspectivar o futuro com a serenidade que, estou convicto, a nossa “estrutura” nos merece. A melhoria qualitativa verificada na última década em inúmeras áreas do nosso clube assim nos exige.


P.S.: Daequan Cook tem o melhor currículo na história do basquetebol em Portugal. As expectativas são elevadas, mas desengane-se quem considera que o “pentacampeonato” está ganho. Conquistar títulos em pré-temporadas é para outros. Por isso uns inventam que ganham desde 1893 e outros autoproclamam-se a maior potência desportiva portuguesa, mas as taças vão para o Museu Benfica Cosme Damião…

Jornal O Benfica - 21/8/2015

Fim de quarentena

Todos estamos agradecidos aos benfiquistas que há uns poucos meses dedicaram parte do seu tempo, dinheiro e esforço para homenagearem vint...