terça-feira, 9 de novembro de 2021

Bola no próprio cesto

A situação no basquetebol português é muito grave e há, de facto, razões para preocupação.

O Porto entendeu, na minha opinião injustificadamente, que foi lesado no lance derradeiro do jogo decisivo da época passada, no qual perdeu o campeonato para o Sporting, reagindo com um anúncio absurdo de boicote aos três árbitros dessa partida. No primeiro jogo do Porto em que um desses árbitros foi nomeado, os portistas não compareceram.

Até agora, em seis jogos do Porto, só por uma vez um desses árbitros foi nomeado, o que já causa estranheza. São três dos melhores árbitros portugueses: Fernando Rocha, presença assídua em fases finais de competições europeias, Carlos Santos e Paulo Marques, ambos experientes e conceituados.

Mesmo que o Porto tivesse razão, a exigência de exclusão de três árbitros das suas partidas seria igualmente inaceitável. Não se pode transigir perante uma interferência desta magnitude. É inconcebível que um clube determine que árbitros lhe convém e, caso a Federação aquiesça a tão inusitada exigência, é evidente que estará a promover uma óbvia e inqualificável pressão sobre a arbitragem.

Não só o Porto merece ser criticado. Se hoje (2/11/2021) consultarmos o site da FPB, constatamos que, na classificação do campeonato, o Porto não tem averbada qualquer derrota, apesar de ter faltado à partida com a Ovarense, desrespeitando adeptos, adversários e patrocinadores e desvirtuando a classificação. Uma falta de comparência injustificada é inapelável. Do que espera a Federação?

E também o corpo de juízes, os quais, ao se saber da intenção portista de boicotar os três árbitros visados, deveriam ter eles próprios, em bloco, pedido escusa de arbitrar jogos do Porto enquanto não houvesse um recuo portista, acompanhado de um pedido de desculpas.

Que fique claro: numa situação destas, se a consequência última for a desistência do Porto, então que desista. Não pode haver o mínimo de tolerância, condescendência ou prurido na condenação de um tão gritante condicionamento das competições.

Jornal O Benfica - 5/11/2021

Números da semana (48)

1.46

Foi insuficiente para garantir o triunfo no Estoril, mas regista-se que o golo apontado por Lucas Veríssimo, o seu 3º na presente temporada, foi o mais madrugador do Benfica nesta época;

5

Pizzi chegou aos 5 golos na Taça da Liga com o golo apontado ao Vitória de Guimarães. Só Jonas (10), Cardozo (7) e Rodrigo (6) marcaram mais de águia ao peito na prova. Com esse tento, o transmontano atingiu a marca de 99 golos pelo Benfica (incluindo jogos particulares), igualando o pecúlio de Magnusson e Jorge Tavares. Por ter mais jogos que as duas glórias benfiquistas, continua na 29ª posição do ranking de golos pela equipa A do Benfica em todos os jogos. Em competições oficiais é o 23º mais goleador e está a 1 golo de Simão e a 3 de Francisco Rodrigues;

23

Absolutamente notável o percurso da equipa B na II Liga. 23 pontos ao fim de 10 jornadas que proporcionam a liderança isolada com quatro pontos de avanço sobre o 2º classificado. Mais do que os resultados, entusiasma a notória evolução dos jovens atletas;

200

Rafa é o 62º futebolista a atingir as duas centenas de “jogos oficiais” pela primeira categoria do Benfica;

298

Número de Casas do Benfica existentes, conforme referido por Rui Costa na Figueira da Foz, naquele que foi o seu primeiro ato público oficial no âmbito das Casas enquanto Presidente do Sport Lisboa e Benfica. Impressiona igualmente os cerca de 25000 praticantes desportivos nas Casas em 36 modalidades;

347

Jogos de Pizzi pelo Benfica em competições oficiais, passou a ocupar a 19ª posição do ranking dos futebolistas com mais participações em jogos pela equipa de honra do clube. Pizzi também alcançou a 19ª posição no ranking de jogos no Campeonato pelo Benfica, a par de Cruz e Pietra.

Jornal O Benfica - 5/11/2021

segunda-feira, 1 de novembro de 2021

Uma história portuguesa

- Ó minha senhora, não terá para aí uns milhões que me possa dispensar?

