terça-feira, 21 de dezembro de 2021

Ajax

Contrariamente ao que muitos propalaram, o apuramento do Benfica para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões não se deve ao Bayern. Os alemães limitaram-se a fazer o que deles era esperado, somando a sexta vitória.

Apesar das goleadas sofridas ante o Bayern, o Benfica teve um bom desempenho. Frente a Barcelona e Dinamo Kiev venceu os jogos na Luz e empatou fora, não sofrendo qualquer golo. Resumir o apuramento à contracção de uma dívida de gratidão ao Bayern é redutor e desonesto intelectualmente.

O Ajax é o adversário que se segue e a tarefa de passar aos quartos-de-final não é nada fácil. Escusado será de dizer que já começou a desvalorização dos neerlandeses, útil para os detractores qualquer que seja o desfecho. Se o Benfica passar, o sorteio foi bom; se for eliminado, não cumpriu a sua suposta obrigação. Nada que qualquer benfiquista minimamente atento não antecipasse.

Rui Vitória, qual némesis de Jorge Jesus, conhecedor profundo da realidade benfiquista, passou, de repente, a liderar um bando de jogadores inaptos para estas andanças. O PSV, ultra difícil obstáculo de transpor, goleador, na Supertaça, do extraordinário Ajax, subitamente demonstrou pouco traquejo europeu e um plantel curto. E o Barcelona e o Dinamo Kiev, o primeiro antes intransponível, depois ao alcance de qualquer um, e o segundo de candidato à Liga Europa a indigente num ápice, fizeram com que a passagem benfiquista não passe, dizem eles, de uma mera formalidade.

Agora vem o Ajax e já ouvi um tipo no canal de entretenimento CMTV (enviaram-me um vídeo, não frequento aquilo), afirmar que este Ajax não vale tanto como os resultados com o Sporting fazem parecer. Bastou, no sorteio, o nome Ajax surgir junto do Benfica para que o treinador Ten Hag e jogadores como Haller, Antony, Tadic, Berghuis, Blind, Gravenberch e outros tenham desaprendido – ou nem sequer alguma vez aprendido, apesar das goleadas ao Sporting – de jogar futebol. É extraordinário. Extraordinariamente patético.

Jornal O Benfica - 17/12/2021

Números da semana (53)

5

Esta é somente a 5ª vez que o Benfica passa aos oitavos-de-final da Liga dos Campeões neste século. As anteriores presenças foram em 2006, 2012, 2016 e 2017. Transformar a esporadicidade deste feito em regra é o desafio que se coloca;

9

Com 3 assistências para golo em Famalicão, Rafa chegou às 9 na presente temporada, já um máximo, por época, ao serviço do Benfica. Seguem-se-lhe Everton e Weigl, com 5, e Grimaldo, João Mário e Pizzi, com 4. Nas últimas 10 épocas, Rafa é o 7º com mais assistências (34), a apenas uma de Jonas. Pizzi (94), Gaitán (58), Grimaldo (42), Salvio (41) e André Almeida (39) ocupam os lugares cimeiros;

14

Darwin fez um hat-trick em Famalicão e soma agora 14 golos em competições oficiais em 2021/22 (19 jogos), tantos como no ano de estreia de águia ao peito (44 jogos). Rafa é o segundo melhor marcador da equipa, com 10, já o seu 3º melhor desempenho por época nas 6 ao serviço do Benfica. Com 5, Yaremchuk é o 3º do pódio;

50

Pizzi chegou aos 50 jogos na Liga dos Campeões (incluindo eliminatórias de acesso à fase de grupos). Está apenas a 2 de se juntar a Cruz na 18ª posição do ranking de “jogos oficiais” pelo Benfica e a 12 de Costa Pereira. Para chegar ao 16º posto, pertença de José Augusto, necessita de mais 29. Incluindo jogos particulares, é o 28º, a par de Ângelo (385);

226

Jogos em competições oficiais de Grimaldo pelo Benfica, estabelecendo-se no 52º lugar do ranking, agora que ultrapassou Paulo Madeira. Está apenas a 4 de figurar no top50, juntamente com Hélder e Simão na cauda deste extraordinário pelotão;

340

André Almeida passou a ser o 37º com mais jogos pelo Benfica, incluindo particulares. Está a 3 dos 300 “oficiais”.

* Não inclui o Benfica – Sp. Covilhã

Jornal O Benfica - 17/12/2021

terça-feira, 14 de dezembro de 2021

As derrotas são todas iguais

Para um benfiquista, perder é horrível, contranatura, os vocábulos atropelam-se na conjugação deste verbo, idilicamente interdito, se o sujeito gramatical for o Benfica. Chega a ser doentio. As circunstâncias podem agravar ou mitigar a maleita, mas ela existe.

E empatar é quase sempre mau, a sensação de impotência e incredulidade assemelha-se à da derrota, exigindo ginástica mental para, se aplicável, optar-se pelo pragmatismo em função da utilidade de um resultado.

Logo, ganhar é a única via, apesar de nem sempre plenamente satisfatória. Há ainda que ganhar à Benfica, um conceito vago sujeito às mais diversas interpretações, aludido por todos, raramente reconhecido por muitos.

A circunstância da derrota agrava-se, por razões diferentes, se o adversário for o Sporting ou o Porto. Se ao primeiro confere a rivalidade histórica, a implantação social em grande parte do país e os evidentes sentimentos de inferioridade, ressentimento e inveja, ao segundo constata-se o ímpeto desportivo nas últimas décadas e subsiste inevitavelmente, justa ou injustamente, a sensação de se defrontar quem, amarrado à sua pequenez a vários níveis, não olha a meios para atingir os fins. Não é chamada para o caso a maior probabilidade de insucesso face a estes opositores, pela melhor ou pior qualidade em cada momento, quase sempre superior à dos restantes adversários nacionais.

O Benfica é o maior clube português, logo tem de ser sempre o melhor. Em todas as competições e em todos os jogos! Dê por onde der, venha quem vier, mesmo não havendo, nesta asserção, adesão à realidade ou à história, sobejando exemplos de grandes equipas do Benfica derrotadas aqui e ali.

O que não é mau, diga-se de passagem. Lutar permanentemente com as vicissitudes inerentes à competição desportiva, entre as quais a inevitabilidade de resultados adversos, obriga à busca da superação constante, aproximando-nos de mais vitórias. Verificada a derrota (ou empate), só há uma coisa a fazer: perceber as razões do desaire e corrigi-las. Há muito por disputar nesta temporada, é aos títulos que nos continuamos a propor.

Jornal O Benfica - 10/12/2021

Números da semana (52)

3

O nosso râguebi está a conhecer uma nova dinâmica. Saliente-se a série em vigor de 3 triunfos consecutivos;

5

De vez em quando acontece perder com o Sporting na Luz. A invencibilidade mantinha-se há 6 jogos (4 vitórias e 2 empates), um pouco mais de metade da série anterior (11J, 8V e 3E) e um quarto da maior (24J, 17V e 7E), de outubro de 1966 a março de 1986;

6

6 anos depois estamos de volta à fase final da UEFA Futsal Champions League. O pleno de vitórias na ronda de elite abre boas perspectivas na prova;

13

A nossa equipa de voleibol terminou a primeira fase do Campeonato com 100% de vitórias, dando assim continuidade à excelente temporada que tem vindo a fazer;

29

Pontos, à 13ª jornada, da nossa equipa B. É a maior pontuação de sempre conseguida pelo Benfica neste escalão ao fim de 13 jornadas;

36

Na mais recente actualização da UEFA do ranking europeu de clubes no futebol feminino, anterior ao jogo com o Lyon de 5ª feira, subimos à 36ª posição, uma evolução muito interessante tendo em conta a tenra idade deste projecto (em 2021/22, antes da última jornada disputada na Liga dos Campeões, só 9 clubes pontuaram mais do que o Benfica para o ranking);

94

Pizzi chegou aos 94 golos pelo Benfica em competições oficiais, igualando a marca de Simão. Continua na 23ª posição do ranking dos goleadores, uma vez que precisou de mais 122 jogos que o antigo extremo para atingir o mesmo número de golos. Sem mudar de posição também no ranking de goleadores no Campeonato de águia ao peito (permanece na 21ª posição), juntou-se a Magnusson (122 jogos) e João Pinto (219 jogos) com 64 golos marcados (231 jogos). Incluindo jogos particulares, Pizzi é o 27º, com 100 golos.

* Não inclui o Benfica – Dinamo Kiev

Jornal O Benfica - 10/12/2021

segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

Causa justa

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Dinheiro Vivo - 4/12/2021

Vergonha

Nunca a Liga deveria ter permitido que o B Sad – Benfica tivesse sido disputado quando uma das equipas nem sequer tinha 11 jogadores para apresentar em campo.

Claro que há que aferir se o B Sad procedeu em conformidade a vários níveis, desde a implementação dos protocolos de segurança à indicação correcta dos jogadores indisponíveis, passando pela fiabilidade das informações prestadas à DGS, além da veracidade dos casos de lesão ocorridos durante o jogo.

Porém, não obstante os regulamentos, quer aqueles referentes à realização do jogo, quer os que se relacionam com a calendarização do Campeonato, obrigarem, não havendo um pedido formal de adiamento (que ninguém entende) por parte do B Sad, a que o jogo tivesse de ser disputado conforme agendado, a Liga deveria ter tomado a iniciativa de proceder unilateralmente ao adiamento do jogo para uma data possível aos dois clubes. É o que teria acontecido caso houvesse uma liderança forte na Liga.

Assim, foram vários os lesados. Acima de todos, os adeptos, nomeadamente aqueles que, para marcarem presença num jogo disputado numa noite fria, pagaram, e não foi pouco, pelo bilhete. Também os atletas de ambas as equipas, sujeitos a tão degradante espectáculo. O próprio Benfica, que se viu envolvido inadvertidamente e sem qualquer responsabilidade num episódio tão lamentável com repercussões internacionais. E, por fim, o futebol português no seu todo, mais terceiro mundista que outra coisa qualquer na forma como foi visto, aqui e lá fora, após este acontecimento inaudito e desgraçado.

