segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Os complexados

Anthony Vizzacaro nada tem que ver com o Benfica ou com Portugal, mas tornou-se num protagonista fortuito do sucesso da selecção lusa no Europeu pelo gesto ternurento, captado em vídeo, de uma criança portuguesa que, ao vê-lo destroçado pela derrota da equipa francesa, o procurou confortar abraçando-o comoventemente.

No âmbito de uma acção de marketing empreendida pelo Turismo de Portugal, o francês visitou Lisboa, com o estádio da Luz e o museu Benfica Cosme Damião a fazerem parte do itinerário. Sendo um adepto de futebol, a opção foi óbvia. Afinal, trata-se do melhor estádio português – o único capaz de albergar uma final da Liga dos Campeões – e do melhor museu de desporto no país, premiado diversas vezes.

Quase nem seria notícia, não fosse o “Dragões Diário”, um órgão oficial de comunicação digital do F.C. Porto, ter acusado o toque, revelando a inveja e a pequenez de quem persiste em lidar mal com a grandeza do Benfica. Felizmente!

É que, apesar do sucesso desportivo portista nas últimas décadas, tão inegável quanto duvidosos foram os métodos para atingi-lo, o clube portuense foi incapaz de se transformar num clube nacional, muito por força da adopção de um discurso regionalista que, se teve o condão de arregimentar parte das gentes dos subúrbios da cidade do Porto, se revelou, pelo contrário, contraproducente no resto do país.


O curioso é que nem eles, nem os outros, que só diferem na cor e direcção das listas das camisolas, são incapazes de compreender que os sucessivos ataques, directos, indirectos ou escamoteados, ao Benfica, pouco ou nada nos incomodam e, por revelarem um gritante complexo de inferioridade, até nos divertem…

Jornal O Benfica - 5/8/2016

Fim de quarentena

Todos estamos agradecidos aos benfiquistas que há uns poucos meses dedicaram parte do seu tempo, dinheiro e esforço para homenagearem vint...