- Ai filho, então não vês que sou pobrezinha?

- Bem sei, mas tanto faz serem notas verdadeiras ou do monopólio, é só para enganar uns otários…

- Mas estás assim tão à rasca?

- Nem por isso, quem vier atrás que feche a porta. De vez em quando, se estou mesmo precisado, vou ter com uns conhecidos meus que me adiantam guita de umas coisas que tenho para receber passados uns anos. O problema, agora, é que andam para aí a falar numas tretas que nunca me interessaram para nada chamadas capitais próprios, breiquívens e sei lá mais o quê.

- Ah, quem conhece essas coisas é ali o Fanã, o “contabilista”. Dizem que tem jeito para os números e parece aquele da televisão, o Luís de Matos.

- O Luís de Matos? Não me diga que está sempre com a cabeça inclinada e não larga o sorrisinho estranho?

- Olha, não sei, está sempre penteadinho e dizem que faz magia.

--/--

- Desculpe, Fanã, tenho este problema assim e assado, arranja-me uma solução?

- Até me benzo quando o vejo, senhor. Claro que sim. Há uns ali para cima e outros ali para baixo na mesma situação. Não tem umas bugigangas quaisquer? Eles têm e de certeza que estão dispostos a trocá-las pelas suas. Basta dizerem que valem muito e, mesmo não valendo nada, os milhões aparecem. Ganham todos e ainda gozam com os otários.

- Estou a ver, parece-me bem, mesmo ao meu estilo. Mas diga-me: o de lá de cima alinha de certeza, já o de lá de baixo, com as manias da nobreza e sempre armado em moralista, não sei não…

- Homem, confie em mim. Esse, de nobre, já nem o título tem, e se não fosse a banca há muto que andaria pelas ruas da amargura…

Jornal O Benfica - 29/10/2021

Números da semana (47)

8

Conquistas consecutivas da Supertaça de hóquei em patins (feminino);

E, no futebol, são 8 vitórias em 9 jornadas do Campeonato. É a 12ª vez que este registo é conseguido (em duas delas foram 9 triunfos). 4ª vez desde 1984/85, incluída;

13

Triunfos em 17 “jogos oficiais”. Considerando todas as competições oficiais, este é, a par de noutras 4 épocas, o melhor registo desde 1983/84, com 14 vitórias em igual número de partidas. Desde 1973/74, incluída, só em duas épocas vencemos mais nos primeiros 17 jogos;

18

Anos do estádio da Luz. A 1ª categoria do Benfica disputou 477 jogos neste estádio (455 “oficiais”), obtendo 350 vitórias (339), 72 empates (70) e 55 derrotas (46). Marcou 1054 golos (1025) e sofreu 355 (331). Comparando o desempenho em “jogos oficiais” com o do anterior estádio (988 jogos), a percentagem de vitórias desce de 79,96% para 74,51%. Incluindo particulares, os futebolistas com mais jogos são Luisão (273), Pizzi (172) e Maxi Pereira (169), os melhores marcadores são Cardozo (109), Jonas (92) e Pizzi (55) e com mais assistências são Gaitán (56), Pizzi (49), Aimar e Salvio (28);

52

Rafa chegou aos 52 “golos oficiais” de águia ao peito, igualando o pecúlio de Mitroglou e Jorge Tavares (45º melhor de sempre por ter mais jogos). Tem 6 nesta temporada, mais que no somatório das duas primeiras épocas no Benfica. Se chegar aos 21 de 2018/19, ocupará a 35ª posição deste ranking;

97.17

Tempo de jogo quando a bola passou a linha de golo em Vizela. Foi o golo mais tardio da nossa equipa na temporada (excluindo o golo no prolongamento na Trofa, com pelo menos 26 minutos de jogo por disputar);

100

Jogos em competições oficiais de Taarabt pela equipa A do Benfica;

*Não inclui o V.Guimarães – Benfica.

Jornal O Benfica - 29/10/2021

Números da semana (178)

1 Terminadas as principais 7 ligas europeias e a Liga dos Campeões, Trubin foi o melhor guarda-redes sub-23 nos seguintes dados estatístic...