E já ninguém liga ao que o Secretário do Desporto tem a dizer sobre este e outros assuntos. Registe-se somente o que lhe aprovou dizer, defendendo implicitamente que, em nome do exemplo devido às crianças, o Benfica deveria ter começado com nove jogadores também. Talvez se tenha exprimido mal, acontece muito a quem não sabe o que diz.

P.S.: Aparentemente, o jogador do Sporting Palhinha não poderá jogar hoje à noite. Caso se verifique, é a prova definitiva de que o corpo é que manda. Um problema muscular impede-o de fazer aquilo que gosta, coisa que, na temporada passada, nem a acumulação de cinco amarelos conseguiram, apesar das regras.

Jornal O Benfica - 3/12/2021

Números da semana (51)

1

Fernando Pimenta terminou o ano como líder mundial do ranking de canoagem em K1 1000 e em 2º em K1 5000;

5

Telma Monteiro venceu o Grand Slam de Abu Dahbi e ascendeu à 5ª posição do ranking mundial de judo;

9

Número de jogadores com que o B Sad entrou em campo frente ao Benfica, com o jogo a terminar pouco passava dos 47 minutos por número insuficiente de jogadores do B Sad (3 “lesionados”). Não se entende como o B Sad não fez qualquer pedido formal de adiamento do jogo, nem a inflexibilidade, face aos regulamentos, e inacção da Liga para impedir que o jogo fosse iniciado. Naquele que é, seguramente, um dos episódios mais tristes da história do futebol português, para mais com repercussão internacional nefasta para a imagem de uma Liga que se propôs recentemente a centralizar a negociação dos direitos televisivos, o nome do Benfica vê-se envolvido inadvertidamente e sem qualquer responsabilidade no caso;

23

Voltámos a ser campeões nacionais de Corta-Mato, um título que já fugia desde 2015. A nível individual, venceu o nosso atleta Samuel Barata;

31

Seferovic é o 31º mais goleador pelo Benfica em competições oficiais. Totaliza 72, os mesmos conseguidos por Simões. No Campeonato leva 56, é o 24º com mais golos de águia ao peito na prova;

42

Grimaldo passou a ser o 3º com mais assistências para golo em competições oficiais nas últimas 10 épocas (desde 2012/13), um ranking liderado por Pizzi (94) e Gaitán (58);

600

Jorge Jesus completou, com o B Sad, 600 jogos no Campeonato. Orientou o Benfica em 230 partidas, com 172 vitórias (74,8%), 35 empates (15,2%) e 23 derrotas (10%). Com Jorge Jesus, o Benfica marcou, no Campeonato, 529 golos (2,3 por jogo) e sofreu 166 (0,72 por jogo).

Jornal O Benfica - 3/12/2021

Comissão de estatutos

Desde que assumiu o cargo da presidência, Rui Costa tem procurado, em cada uma das suas intervenções públicas, promover o diálogo e o confronto interno de ideias, num discurso conciliador e agregador, eivado de benfiquismo e subordinado a um dos traços identitários do Clube, bem explanado na nossa divisa E Pluribus Unum, que reflete, na tradução livre dos nossos fundadores, o mote “Um por todos e todos por um”.

Todos contamos nesta fabulosa quimera benfiquista, na perseguição utópica do clube perfeito e na defesa do ideal que nos une na paixão e na vontade.

O Benfica é, por definição, um clube incompleto, sempre aquém do idealizado. Todos almejamos um Benfica cada vez maior e melhor, somos insaciáveis e temos uma noção difusa do que desejamos, imperando a mutabilidade dos objetivos conforme as circunstâncias e em que a única constante nos remete para a ambição por um Benfica em permanente superação.

Todos somos muitos, cada um com a sua ideia de Benfica e visões distintas sobre o Clube, muitas vezes conflituantes. A divergência quanto aos caminhos que devemos trilhar é inevitável, mas salutar. A unidade, bem diferente do unanimismo, fortalece, recentra o foco e obsta às investidas adversárias, assumidas ou camufladas.

Os apelos à união têm sido comuns por parte de Rui Costa, deixando sempre bem claro que nenhum benfiquista, independentemente da sensibilidade em que se revê, é dispensável.

Mas as “palavras são como as cantigas, leva-as o vento”, já dizia Florbela Espanca que, por isso escreveu também que relevava os factos em detrimento das “palavras por bonitas que sejam”.

Foram muitos os sócios que clamaram por maior abertura e democraticidade no Clube e Rui Costa assumiu o compromisso de fazer desses valores uma das suas bandeiras, içando-a agora bem alto. Passou das palavras aos actos, é factual.

Assim, é da mais elementar justiça que se elogie e enalteça a composição da Comissão de Estatutos. Entre os seis consócios que a integram, figuram candidatos ou apoiantes de listas derrotadas nas últimas eleições. Não se trata de um mero pormenor, antes de um sinal inequívoco de uma visão inclusiva do Benfica, de uma liderança legitimada por muitos, mas que conta com todos.

Muito bem!

Jornal O Benfica - 26/11/2021

Números da semana (50)

5

Everton lidera o ranking das assistências para golo na presente temporada, seguido por Pizzi, Rafa e Weigl, com 4. Ao fim de um terço da segunda temporada no Benfica, é o 13º com mais assistências nas últimas 10 temporadas (desde 2012/13), com 15;

6

Sócios integrantes na Comissão de Estatutos, representando sensibilidades diferentes no Clube. A Direcção do Sport Lisboa e Benfica está de parabéns por esta iniciativa e pela forma como a tem conduzido;

9

Rafa voltou à frente da “corrida” dos goleadores benfiquistas na presente temporada. Leva 9, igualando já o seu 3º melhor desempenho (2020/21) neste capítulo numa época desde que chegou ao Benfica. Totaliza 55 “golos oficiais” de águia ao peito, a marca atingida por Jesus Crespo, o 41º no ranking;

70

Seferovic chegou aos 70 golos “oficiais” (1 de penálti) pelo Benfica. É o 34º a fazê-lo, o último havia sido Pizzi, que totaliza 93, no jogo com o Shakhtar (3-3), em 2020, para a Liga Europa. Seferovic igualou os 70 de Lima (14 de penálti), com mais 30 jogos, mas consegui-o ao fim de 10486 minutos de utilização, enquanto o brasileiro precisou de 11128 minutos (inclui tempos adicionais);

293

André Almeida passou a ser, a par de Cardozo, o 31º com mais “jogos oficiais” pela equipa de honra do Benfica;

 

400

Jorge Jesus completou, com o Paços de Ferreira, 400 jogos “oficiais” na liderança do banco benfiquista. 277 vitórias, 62 empates e 61 derrotas. Os 69,25% de vitórias são superados por 11 treinadores, o mais recente Fernando Cabrita (61 jogos), que comandou a equipa, pela última vez, em 1973/74. Entre os treinadores com mais de 75 jogos, apenas Hagan (77,78%), Riera (75,51%), Biri (70,66%) e Guttmann (69,75%) alcançaram melhor percentagem de triunfos.

Jornal O Benfica - 26/11/2021

E a centralização dos direitos televisivos

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Dinheiro Vivo - 13/11/2021

Mais do que três pontos

Houve quem quisesse a tenda montada. A sucessão de resultados entre o insatisfatório e o mínimo exigível, sem que o teor de dificuldade, o contexto, as exibições em alguns dos jogos ou as incidências das partidas fossem consideradas, acrescida de uma polémica tão artificial quanto insidiosa, prometiam abalar as fundações da nossa equipa de futebol.

Enganaram-se! A tentativa de desestabilização foi engenhosa, mas não resistiu à realidade e à estabilidade do clube.

Tendo a concordar, no entanto sem convicção plena, com o que Jorge Jesus afirmou sobre o assunto no que diz respeito à comunicação social. Em princípio – e sei, face ao que penso e venho observando desde há muitos anos e tendo em conta a origem das notícias, que teimo em esticar demasiado a minha corda do benefício da dúvida – , que deve ter existido alguém que levou os jornalistas a acreditarem que ocorrera uma situação grave no seio do plantel.

A ânsia da cacha, a costumeira falta de rigor jornalístico, provavelmente o acentuado anti-benfiquismo também, atearam um fogo inexistente, mais parecendo daquelas lareiras a gás e labaredas postiças, subindo a temperatura com um fogo que se vê sem arder...

A goleada infligida ao Braga vale, por isso, mais do que os três pontos conquistados. Não tanto pelos muitos golos marcados, mas pela grande atitude em campo, que nem sequer foi abalada pelo golo do empate bracarense ou a substituição forçada de João Mário e Lucas Veríssimo, dois esteios da equipa. Ficou assim clara a gritante dessintonia entre a realidade e o que é propalado por certa comunicação social, evidenciando a primeira e expondo o segundo. Que sirva de ensinamento para o futuro. Eles são como são e não mudam, cabe-nos avaliar quem merece credibilidade.

