segunda-feira, 25 de setembro de 2023

Bom início de 2023/24

No que à conquista de troféus respeita, o começo de temporada não poderia ser mais auspicioso para o Benfica. Para já, no futebol e nas modalidades de pavilhão, oito disputados, oito ganhos, dando expressão a uma aposta pujante no eclectismo, tanto em abrangência (género e quantidade) como em competitividade das equipas.

Melhorar em relação à extraordinária temporada passada é um objetivo vincadamente ambicioso, mas acertado. Nestas seis modalidades, ganhámos 27 das 44 competições em que participámos (46 existentes). Comparando, repetimos os triunfos das Supertaças de futsal no masculino e de andebol, futebol e futsal no feminino, além da Taça Vítor Hugo de basquetebol. Ainda ganhámos a Supertaça de futebol em que não participáramos e a Supertaça de basquetebol e a Elite Cup de hóquei em patins, nas quais não havíamos sido felizes.

Resumindo, nos oito troféus iniciais da temporada, ganhámos todos, sendo que, nestas competições na época anterior, celebráramos cinco. Notável!

Dar continuidade ao sucesso alcançado é o desiderato que se impõe. Em 2022/23 ganhámos uns impressionantes oito em 12 campeonatos. Conseguiremos igualar ou ainda melhorar este desempenho em 2023/24? Mesmo sabendo da enorme dificuldade, acredito que sim. Uma crença alicerçada em benfiquismo e na constatação dos bons plantéis que temos à disposição.

Com a publicação do relatório e contas do Sport Lisboa e Benfica relativo a 2022/23, sabemos agora que a temporada passada foi bem-sucedida também noutras vertentes além da desportiva.

Quase 300 mil sócios activos, recorde de receitas operacionais, recorde também de várias das parcelas que compõe as receitas operacionais, com particular ênfase na quotização e merchandising, números históricos nas visitas ao estádio e museu e, finalmente, mais um exercício lucrativo (o 14º consecutivo sem influência das participadas), reforçando assim os fundos patrimoniais do clube.

Saúde desportiva, associativa e financeira. Que o Benfica siga, em 2023/24, as mesmas pisadas da época transata nestes domínios!

Jornal O Benfica - 22/9/2023

Números da semana (141)

1

1ª Elite Cup de hóquei em patins (oficial) para o palmarés benfiquista;

2

Viti e Martim Costa são campeões europeus sub19 de hóquei em patins;

3

O Benfica ganhou a Taça Vítor Hugo de basquetebol no feminino pela 3ª vez;

4

A equipa feminina de andebol do Benfica venceu a 4ª Supertaça;

8

O Benfica conquistou, pela 8ª vez (7ª consecutiva), a Supertaça de futsal no feminino;

15

Outra Supertaça para o Benfica, a 15ª do seu palmarés no basquetebol;

50

António Silva atingiu a marca dos 50 jogos oficiais de águia ao peito pela primeira equipa, todo na condição de titular;

100

Cristy Ucheibe, Kika Nazareth e Nycole Raysla chegaram aos 100 jogos oficiais pela equipa A do Benfica;

298948

O Sport Lisboa e Benfica tinha, a 30 de junho passado, 298948 sócios ativos, um aumento de 36922, correspondente a 14,1%;

1936000

Quase 2 milhões de euros de lucro do Sport Lisboa e Benfica sem influência das participadas. É o 14º exercício lucrativo do clube. Os resultados operacionais, sem participadas, também foram positivos (acima de 2 milhões de euros), facto ocorrido pelo 17º exercício seguido. Os rendimentos operacionais atingiram o máximo histórico de 59,1 milhões de euros. A contribuir para este recorde estão, entre outras, as receitas, também elas, recorde, de quotização (18,8 milhões de euros) e merchandising (16,1 milhões de euros). Os fundos patrimoniais (sem participadas) foram reforçados, situando-se agora nos 37,7 milhões de euros.

Jornal O Benfica - 22/9/2023

domingo, 17 de setembro de 2023

Proibido nivelar por baixo

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Pensar o futebol

A iniciativa “Thinking football summit” é boa. Reúne muitos dos protagonistas do futebol português para falarem sobre este, revelando muito do que se vai fazendo com vista ao salto qualitativo necessário, apesar de também expor as diferentes velocidades (e direcções) a que se movem alguns dos protagonistas.

Senão, vejamos:

O presidente do Sport Lisboa e Benfica, Rui Costa, entrevistado por Vanda Cipriano, coordenadora do departamento de comunicação da Liga Portugal e antiga jornalista do Record, abordou temas como o título conquistado na temporada passada, a ambição de novas conquistas, o sonho europeu, o investimento no estádio e sua envolvente para melhorar a experiência dos adeptos, potenciar o apoio e atrair mais público, a notável procura dos benfiquistas por lugares de época e bilhetes, as perspetivas para o Benfica Campus, a marca Benfica, a eventualidade do naming do estádio, a conciliação entre aspectos desportivos e financeiros na gestão desportiva, a relevância da formação na estratégia definida, o modelo de governação, o trabalho de equipa ao nível das decisões, o papel dos dirigentes no desenvolvimento do futebol, a centralização dos direitos televisivos, o posicionamento do Benfica relativamente à melhoria do futebol português sempre salvaguardando os interesses próprios, os constrangimentos face a campeonatos de outros países e mais algum que me tenha escapado.

Em claro contraste, o presidente do Futebol Clube Porto, Pinto da Costa, entrevistado por Rui Cerqueira, da comunicação do Futebol Clube do Porto, mandou bocas e nada acrescentou.