Jornal O Benfica - 12/11/2021

Números da semana (49)

1:37

Grimaldo apontou o golo mais rápido da época, ao marcar ao Braga aos 1:37 de jogo. Dos 17 golos da autoria do espanhol de águia ao peito (15 “oficiais”), foi o 2º de cabeça (1º com o AEK, na Grécia, na Liga dos Campeões);

2

Frente ao Braga, Rafa e Everton bisaram nos golos, Darwin e Everton bisaram nas assistências. Darwin havia sido o último a marcar dois golos num jogo (Barcelona) e Rafa o último a fazer duas assistências (em Guimarães para o Campeonato). Nota para a apetência pelos passes para golo do brasileiro e do uruguaio: em sensivelmente uma época e um terço de outra no clube, levam, respectivamente, 14 e 13, o que os coloca nas 16ª e 17ª posições com mais assistências em “jogos oficiais” nas últimas 10 temporadas (desde 2012/13);

6

Passaram a 13 (4 a partir dos anos 80) os jogos em que o Benfica marcou pelo menos 6 golos ao Braga. O anterior foi em 2018/19, no qual vencemos por 6-2. Antes há que recuar a 1983/84 (7-0), o último com uma diferença de 5 ou mais golos;

12

Rafa é o líder na combinação de golos e assistências, com 12 (8 golos e 4 assistências). Seguem-se-lhe Darwin, com 10 (8+2) e Everton, com 7 (3+4);

54

Rafa é, a par de Darwin, o melhor marcador da equipa, com 8 golos. Totaliza 54 pelo Benfica em competições oficiais e passou a ser o 42º mais goleador de sempre na primeira equipa do clube. Leva 39 no Campeonato pelo Benfica, é o 38ª do ranking dos goleadores benfiquistas na prova. É o 12º melhor marcador (incluindo jogos particulares) neste estádio da Luz, com 25, o 13º nas assistências, com 17 (11º em jogos: 105);

229

Pizzi igualou o número de jogos de Artur Santos pelo Benfica no Campeonato e é agora o 18º com mais participações de águia ao peito.

Jornal O Benfica - 12/11/2021

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Bola no próprio cesto

A situação no basquetebol português é muito grave e há, de facto, razões para preocupação.

O Porto entendeu, na minha opinião injustificadamente, que foi lesado no lance derradeiro do jogo decisivo da época passada, no qual perdeu o campeonato para o Sporting, reagindo com um anúncio absurdo de boicote aos três árbitros dessa partida. No primeiro jogo do Porto em que um desses árbitros foi nomeado, os portistas não compareceram.

Até agora, em seis jogos do Porto, só por uma vez um desses árbitros foi nomeado, o que já causa estranheza. São três dos melhores árbitros portugueses: Fernando Rocha, presença assídua em fases finais de competições europeias, Carlos Santos e Paulo Marques, ambos experientes e conceituados.

Mesmo que o Porto tivesse razão, a exigência de exclusão de três árbitros das suas partidas seria igualmente inaceitável. Não se pode transigir perante uma interferência desta magnitude. É inconcebível que um clube determine que árbitros lhe convém e, caso a Federação aquiesça a tão inusitada exigência, é evidente que estará a promover uma óbvia e inqualificável pressão sobre a arbitragem.

Não só o Porto merece ser criticado. Se hoje (2/11/2021) consultarmos o site da FPB, constatamos que, na classificação do campeonato, o Porto não tem averbada qualquer derrota, apesar de ter faltado à partida com a Ovarense, desrespeitando adeptos, adversários e patrocinadores e desvirtuando a classificação. Uma falta de comparência injustificada é inapelável. Do que espera a Federação?

E também o corpo de juízes, os quais, ao se saber da intenção portista de boicotar os três árbitros visados, deveriam ter eles próprios, em bloco, pedido escusa de arbitrar jogos do Porto enquanto não houvesse um recuo portista, acompanhado de um pedido de desculpas.

Que fique claro: numa situação destas, se a consequência última for a desistência do Porto, então que desista. Não pode haver o mínimo de tolerância, condescendência ou prurido na condenação de um tão gritante condicionamento das competições.

Jornal O Benfica - 5/11/2021

Números da semana (48)

1.46

Foi insuficiente para garantir o triunfo no Estoril, mas regista-se que o golo apontado por Lucas Veríssimo, o seu 3º na presente temporada, foi o mais madrugador do Benfica nesta época;

5

Pizzi chegou aos 5 golos na Taça da Liga com o golo apontado ao Vitória de Guimarães. Só Jonas (10), Cardozo (7) e Rodrigo (6) marcaram mais de águia ao peito na prova. Com esse tento, o transmontano atingiu a marca de 99 golos pelo Benfica (incluindo jogos particulares), igualando o pecúlio de Magnusson e Jorge Tavares. Por ter mais jogos que as duas glórias benfiquistas, continua na 29ª posição do ranking de golos pela equipa A do Benfica em todos os jogos. Em competições oficiais é o 23º mais goleador e está a 1 golo de Simão e a 3 de Francisco Rodrigues;

23

Absolutamente notável o percurso da equipa B na II Liga. 23 pontos ao fim de 10 jornadas que proporcionam a liderança isolada com quatro pontos de avanço sobre o 2º classificado. Mais do que os resultados, entusiasma a notória evolução dos jovens atletas;

200

Rafa é o 62º futebolista a atingir as duas centenas de “jogos oficiais” pela primeira categoria do Benfica;

298

Número de Casas do Benfica existentes, conforme referido por Rui Costa na Figueira da Foz, naquele que foi o seu primeiro ato público oficial no âmbito das Casas enquanto Presidente do Sport Lisboa e Benfica. Impressiona igualmente os cerca de 25000 praticantes desportivos nas Casas em 36 modalidades;

347

Jogos de Pizzi pelo Benfica em competições oficiais, passou a ocupar a 19ª posição do ranking dos futebolistas com mais participações em jogos pela equipa de honra do clube. Pizzi também alcançou a 19ª posição no ranking de jogos no Campeonato pelo Benfica, a par de Cruz e Pietra.

Jornal O Benfica - 5/11/2021

segunda-feira, 1 de novembro de 2021

Uma história portuguesa

- Ó minha senhora, não terá para aí uns milhões que me possa dispensar?

- Ai filho, então não vês que sou pobrezinha?

- Bem sei, mas tanto faz serem notas verdadeiras ou do monopólio, é só para enganar uns otários…

- Mas estás assim tão à rasca?

- Nem por isso, quem vier atrás que feche a porta. De vez em quando, se estou mesmo precisado, vou ter com uns conhecidos meus que me adiantam guita de umas coisas que tenho para receber passados uns anos. O problema, agora, é que andam para aí a falar numas tretas que nunca me interessaram para nada chamadas capitais próprios, breiquívens e sei lá mais o quê.

- Ah, quem conhece essas coisas é ali o Fanã, o “contabilista”. Dizem que tem jeito para os números e parece aquele da televisão, o Luís de Matos.

- O Luís de Matos? Não me diga que está sempre com a cabeça inclinada e não larga o sorrisinho estranho?

- Olha, não sei, está sempre penteadinho e dizem que faz magia.

--/--

- Desculpe, Fanã, tenho este problema assim e assado, arranja-me uma solução?

- Até me benzo quando o vejo, senhor. Claro que sim. Há uns ali para cima e outros ali para baixo na mesma situação. Não tem umas bugigangas quaisquer? Eles têm e de certeza que estão dispostos a trocá-las pelas suas. Basta dizerem que valem muito e, mesmo não valendo nada, os milhões aparecem. Ganham todos e ainda gozam com os otários.

- Estou a ver, parece-me bem, mesmo ao meu estilo. Mas diga-me: o de lá de cima alinha de certeza, já o de lá de baixo, com as manias da nobreza e sempre armado em moralista, não sei não…

- Homem, confie em mim. Esse, de nobre, já nem o título tem, e se não fosse a banca há muto que andaria pelas ruas da amargura…

Jornal O Benfica - 29/10/2021

Números da semana (47)

8

Conquistas consecutivas da Supertaça de hóquei em patins (feminino);

E, no futebol, são 8 vitórias em 9 jornadas do Campeonato. É a 12ª vez que este registo é conseguido (em duas delas foram 9 triunfos). 4ª vez desde 1984/85, incluída;

13

Triunfos em 17 “jogos oficiais”. Considerando todas as competições oficiais, este é, a par de noutras 4 épocas, o melhor registo desde 1983/84, com 14 vitórias em igual número de partidas. Desde 1973/74, incluída, só em duas épocas vencemos mais nos primeiros 17 jogos;

18

Anos do estádio da Luz. A 1ª categoria do Benfica disputou 477 jogos neste estádio (455 “oficiais”), obtendo 350 vitórias (339), 72 empates (70) e 55 derrotas (46). Marcou 1054 golos (1025) e sofreu 355 (331). Comparando o desempenho em “jogos oficiais” com o do anterior estádio (988 jogos), a percentagem de vitórias desce de 79,96% para 74,51%. Incluindo particulares, os futebolistas com mais jogos são Luisão (273), Pizzi (172) e Maxi Pereira (169), os melhores marcadores são Cardozo (109), Jonas (92) e Pizzi (55) e com mais assistências são Gaitán (56), Pizzi (49), Aimar e Salvio (28);

52

Rafa chegou aos 52 “golos oficiais” de águia ao peito, igualando o pecúlio de Mitroglou e Jorge Tavares (45º melhor de sempre por ter mais jogos). Tem 6 nesta temporada, mais que no somatório das duas primeiras épocas no Benfica. Se chegar aos 21 de 2018/19, ocupará a 35ª posição deste ranking;

97.17

Tempo de jogo quando a bola passou a linha de golo em Vizela. Foi o golo mais tardio da nossa equipa na temporada (excluindo o golo no prolongamento na Trofa, com pelo menos 26 minutos de jogo por disputar);

100

Jogos em competições oficiais de Taarabt pela equipa A do Benfica;

*Não inclui o V.Guimarães – Benfica.

Jornal O Benfica - 29/10/2021

segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Festa da Taça...

… é o Benfica ganhar. Crónica arrumada.

Mas acrescento que adoro a Taça de Portugal. É a competição mais antiga entre as disputadas actualmente (desde 1922) e aquela que mais clubes têm a possibilidade de conquistar, não só por ser a que conta com mais participantes (na presente edição foram 154), mas também pelo que o palmarés indicia: 16 vencedores entre 27 finalistas.

Vencemo-la 29 vezes em 42 finais disputadas, ambos registos máximos no futebol português. Porém, desde 1987, quando erguemos o troféu pela 24ª vez, só em cinco ocasiões voltámos a celebrar.

Este fraco pecúlio nas últimas três décadas e meia não me afasta da prova, pelo contrário, ano após ano, anseio pelo início de uma sequência de títulos que remeta este período para o passado.

Tradicionalista neste particular, preferiria que os clubes da divisão cimeira entrassem mais cedo na competição, mas até em Inglaterra já só iniciam a participação na 7ª ronda. Percebo que, do ponto de vista competitivo, poderia haver inúmeros jogos sem qualquer interesse, no entanto, entre os jogos da Taça da minha meninice que me vêm logo à memória constam, além das várias finais disputadas pelo Benfica e os 5-0 ao Sporting nuns quartos-de-final, vários com adversários desconhecidos, por norma copiosamente goleados, como o Riachense, o Ponte da Barca, o Vialonga, o Cartaxo ou o Marco, entre outros.

Sobre a obrigatoriedade dos clubes da Liga 1 jogarem fora na 3ª eliminatória, tenho sentimentos conflituantes. Por um lado, os clubes mais pequenos aumentam as hipóteses de apuramento e são anfitriões de um clube maior, por outro, muitos jogadores perdem aquela que seria a única oportunidade de jogarem num grande estádio.

Quanto às meias-finais a duas mãos, não gosto.

Jornal O Benfica - 22/10/2021

Números da semana (46)

1

E já só resta 1. Até sábado passado, dos 143 adversários portugueses que a equipa de honra do Benfica já defrontara em competições oficiais, só não ganhara a dois, o Trofense e o Gondomar. Que venha o Gondomar já na próxima época;

3

E são 3 as Supertaças ganhas pela nossa equipa feminina de polo aquático;

7

As dificuldades sentidas na Trofa já não surpreendem. Nas últimas 9 temporadas, foram 7 as vezes em que selámos o apuramento pela margem mínima (Cinfães, Covilhã, Vianense, 1º Dezembro, Olhanense, Paredes e Trofense). As excepções foram o Sertanense e o Cova da Piedade;

12

O Benfica completou 15 jogos em competições oficiais na presente temporada e alcançou a 12ª vitória. Nas 96 temporadas em que disputou pelo menos 15 “jogos oficiais” (considerando todas as competições oficiais regionais, nacionais e internacionais), só em 12 venceu 12 ou mais vezes nas primeiras 15 partidas, sendo que apenas em 1982/83 fez melhor (15 vitórias);

15

Restam 15 clubes da Liga nos 16avos de final da Taça de Portugal. Aos primodivisionários juntam-se 10 clubes da Liga 2, 3 da Liga 3 e 4 do Campeonato de Portugal. O sorteio foi efetuado já depois do fecho da edição, espero que nos tenha calhado em sorte o Mafra ou o Serpa, clubes que nunca defrontámos, nem mesmo em jogos particulares;

30

Pizzi integra agora o top 30 dos futebolistas com mais jogos, incluindo particulares, pela “primeira equipa” do Benfica. Soma 373, os mesmos que Jacinto Marques. Está a 9 de Artur Santos e a 12 de Ângelo;

32

André Almeida chegou aos 290 “jogos oficiais” pela equipa de honra do Benfica, igualando o registo de Adolfo. É agora o 32º no ranking de jogos em competições oficiais pelo Benfica, a 3 de Cardozo;

*Não inclui o Benfica - Bayern

Jornal O Benfica - 22/10/2021

terça-feira, 19 de outubro de 2021

Temos presidente!

O contexto era adverso quando Rui Costa assumiu o cargo da presidência. Luís Filipe Vieira que, meses antes, fora reeleito com a sua pior votação nas seis vezes em que concorreu, denotando-se algum desgaste de poder, demitiu-se a contas com a justiça.

Sob o espectro do vazio institucional, Rui Costa assumiu a responsabilidade de liderar o clube com eleições no horizonte. Os desafios mais prementes foram todos superados com distinção: gestão corrente assegurada; sucesso da emissão do empréstimo obrigacionista; plantel mais competitivo; e época futebolística iniciada de feição (líder do campeonato e presença garantida na fase de grupos da Liga dos Campeões, mais a retumbante vitória ao Barcelona).

Acrescem o uso do espaço mediático por Rui Costa que, apesar de escasso até à campanha eleitoral, foi suficiente para que o novel presidente demonstrasse dominar os dossiers, e os passos dados em prol de um processo eleitoral mais transparente e democrático, nomeadamente promovendo a utilização, pelas listas candidatas, dos meios de comunicação do clube para a campanha.

Glória do clube há muito considerado presidenciável, garante da estabilidade institucional e promotor de várias boas decisões em meses recentes, a eleição estava garantida.

Assim torna-se ainda mais relevante a participação recorde. Mesmo num cenário em que se antecipava o vencedor, 33754 sócios do Benfica deslocaram-se às urnas para depositar o voto em Rui Costa. Notável!

P.S.: Creio que a lista B nunca acreditou na possibilidade de vitória nas eleições e concorreu motivada unicamente pelo benfiquismo e pela crença de que seria importante promover o debate. Na prática evitou o plebiscito a Rui Costa, prestando assim um grande serviço ao clube.

Jornal O Benfica - 15/10/2021

Números da semana (45)

10

Rui Costa, antigo 10 no relvado, tomou posse como presidente da direcção do Sport Lisboa e Benfica no dia 10 do 10º mês do ano;

21

Chegou a tão aguardada notícia do regresso da comercialização do Red Pass, agendado para dia 21 de outubro e que se estenderá até dia 2 do mês seguinte, a anteceder em 5 dias o próximo jogo na Luz a contar para o Campeonato (Braga);

22

A BTV fez um trabalho extraordinário de acompanhamento das eleições. Foram praticamente 22 horas de emissão, intercaladas com a transmissão de jogos ou estreia de programas, os quais, quando pertinente, foram interrompidos para segmentos “última hora”. Também os restantes meios do clube foram prestando informação desde a abertura das urnas, às 8 horas da manhã, até que Rui Costa finalizou o discurso de tomada de posse perto das 6 da manhã do dia seguinte;

24532

A contribuir para a impressionante afluência às urnas no passado sábado esteve a descentralização do acto eleitoral. 24532 sócios exerceram o voto noutros locais que não o estádio da Luz, no qual votaram 15553 associados benfiquistas. 20066 sócios deslocaram-se às restantes 24 assembleias de voto espalhadas pelo país, sendo da mais elementar justiça enaltecer, através de mais um notável exemplo, o trabalho desenvolvido pelas Casas do Benfica. Através da internet (residentes fora de Portugal continental) votaram 4466 sócios;

33754

Sócios que votaram na lista liderada por Rui Costa, um máximo na história do clube;

40085

Votantes nas eleições, um recorde do clube e, naturalmente, também português no âmbito das associações desportivas. Segundo tem sido veiculado pela comunicação social, trata-se da segunda maior participação de sempre em actos eleitorais de clubes a nível mundial.

Jornal O Benfica - 15/10/2021

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Pela abolição do cartão de adepto

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Dinheiro Vivo - 9/10/2021

Seremos campeões!

Saí do estádio frustrado com o resultado, mas convicto de que, a manter-se o nível exibicional patenteado ante o Portimonense, só por mero acaso voltaremos a perder pontos no Campeonato. O difícil será jogar sempre assim.

Enquanto lamentava o desaire e contava as oportunidades de golo perdidas, dei por mim a discordar, por antecipação, das esperadas alusões ao mérito do Portimonense.

Recuemos umas semanas até Eindhoven e lembremo-nos de como o Benfica, reduzido a dez, tapou os caminhos da baliza exemplarmente, sem recurso ao antijogo ou a faltas recorrentes. O Portimonense não é o Benfica, mas só por paternalismo, que recuso, se pode atribuir mérito aos algarvios face ao que se passou em campo.

Paulo Sérgio foi digno ao reconhecer que não se conquistam pontos sem sorte no estádio da Luz, implicitamente assumindo que o triunfo da sua equipa se deveu também ao acaso, o que é raro e deve ser enaltecido. Não se pode, porém, escamotear o antijogo praticado pelos alvinegros, além de que só por infelicidade e desinspiração próprias o Benfica não goleou, o que significa que, sim, o Portimonense defendeu bem em alguns momentos e houve defesas milagrosas do guarda-redes e defensores, mas outros houve em que só a inépcia em frente à baliza inviabilizou uma goleada benfiquista.

O desfecho do jogo resumiu-se à ineficácia do Benfica. Tivéssemos nós chegado à vantagem e não mais os jogadores do Portimonense atrasariam reposições de bola ou se prostrariam no relvado acometidos por supostas lesões que de grave tiveram somente a irredutível complacência de Fábio Veríssimo, um árbitro inútil e manifestamente desajeitado para dirigir um jogo. Continue assim a nossa equipa e não duvido que seremos campeões.

Jornal O Benfica - 8/10/2021

Números da semana (44)

8

Como em 1942/43 e 1980/81, temporadas de pleno de vitórias nas 7 jornadas iniciais, o Benfica, na presente época, perdeu pela primeira vez na 8ª ronda do Campeonato Nacional. Só em 1972/73 e 1982/83 conseguimos melhor. Fica uma nota de optimismo: nas duas vezes anteriores em que este foi o percurso, sagrámo-nos campeões nacionais;

10

Intensa, emocionante e gloriosa, foi assim a Supertaça de voleibol. Vencemos este troféu pela 10ª vez nas últimas 11 temporadas;

14

Foi apenas a 2ª vez em que a 1ª derrota da temporada surgiu ao 14º “jogo oficial”. Apenas em 9 épocas, nas 99 em que o Benfica disputou pelo menos 14 partidas em competições oficiais, este registo foi superado;

24

A injustiça do resultado com o Portimonense também se nota por este dado: Foram 24 os remates efectuados pelo Benfica na partida ante o Portimonense, o máximo da Liga Bwin ao fim de 8 jornadas na presente temporada;

50

Jogos “oficiais” de Otamendi pelo Benfica, nos quais usou a braçadeira de capitão em 42 ocasiões. Tradicionalmente, a braçadeira de capitão era envergada pelo atleta com maior antiguidade na equipa de honra, mas casos houve em que foi outro o critério. Por exemplo, José Antonio Camacho promoveu uma eleição entre os elementos do plantel. Jorge Jesus, nesta segunda passagem pelo Benfica, aparentemente aplicou os critérios da personalidade, experiência e liderança no balneário para definir os membros do grupo dos capitães. André Almeida, Pizzi e Vertonghen foram, desde que a época iniciou, os restantes capitães de serviço;

289

André Almeida chegou aos 289 “jogos oficiais” pela equipa de honra do Benfica e é, a par de Paneira, o 33º no ranking. Está a 12 do 30º, João Pinto.

Jornal O Benfica - 8/10/2021

segunda-feira, 4 de outubro de 2021

Mau jornalismo

Num contexto em que se anteviam dificuldades, fomos a Guimarães demolir o Vitória, fazendo, na primeira parte, os melhores 45 minutos da época na opinião de muitos (que não a minha, pois valorizo mais, pela dificuldade, a primeira parte com o PSV na Luz). Ao intervalo estava 0-2, mas ninguém estranharia se a vantagem fosse de quatro ou cinco golos. Foi uma grande exibição!

Tanto que haveria a perguntar a Jorge Jesus, até por uma questão de pedagogia. Que bom seria perceber melhor o que se passou em campo e quais as razões de tamanha superioridade benfiquista. É que Jorge Jesus tem uma qualidade pouco notada e ainda menos elogiada: gosta de falar de futebol nas conferências de imprensa. Convém é saber colocar-lhe questões pertinentes de âmbito técnico-táctico.

Em Guimarães assistimos, também neste domínio, a mais um festival de oportunidades perdidas. Só a pergunta de Mário Serra, da BTV, incidiu sobre futebol. As restantes, com excepção da referência en passant ao percurso vitorioso no início de campeonato, focaram-se em aspectos laterais ao jogo, procurando-se sempre a polémica por muito artificial que fosse. A técnica é básica: pergunta-se e, independentemente da resposta, o assunto está criado. Foram várias as tentativas, só sobre jogadores foram quatro… E depois o pináculo da cretinice: “Jorge Jesus, a equipa está preparada para quando chegar a derrota?”. Será que ainda se lembravam do jogo terminado vinte minutos antes?

Não quero ser desagradável. Se calhar até seriam bons jornalistas caso fossem completamente diferentes dos jornalistas que são, pelo menos a avaliar pelas perguntas colocadas e, sobretudo, pelas que ficam por colocar. É pena, sobretudo para quem gosta de futebol.

Jornal O Benfica - 1/10/2021

Números da semana (43)

1

A época da equipa feminina de basquetebol começou como terminou a anterior, a ganhar! Mais uma conquista inédita, desta vez a Supertaça;

2

Em Guimarães, Yaremchuk bisou pela primeira vez de águia ao peito, Rafa fez duas assistências e João Mário marcou pela 2ª vez ao serviço do Benfica. Com o Barcelona foi Darwin a bisar;

6

Darwin bisou pela 3ª vez na temporada e lidera o ranking dos goleadores benfiquistas com 6. Segue-se Rafa, autor de 5 golos, e Yaremchuk, com 4. No capítulo das assistências, Rafa e Weigl têm 3, e um quinteto, do qual o avançado ucraniano faz parte, com duas cada;

7

Melhor não se poderia pedir neste início de Campeonato. 7 triunfos consecutivos nas 7 jornadas iniciais é um registo conseguido apenas pela 5ª vez em 88 edições da prova. As vezes anteriores ocorreram em 1942/43, 1972/73, 1980/81 e 1982/83;

13

Em 100 temporadas com pelo menos 13 partidas disputadas em competições oficiais, o Benfica não sofreu qualquer derrota nos primeiros 13 jogos pela 11ª vez. Nestas 11 temporadas, só por três vezes conseguiu um mínimo de 11 vitórias. 13 em 1982/83, 11 em 1971/72 e 2021/22 (todas as competições oficiais, incluindo regionais);

19

Golos no Campeonato nas primeiras 7 jornadas. Desde o início dos anos 90, esta marca só por uma vez foi superada, em 2009/10 (24) e houve outras 3 temporadas com este registo à 7ª ronda, todas sob a orientação de Jorge Jesus (2011/12; 2012/13 e 2014/15);

50

Jogos “oficiais” de Darwin pelo Benfica (em Guimarães), nos quais assinou 18 golos e 11 assistências. Após o desafio com o Barcelona, tem 20 golos;

80

Rafa passou a figurar no top 80 dos futebolistas com mais jogos pelo Benfica na equipa de honra (incluindo particulares). É o 78º, com 216 (62º nos golos, com 53).

Jornal O Benfica - 1/10/2021

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Boa decisão

Foi com satisfação que li o comunicado da Direcção acerca da cobertura mediática das eleições agendadas para 9 de outubro. BTV, jornal e site terão um papel activo na campanha e com isso ganhará o Benfica, não duvido. Subscrevo a decisão.

Caberá agora aos candidatos dar uso aos meios à sua disposição, divulgando e defendendo as suas ideias e propostas para o futuro do Benfica.

Apesar de vivermos um tempo de lamentável e acentuada tendência generalizada de degradação da discussão pública, estou convicto de que os benfiquistas saberão dar um magnífico exemplo à sociedade em geral. As visões antagonistas esgotam-se no conteúdo, pois em comum prevalecerá sempre – tem de prevalecer – a paixão pelo Benfica e o desejo da edificação de um Benfica cada vez maior e melhor.

Peço, portanto, elevação na discussão por oposição à gritaria, confronto de ideias em detrimento dos insultos gratuitos, fundamentação das propostas ao invés da perturbação sistemática dos interlocutores. Mesmo nos tempos que correm, julgo não pedir muito. Afinal, nós somos o Benfica!

Entretanto, no futebol, perdura o nosso bom momento. Gostei bastante da exibição frente ao Boavista, que me surpreendeu pela positiva. Estou certo de que lutará pelo acesso às competições europeias e realço o facto de ter sofrido mais golos na Luz do que nas quatro jornadas anteriores.

Vencer nas seis primeiras jornadas do Campeonato é raro, até para o Benfica, conforme saliento na coluna “Números da Semana”. Só o conseguimos em 7 das 88 edições da prova, a vez anterior ocorreu há 39 anos, e mais não é preciso acrescentar quanto a este registo, além de realçar o seu carácter circunstancial. Por agora entusiasma, mas nada garante.

Jornal O Benfica - 24/9/2021

Números da semana (42)

4

Darwin bisou pelo 2º jogo consecutivo no Campeonato e igualou Rafa no pódio do mais goleador do Benfica na presente temporada, com 4 golos marcados;

5

Supertaças consecutivas conquistadas pelo Benfica no futsal feminino, a 6ª do nosso palmarés;

6

Vitórias consecutivas a abrir o Campeonato. É a 7ª vez que o Benfica consegue este registo, há 39 anos que não o fazia;

11

Com 101 jogos (incluindo particulares), Rafa passou a ser o 11º que mais vezes representou o Benfica no nosso actual estádio. E é agora o 15º com mais assistências nesta catedral (16). Ainda no capítulo das assistências, em competições oficiais, mas em todos os campos, soma 26 e é o 7º melhor nas últimas 9 épocas, incluindo a presente;

16

No dealbar da Liga Bwin, o Benfica tem sido muito elogiado pela organização defensiva. Note-se, porém, os 16 golos marcados: é preciso recuar a 2009/10 para se encontrar um Benfica mais prolífero na concretização de golos (21). E antes há que retroceder até 1989/90 (22). Estas foram também as únicas duas temporadas desde 1983 com saldo mais positivo entre golos marcados e sofridos que a actual;

50

Jogos “oficiais” de Diogo Gonçalves e Vertonghen pela equipa de honra do Benfica e jogos de Weigl no Campeonato Nacional. O alemão apontou o 2º golo benfiquista ao Boavista, o seu 2º da época e o 4º desde que chegou ao clube;

170

Pizzi isolou-se na segunda posição dos jogadores com mais jogos pelo Benfica (incluindo particulares) neste estádio da Luz. É o 3º com mais golos marcados (55) e o 2º com mais assistências (49);

1069

Minutos de jogo do Benfica nesta época (incluindo “descontos”). Vlachodimos é o único totalista e só Otamendi, João Mário, Lucas Veríssimo e Grimaldo foram utilizados em mais de 70% do tempo.

Jornal O Benfica - 24/9/2021

terça-feira, 21 de setembro de 2021

Perspectivas

É de certa forma fascinante observar como certas mentes pensantes laboram. Demos 5-0 nos Açores ao Santa Clara e há quem permaneça no intervalo, variando entre lamúrias e contentamento, consoante as cores, pela putativa má exibição da nossa equipa no primeiro tempo.

Pelo caminho escamoteiam a goleada e o ciclone benfiquista dos Açores na segunda parte e contribuem para a ideia falsa de que o Benfica foi inferior ao Santa Clara no primeiro tempo (a incapacidade para se superiorizar não implica, necessariamente, que se seja inferior), além de fingirem ignorar que os jogos têm 90 minutos mais tempos adicionais e de não reconhecerem qualquer mérito aos açorianos, que souberam muito bem, naquele período do jogo, como condicionar as manobras ofensivas do Benfica, sem nunca deixarem de espreitar a possibilidade de transições rápidas.

O mais curioso é que, há algumas semanas, após o embate caseiro com o PSV, os mesmos fizeram tábua rasa de 45 minutos também, mas os primeiros. Aparentemente, é à (má) vontade do freguês.

Disse-se então que o Benfica fora dominado pelos neerlandeses e que se poderia dar por feliz por ter vencido por 2-1. Não lhes ocorreu destacar, no entanto, que o Benfica chegara ao intervalo a vencer por 2-0 com justiça frente a um valoroso adversário, assim como parecem de somenos os constantes assaltos benfiquistas à baliza adversária no segundo tempo nos Açores.

Uns por receio, outros por desdém, aqueloutros por ódio, todos resvalam para o botabaixismo. Não merecem sequer o papel de motivadores inadvertidos, seria dar-lhes a importância que não têm. É deixá-los falar, desmascarando-os sempre, e continuarmos, semana após semana, a fazermos por ganhar.

P.S.: Acabámos de empatar em Kiev, num jogo inteiramente dominado por nós. Aguardo críticas infindáveis aos ucranianos…

Jornal O Benfica - 17/09/2021

Números da semana (41)

5

O pleno de vitórias nas 5 jornadas iniciais do Campeonato merece destaque, ressalvando que nada garante para o resto da temporada. Na 88ª edição da prova, foi a 11ª vez que o conseguimos (10ª se não considerarmos 1968/69 – jogo da 4ª jornada teve de ser repetido). Nos anteriores 10 plenos de vitórias nas 5 primeiras jornadas (incluindo 1968/69), fomos campeões nacionais em 8 dessas épocas;

11

Ao fim de 5 jornadas do Campeonato, o Benfica apresenta um saldo positivo de 11 golos, com 13 marcados e 2 sofridos. Este registo é o 4º melhor das últimas 40 temporadas;

16

A equipa feminina do Benfica está nas 16 melhores da Europa. Grande exibição de Cloe Lacasse, com um hat-trick e uma assistência no triunfo ante o Twente, campeão neerlandês;

26

Com as estreias de Lázaro e Radonjic, são já 26 os jogadores utilizados por Jorge Jesus nos 10 “jogos oficiais” da presente temporada;

39

Desde 1982/83, há 39 anos, que o Benfica não sofria apenas 3 golos nos primeiros 10 jogos em competições oficiais numa temporada (errata: verificou-se o mesmo registo em 1999/00);

40

Com duas assistências para golo frente ao Santa Clara, Grimaldo chegou às 40 pelo Benfica em competições oficiais. Nas últimas 9 épocas (incluindo 2021/22), é o 3º neste ranking, só superado por Pizzi e Gaitán;

50

Rafa chegou à meia centena de golos em “jogos oficiais” de águia ao peito frente ao Santa Clara. É o 47º no ranking dos goleadores do Benfica em competições oficiais. No Campeonato Nacional soma 36, tantos quanto Mitroglou e Chalana, mas com mais jogos disputados que o primeiro e menos que o segundo, sendo por isso o 40º da lista;

67%

Posse de bola em Kiev, frente ao Dínamo. Conjugado com as acções na área (10-24 para o Benfica), demonstra a superioridade benfiquista no jogo (Fonte: Goalpoint).

Jornal O Benfica - 17/9/2021

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

300 Dias (2)

Recupero o tema porque, exibidos sete episódios no momento em que escrevo, justificam-se (pelo menos) duas considerações.

Desde logo a constatação da extraordinária qualidade da série, ao nível das melhores produções internacionais. Agarra ao ecrã, é inovadora, bem escrita e muitíssimo interessante dos pontos de vista humano, futebolístico e benfiquista. Uma verdadeira pedrada no charco que muitos fazem da comunicação no futebol português.

O que me leva ao segundo ponto. Até agora (3ª feira), uma das minhas expectativas tem sido defraudada. Há anos e anos que, ciclicamente, oiço e leio responsáveis da comunicação social desportiva clamarem por mais conteúdo e menos barulho por parte dos clubes.

Porém, não sei exactamente o que me levou a esperar destes a gratidão e elogios ao Benfica pelas portas do balneário abertas e o protagonismo dado a quem é, de facto, protagonista.

Afinal, são eles quem sempre tiveram o poder de decidir o que realçar no quotidiano futebolístico português, optando invariavelmente por temas laterais e alimentando assim uma polémica permanente em nome duma fórmula supostamente vencedora nas vendas.

Não estão distraídos, pois há referências mínimas diárias a pormenores de cada episódio. E é estranho! Eles deveriam ser os primeiros, por interesse próprio caso tenham criatividade e vontade de aproveitar a onda, a estimular este posicionamento da comunicação do Benfica, que nem sequer é novo, apesar de pouco referido, uma vez que desde o lançamento do BPlay que se sucedem os conteúdos até há uns anos inimagináveis.

Esta série, reitero, notável, trata-se somente do pináculo duma política comunicacional merecedora dos maiores encómios. E são os adeptos quem ganham com isso. Parabéns!

Jornal O Benfica - 10/9/2021

Números da semana (40)

8

8 jogos, 7 vitórias e um empate, liderança isolada no Campeonato só com triunfos e presença na fase de grupos da Liga dos Campeões. Há 39 anos que o Benfica não tinha um início mais prometedor. Na época da estreia de Eriksson, vencemos as primeiras 8 partidas. 2021/22 tem o melhor desempenho desde então (considerando todas as provas oficiais, incluindo a Taça de Honra e a Taça Ibérica);

10

A rotatividade promovida por Jorge Jesus resulta em somente 10 jogadores com utilização superior a 50% do tempo (792 minutos, incluindo tempos adicionais);

14

Golos marcados pela equipa neste início de temporada, 2 em cada jogo excepto em Eindhoven frente ao PSV. Rafa, com 3, é o mais goleador, entre 9 marcadores (incluindo um autogolo). Seguem-se, com 2, Lucas Veríssimo, Gilberto e Waldschmidt. No capítulo das assistências (9), Pizzi e Yaremchuk lideram com duas cada;

15

São 15 os que já alinharam no 11 inicial em pelo menos 4 jogos;

17

Número de jogadores utilizados em mais de um terço do tempo dos 8 jogos disputados pelo Benfica;

24

Contam-se 24 os utilizados por Jorge Jesus nestas 8 partidas, 19 deles na condição de titular em pelo menos duas ocasiões;

97:45

Minutos de média por jogo, uma consequência do incremento dos tempos adicionais devido à utilização de VAR. Na última temporada sem VAR (2016/17) a média de tempo dos jogos do Benfica situou-se ligeiramente abaixo dos 95 minutos;

782

Odysseias é o único totalista na presente temporada, em campo nos 782 minutos das primeiras 8 partidas. Seguem-se Otamendi (683), Lucas Veríssimo (615), João Mário (552), Grimaldo (511) e Gonçalo Ramos (497), os únicos com utilização superior a 60% do tempo.

Jornal O Benfica - 10/9/2021

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Cartão do absurdo

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Dinheiro Vivo - 4/9/2021

"300 Dias"

Escrevo antes da estreia da série “300 Dias” da BTV e são enormes as expectativas que deposito neste conteúdo.

Não é para menos: 11 episódios (!) idealizados pelo jornalista da BTV Ricardo Soares, o que, por si só, é garantia de qualidade, com imagens recolhidas por André Araújo, o mesmo dos múltiplos magníficos vídeos dos bastidores da nossa equipa de futebol, uma novidade ainda recente e que em muito nos enriquece enquanto adeptos.

Sou um razoável conhecedor da oferta de documentários sobre futebol e nunca vi um centrado exclusivamente na questão das lesões graves, desde que um futebolista a sofre até que a debela e regressa à competição. E é estranho, devo dizer.

Tive a oportunidade de acompanhar de perto alguns processos desta índole, nomeadamente de basquetebolistas do Benfica, e percebo cristalinamente, por exemplo, as amizades profundas geradas entre atletas e fisioterapeutas, bem mais sólidas, em muitos casos, que entre colegas de equipa. O Benfica, através de André Almeida, dá-nos a conhecer esta faceta, entre outras, que quase todos desconhecem, prestando assim um autêntico serviço público.

E esta é uma componente da comunicação do clube que merece ser destacada e muito elogiada.

Tem sido notório o esforço de aproximação aos adeptos, abrindo as portas ao “balneário” e, com isso, humanizando aqueles que, pelo honroso e exclusivo papel que desempenham – representar o Benfica no relvado – inevitavelmente são colocados num pedestal, tornando-se inacessíveis. Quebrar as barreiras é reforçar a ligação entre jogadores e adeptos, valorizando-se, pelo caminho, o produto futebol em função de uma opção clara pelos protagonistas em detrimento das recorrentes e estafadas questiúnculas do futebol português. Obrigado!

Jornal O Benfica - 3/9/2021

Números da semana (39)

4

Bom início de Campeonato, com pleno de vitórias nos 4 primeiros jogos. É apenas a 3ª vez desde 1984/85 (respeitando a ordem de realização das partidas – em 1990/91 a 1ª jornada foi adiada);

11

A série “300 Dias”, da BTV, aborda, em 11 episódios, o período entre a grave lesão e o regresso de André Almeida. Trata-se de um conteúdo inovador e diferenciador, mesmo a nível internacional. A comunicação do Benfica está de parabéns por, mais uma vez, optar por investir na promoção do futebol;

24

São já 24 os jogadores utilizados por Jorge Jesus em competições oficiais nos primeiros 8 jogos da temporada, 22 deles na condição de titular, num exercício assinalável de aproveitamento do plantel. Mais impressionante é o facto de 15 terem constado no onze inicial em pelo menos metade das partidas. Só Odysseias (8), Lucas Veríssimo (7), Otamendi (7), João Mário (6), Grimaldo (5) e Pizzi (5) alinharam de início em 5 ou mais ocasiões;

40

André Almeida chegou ao top40 dos futebolistas que mais vezes representaram a equipa de honra do Benfica (incluindo particulares). Disputou 330 partidas, tantas quanto Álvaro e Silvino;

49

Rafa marcou pela 3ª vez na presente temporada em “jogos oficiais” e passou a ser o melhor marcador da equipa em 2021/22. Soma 49 golos em competições oficiais ao serviço do Benfica, sendo agora o 47º posicionado neste ranking no clube. No Campeonato leva 35 e ocupa o 41º posto. Neste estádio da Luz, em que chegou à centena de partidas (11º com Aimar e Quim), é o 12º mais goleador, a par de Saviola (incluindo jogos particulares);

169

Pizzi passou a ocupar a 2ª posição no ranking de jogos no actual estádio da Luz (incluindo particulares), a grande distância dos 273 de Luisão.

Jornal O Benfica - 3/9/2021

terça-feira, 31 de agosto de 2021

Grande Benfica!

Não me parece exagero apelidar de épica a noite em Eindhoven. 64 minutos reduzidos a dez, sendo que o jogador em falta foi tão só Lucas Veríssimo, um habitual esteio da nossa defesa, e o seu substituto natural nesta partida era Vertonghen, convocado após regresso de lesão, frente a um fortíssimo PSV, uma máquina de futebol ofensivo que nos 8 jogos anteriormente disputados já marcara 22 golos.

Os nossos jogadores foram brilhantes! Inexcedíveis no empenho, superiormente organizados, inabaláveis na adversidade, híper conscientes da necessidade de entreajuda e magníficos executantes da estratégia defensiva implementada por Jorge Jesus. Foram sobretudo extraordinariamente competitivos, personificaram a mística benfiquista e melhor elogio não se lhes pode prestar.

Estamos apurados para a fase de grupos da Liga dos Campeões pela 11ª vez nas últimas 12 temporadas, confirmando a ideia de que o desaire da época passada se tratou de um acidente sob a circunstância inédita da disputa num só jogo, e fora de portas, do playoff de acesso a esta fase da prova.

Desde o início de temporada que a equipa tem patenteado mentalidade competitiva fortíssima. Eindhoven foi apenas mais um exemplo, o mais emblemático, é certo, dessa característica essencial para os grupos que se querem bem-sucedidos. Em todos os jogos, sem excepção, notou-se sede de vitória e nada houve a apontar, em momento algum, à sua atitude.

Com este espírito de grupo, focados no cumprimento dos objectivos, estaremos sempre mais próximos dos triunfos. Frente ao PSV, como em Moreira de Cónegos, ficou demonstrado que esta é uma equipa à Benfica! Que assim continue. Como disse Weigl após a partida em Eindhoven, “todos juntos”!

Jornal O Benfica - 27/8/2021

Números da semana (38)

3

Três vitórias a abrir no Campeonato da nossa equipa B, com o triunfo frente ao Trofense a dar continuidade ao excelente início de época e depois de dois jogadores importantes (Tiago Araújo e Vukotic) terem sido emprestados a clubes da primeira Liga para evoluírem num patamar competitivo mais exigente;

9

Já são 9 as vitórias consecutivas em deslocações a contar para o Campeonato Nacional. É a 5ª melhor série de sempre;

E Vertonghen regressou de lesão em Eindhoven. Com a expulsão de Lucas Veríssimo, pedia-se a entrada do belga. Jorge Jesus confiou em Gilberto e Rafa, adaptando-os a novas posições, para “dar tempo” a Vertonghen, que, assim, só teve de entrar à passagem do 54º minuto. Foram 9 minutos de assinalável mentalidade competitiva de Gilberto e Rafa, em linha com o que eles e os colegas fizeram em toda a eliminatória;

11

Presenças na fase de grupos da Liga dos Campeões nas últimas 12 temporadas;

35

André Almeida completou 286 jogos em competições oficiais pela equipa de honra do Benfica, igualando o registo de Artur Santos ao serviço do clube. É agora o 35º no ranking dos futebolistas com mais “jogos oficiais”;

37,243

Milhões de euros, o prémio reservado ao Benfica, 14º no ranking de clubes da UEFA nos últimos 10 anos entre os clubes apurados para a fase de grupos da Liga dos Campeões;

58,33%

12 golos em 7 jogos, e a invulgaridade de mais de metade com o pé esquerdo. Deve ser inédito ao fim de 7 partidas;

64

Minutos reduzidos a 10 em Eindhoven frente a um PSV que tem mostrado, desde o início da temporada, fortíssimo pendor atacante e muita qualidade. Os nossos jogadores foram heroicos, Jorge Jesus brilhante na forma como soube manter a equipa sempre organizada.

Jornal O Benfica - 27/8/2021

Futebol português

O futebol português tem idiossincrasias que o tornam peculiar, tornando-o incompreensível a observadores menos atentos. Ora vejamos as mais recentes:

- Um guarda-redes distraído não prestou atenção à sinalética de um árbitro que, muito bem a seguir as recomendações em prol da maximização do tempo útil do jogo, assim como da rapidez e fluidez do mesmo, em suma, em defesa do espectáculo de acordo com as regras, não interrompeu a partida para a marcação de um fora de jogo. O guarda-redes soltou a bola como se o jogo tivesse sido interrompido, um avançado apercebeu-se e a reagiu e o guarda-redes acabou por jogar a bola com a mão fora da área e foi bem expulso. No dia seguinte, uma panóplia de ex-árbitros, agora analistas, ao invés de se limitarem a assinalar o mérito da decisão, enveredaram por críticas ao árbitro invocando o espírito do jogo e reclamaram por bom senso. Leia-se, segundo estas cabeças pensantes, o árbitro deveria ter decidido contra as regras em nome de supostos espírito do jogo e bom senso. Todos fizeram longa carreira na arbitragem, o que explica muita coisa;

- E temos mais uns candidatos a analistas de arbitragem num qualquer jornal daqui a uns 20 anos. Estes assumiram a sua candidatura no Famalicão – Porto. Com “bom senso” e respeito pelo “espírito do jogo”, o Porto não perdeu pontos;

- O cartão de adepto, além de ser uma panaceia, viola direitos consagrados na constituição. E é preconceituoso em relação aos adeptos… Talvez o Secretário de Estado do Desporto perceba melhor assim a gravidade do que promoveu: como já houve políticos condenados por crimes, a partir de agora deveria exigir-se aos cidadãos na política um cartão de político, pois são potenciais criminosos. É absurdo, não é?

Jornal O Benfica - 20/8/2021

Números da semana (37)

2

Duas vitórias a abrir no Campeonato da nossa equipa B, com a deslocação a Penafiel a dar continuidade à excelente estreia frente ao Nacional;

5

Desde 1982/83, a primeira temporada de Eriksson no Benfica, que não vencíamos os primeiros 5 “jogos oficiais” da época. Este feito foi alcançado pela 6ª vez em toda a nossa história;

48

Rafa chegou aos 48 golos em competições oficiais de águia ao peito e é agora o 48º no ranking dos goleadores do Benfica (considerando todos os jogos soma 50 e é o 67º). Nas competições europeias soma 6 golos (3 na Liga dos Campeões), só 28 jogadores (29 na LC) marcaram mais pelo clube nestas provas. E passou a ser o 13º melhor marcador neste estádio da Luz (incluindo jogos particulares);

50

Vinícius atingiu, frente ao Arouca, a meia centena de jogos em competições oficiais pelo Benfica;

50%

10 golos em 5 jogos, e a invulgaridade de metade com o pé esquerdo;

90

Jorge Jesus chegou às 9 dezenas de jogos pelo Benfica em competições europeias. Com o actual treinador, o Benfica venceu mais de metade (46) dos jogos, empatou 21 e perdeu 23 (um no desempate por pontapés da marca de grande penalidade);

300

André Almeida regressou aos relvados na partida com Arouca passados 300 dias da grave lesão sofrida em Vila do Conde. A enorme ovação que lhe foi dedicada pelos benfiquistas presentes no estádio da Luz foi mais que justa. E, no desafio com o PSV, passou a ser o 36º com mais participações em “jogos oficiais” da equipa de honra do Benfica;

334

Pizzi passou a ser o 20º no ranking dos jogadores com mais jogos pelo Benfica em Competições oficiais. Contando com os jogos particulares, já representou o clube em 365 ocasiões, sendo o 33º com mais participações.

Jornal O Benfica - 20/8/2021

Ouro e pechisbeque

Pichardo arrasou a concorrência no triplo salto e trouxe o ouro para Portugal, para grande alegria da nação, exceptuando, aparentemente, Nélson Évora e as suas viúvas.

Esteve bem José Manuel Constantino, presidente do COP, ao afirmar que Portugal só pode estar grato a Pichardo e a não se esquivar à polémica protagonizada por Évora, criticando-o implicitamente.

Talvez tivesse sido preferível que assumisse frontalidade, mas reconheço que tal centraria demasiado o mediatismo num outrora grande atleta, agora que o seu tempo claramente já passou, por muito que lhe custe a aceitar.

Mas o que Constantino não explicou (perguntaram-lhe?) foi a estranha ausência de referências aos clubes por parte de atletas durante os Jogos Olímpicos. Há rumores fundados de que existiu uma “recomendação” que as desaconselhou. Ao serviço de Portugal, que pouco ou nada faz pelo desporto, proíbe-se, por assim dizer, os atletas de referirem quem, de facto, lhes dá a possibilidade de singrarem ao mais alto nível. Bem justificado, pode aceitar-se o parco investimento do país, mas então que não se atropelem a aparecer nas fotografias junto dos campeões e reconheçam o mérito de quem o tem.

Com Pichardo é ainda mais gritante. Que não seja remetida para o esquecimento a deplorável “hesitação” da federação de atletismo em aceitar o contributo do nosso mais recente campeão olímpico, qual clube de fãs de Nélson Évora.

E uma palavra para o futebol. Ouro para os benfiquistas pelo apoio em Moreira de Cónegos e para a equipa que, notoriamente cansada e em inferioridade numérica, soube manter a vantagem e conquistar os três pontos. E ouro igualmente para o deserto nas zonas do cartão de adepto. Panaceias há muitas, mas esta é atentatória da dignidade…

Jornal O Benfica - 13/8/2021

Números da semana (36)

3

Levamos 3 vitórias nos 3 primeiros jogos oficiais na temporada. É apenas a 3ª vez que tal acontece desde 1991;

10

O PSV é o próximo adversário na Liga dos Campeões, um clube que já defrontámos 10 vezes, 7 delas em competições oficiais. Todos nos recordamos da final fatídica de Estugarda, em 1988, em que não ganhámos a Taça dos Clubes Campeões Europeus no desempate por pontapés da marca de grande penalidade, sendo, por isso, preferível recuarmos somente a 2010/11, temporada em que encontrámos, pela última vez, o clube do sul dos Países Baixos em competições europeias. Foi nos quartos-de-final da Liga Europa, vencemos, por 4-1, na Luz, e empatámos 2-2 em Eindhoven;

17,98

Triplo salto de Pichardo para o ouro. O nosso atleta dominou a prova e bastaria a primeira tentativa na final (17,61) para se sagrar campeão olímpico. Brilhante!

25

Números de confrontos com clubes dos Países Baixos nas competições europeias. Vencemos 10 (40%), empatámos 8 (32%) e perdemos 7 (28%), incluindo a derrota “nos penáltis” com o PSV. Neste século ganhámos 5 das 9 partidas realizadas, empatámos 3 e perdemos apenas uma;

50

Everton atingiu, em Moreira de Cónegos, a meia centena de jogos em competições oficiais pelo Benfica;

54

Pizzi usou a braçadeira em 54 jogos do Benfica, incluindo particulares, o que o coloca na liderança deste item estatístico entre os atletas que compõe o actual plantel;

100

Jogos, incluindo particulares, de Grimaldo pelo Benfica no estádio da Luz, tantos quanto Aimar e Quim. O trio ocupa a 10ª posição dos jogadores com mais jogos no actual estádio do Sport Lisboa e Benfica;

185

Jogos de Rafa pelo Benfica em competições oficiais, uma marca que o coloca no top 70.

Jornal O Benfica - 13/8/2021

A falácia do olimpismo português

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Dinheiro Vivo - 7/8/2021

Bom triunfo

Belo jogo da nossa equipa em Moscovo, estando à altura do exigido. Foi “chegar, ver e vencer”, sabendo-se que haverá ainda a segunda parte na Luz e que o apuramento para a eliminatória seguinte está por garantir.

Haverá certamente quem tente desmerecer a exibição e o triunfo benfiquistas, menosprezando a competência da equipa do Spartak Moscovo. Porventura os russos ter-se-ão exibido aquém do esperado, mas o que me interessa realçar é algo que me parece evidente: este Spartak não é inferior ao PAOK do ano passado.

A diferença no jogo de estreia desta e da época transacta esteve na nossa equipa. Na Rússia, ao contrário da “tragédia grega”, impusemos o nosso jogo, fomos coesos e organizados defensivamente, criteriosos nos passes, mais rápidos, soltos, entrosados e criativos no ataque posicional e sobretudo demonstrámos já ter uma equipa, algo que, no ano passado, só se verificou de forma consistente a partir de março.

Tal não surpreende. A equipa técnica, outrora recém-chegada, agora mantém-se, e o núcleo duro dos jogadores já está perfeitamente identificado com a ideia de jogo de Jorge Jesus. E as pinceladas de classe de João Mário, mestre no entendimento do jogo, preenchem a tela do nosso contentamento e lustram os esforços dos colegas. Nos seus pés a bola chega e parte redondinha, envolta em carinho e nunca se sentido abandonada ou maltratada.

E uma palavra também para Gonçalo Ramos que, entrado a frio, fez uma exibição competente, demonstrando inequivocamente a sua validade neste plantel.

Agora, mais do que pensar na segunda mão com os russos, há que redirecionar o foco para a deslocação a Moreira de Cónegos. A receita da vitória é simples: atitude e qualidade patenteadas em Moscovo.

Jornal O Benfica - 6/8/2021

Números da semana (35)

3:22.942

Fernando Pimenta, que já leva mais de 100 medalhas em competições internacionais, trouxe o bronze de Tóquio, fruto de uma prestação notável nos Jogos Olímpicos. O desempenho nas meias-finais deslumbrou, classificando-se no primeiro posto e estabelecendo o recorde olímpico, que lhe pertenceu durante algumas horas. Na final, os húngaros Kopasz e Varga foram mais fortes, com o primeiro a conseguir nova melhor marca olímpica e mundial;

37

E ao 37º jogo pelo Benfica em competições oficiais, Gilberto estreou-se a marcar, concretizando um excelente golo após uma magnífica assistência de Lucas Veríssimo, a sua primeira pelo Benfica em “jogos a valer”;

47

Que grande jogada do Benfica no primeiro golo da temporada em “jogos oficiais”. Rafa foi o autor, beneficiando de um passe magistral de João Mário. Tem agora 47 “golos oficiais” pelo Benfica, igualando o pecúlio de Luisão, e é o 49º posicionado no ranking de goleadores. Incluindo os jogos particulares, soma 49 golos, é o 69º melhor e integra um quarteto composto por si próprio, Alexandre Brito, Francisco Palmeiro e Luisão;

94%

João Mário completou 63 de 67 passes em Moscovo, a grande maioria deles ofensivos (que delícia o passe para o golo de Rafa) ou a darem fluidez ao jogo. Se alguém duvidava do acerto desta contratação, creio que ficou (positivamente) esclarecido;

60

Com 202 jogos em competições oficiais pelo Benfica, Grimaldo é o 60º neste ranking;

100

Chegou a ser proscrito por culpa própria, mas foi pelo seu mérito que soube reencontrar-se com o futebol, sendo hoje um elemento muito válido do nosso plantel. Refiro-me a Taarabt, que fez o centésimo jogo pela equipa de honra do Benfica em Moscovo (incluindo particulares).

Jornal O Benfica - 6/8/2021

Muito bem, Benfica!

Foi com enorme satisfação que soube da notícia do sucesso do empréstimo obrigacionista emitido pela Benfica, SAD. Era referido no prospecto que a finalidade da oferta passava pela “diversificação das fontes de financiamento, reforço da liquidez e desenvolvimento da atividade corrente”, pelo que está justificada a minha satisfação com o sucesso verificado. Mas há mais.

Num plano sério, o sucesso é sinal de confiança dos mercados na Benfica, SAD numa altura em que, devido à pandemia, predomina a incerteza no negócio do futebol e se verifica abrandamento da actividade económica em geral. Acresceu, enquanto vigorava a oferta pública de subscrição, o abalo institucional com a detenção de Luís Filipe Vieira e subsequente pedido de demissão. Nada disto impediu que a procura superasse a oferta. E é justo que assim seja: a Benfica, SAD, no passado, cumpriu atempadamente todos os reembolsos e pagamentos a que se comprometeu neste tipo de operações e goza de uma saúde económica e financeira invejável, não obstante os efeitos da pandemia e a ausência da fase de grupos da Liga dos Campeões na época passada.

Houve certamente benfiquismo a influir na decisão de investimento, mas os investidores não são mecenas ou patrocinadores de uma obra de caridade. Querem o retorno do seu investimento nos prazos programados. Aliás, como a Benfica, SAD sempre os habituou.

E, num plano menos sério, serviu também para ler e ouvir alguns sportinguistas e portistas regozijarem-se com o facto da procura pouco ter superado a oferta. Isto da parte de adeptos de clubes cujas SAD, tecnicamente falidas, já terem adiado pagamentos e não terem conseguido captar os valores pretendidos em empréstimos obrigacionistas. Caricato!

Jornal O Benfica - 30/7/2021

Números da semana (34)

2

Telma Monteiro foi eliminada dos Jogos Olímpicos ao 2º combate. Não estamos habituados à ausência da Telma nas fases derradeiras das provas e, por isso, surpreendeu-nos e desiludiu-nos. Mérito para a extraordinária judoca, cuja carreira ímpar, recheada de sucesso, é justamente admirada e elogiada. Regressará mais forte!

4

… de agosto será o dia do pontapé de saída, para o Benfica, das competições oficiais na presente temporada e logo com um embate em Moscovo a contar para as eliminatórias de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões. Ao longo da pré-época a equipa foi dando sinais de que estará pronta para o desafio, parecendo-me que apresenta já índices de organização defensiva assinaláveis, uma das pechas em parte da época transacta;

8

Está de parabéns o Museu Benfica Cosme Damião pelo 8º aniversário no passado dia 26. Nunca é demais relembrar a qualidade excepcional do nosso museu, recorrentemente premiado;

98

Pizzi voltou a marcar um golo, desta feita ao Marselha, e ficou apenas a um de Magnusson (27º) e Jorge Tavares (28º) no ranking dos goleadores benfiquistas em todos os jogos. É o 33º com mais jogos (361);

204

Rafa passou a ser o 90º com mais jogos, incluindo particulares, pela equipa de honra do Benfica. Superou Jonas e está a 1 de César Brito;

1887

Investidores no empréstimo obrigacionista emitido pelo Benfica, SAD, cuja conclusão ficou marcada pelo sucesso, com o montante pedido a ser plenamente satisfeito. Mesmo no actual contexto, quer económico (do país), quer institucional (do clube), a Benfica, SAD voltou a merecer a confiança plena do mercado, algo que Porto e Sporting não conseguiram em tempos recentes. Vale mesmo a pena cumprir sempre as obrigações assumidas!

Jornal O Benfica - 30/7/2021

Números da semana (178)

1 Terminadas as principais 7 ligas europeias e a Liga dos Campeões, Trubin foi o melhor guarda-redes sub-23 nos seguintes dados estatístic...