Não surpreende. Ainda recentemente, o FC Porto não se fez representar no Liga Portugal Awards devido, ao que parece, a uma qualquer querela com a CNN Portugal, tal é o respeito pela Liga e o empenho na promoção do futebol nacional. Já para não referir a míngua de conferências de antevisão aos jogos do treinador portista nesta temporada.

Para quem tivesses dúvidas, assim se esclarece quem é interessado em desenvolver e modernizar o futebol português e quem, pelo contrário, não mais pretende além da insistência em fazer do passado presente, moldando-se às exigências quotidianas com os objectivos, métodos e postura de sempre.

Houve muitos outros intervenientes, uns interessantes (desde logo Roger Schmidt), outros nem por isso. E um momento difícil de assimilar.

Vítor Murta, presidente do Boavista, passados dias de um árbitro se ter deixado ludibriar por mais uma das milhentas simulações de Taremi, a qual, vá lá, foi revertida apesar das comunicações do VAR estarem em baixo por falta de electricidade na fonte de alimentação do sistema no estádio do Dragão, afirmou o seguinte: “O Taremi simula? Qual é o problema? Está lá a fazer o papel dele. (…) Andarmos a falar de tomadas. O Taremi está lá a fazer o papel dele e o árbitro e o videoárbitro que façam os seus. Cada um tem o seu papel, temos de cuidar do futebol e deixar de dar tiros nos pés.”

Concordo com a última afirmação. E sugiro a Vítor Murta que comece por se retratar, pois seria uma boa maneira de não dar (mais) tiros nos pés.

Jornal O Benfica - 15/9/2023

Números da semana (140)

4,2

A Benfica SAD terminou 2022/23 com um lucro de 4,2 milhões de euros. Nesse exercício foi conseguido o montante máximo de receitas operacionais excluindo passes de atletas (195,8 M€). Incluindo as transações com atletas, os rendimentos ascenderam aos 284,7 milhões de euro, o 2º melhor desempenho de sempre. A dívida líquida decresceu 4,3%. O Ativo e o passivo cresceram na mesma ordem de grandeza, mas o ativo supera o passivo em 113,2 milhões de euros, o valor inscrito no capital próprio, demonstrativo da solidez das contas da SAD;

3

O Benfica conquistou a sua 3ª Supertaça de futebol na vertente feminina;

5

Campeões europeus sub19 de futsal pertencentes aos quadros do Benfica: Lúcio Rocha, Pedro Marques, Diogo Carrera, Afonso Serra e Tomás Colaço;

São 5 os troféus em disputa neste fim de semana: Supertaças de basquetebol, andebol no feminino e futsal no feminino, Elite Cup de hóquei em patins e Taça Vítor Hugo de basquetebol no feminino. Que venha o pleno!

27’45’’

Samuel Barata é o novo recordista nacional dos 10 kms em estrada, batendo um recorde que perdurava desde 1985. Os 27’45’’ minutos na distância baixaram o recorde nacional em 26 segundos. O atleta do Benfica também estabeleceu novo recorde nos 5 kms (13’33’’), 18 segundos abaixo da melhor marca anterior, de 1996;

75%

Ao longo de 2022/23, antes ainda da abertura das bilheteiras, cerca de 75% da lotação do estádio estava vendida em jogos do campeonato. 45266 Red Pass, 1171 executive seats e cerca de 1700 lugares distribuídos por 125 camarotes;

150

Andreia Faria tornou-se na 2ª jogadora a atingir a marca dos 150 jogos oficiais pela equipa A feminina de futebol do Benfica.

Jornal O Benfica - 15/9/2023

segunda-feira, 11 de setembro de 2023

Tudo isto é triste, tudo isto é futebol português

Esta é a minha 414ª crónica no jornal O Benfica, sinto que devo inovar. Portanto, desta vez, por estranho que possa parecer à primeira vista, escrevo-a à moda do Porto.

Para não dar azo a confusões, esclareço que não se trata de uma homenagem aos grandes escritores portuenses ou a uma tentativa de trocadilho do género “cada um escreve a sua”. Refiro-me mesmo ao clube fundado, em 1906, por José Monteiro da Costa, aquele do animal imaginário como símbolo, tratando-se este, porventura, ao invés de uma referência a um antigo brasão da cidade, antes a um apelo à nossa criatividade e persistência para encontrarmos razões, além do amor ao Benfica, que nos façam levar a sério o futebol português tão maltratado pelo FC Porto.

Sei que é arriscado, não só por escrever para a publicação oficial do Glorioso, mas também por haver uma elevada probabilidade de enganar os leitores. E há a questão substantiva: ao longo do tempo esperado para que esta crónica seja lida, o caro leitor não descortinará argumentos válidos, figuras de estilo memoráveis ou ideias originais merecedoras de citação ou reflexão.

Salva-se o editor. Deixarei cair a caneta tantas vezes quanto as necessárias para que a pegue do chão e, mesmo que à vista de toda a gente, desencante a ideia ou a frase que fará com que a minha crónica valha a pena. Independentemente disso, criticá-lo-ei, está-me na massa do sangue e sei que, quanto mais centrado no alvo da minha pretensa ira tornada pública, mais propenso a safar-me crónicas vindouras ele estará.

Não julguem que sou tanso. Nada disto é assumido e se interpretam o que aqui lêem como uma confissão, desenganem-se. Negarei tudo! Esbracejarei e espernearei para lá dos limites do potencial humano. Gritarei até que vos doam os ouvidos. Ameaçarei subversões e revoltas. E os meus apaniguados e amigos de conveniência acreditarão, ou fingirão que acreditam, em tudo o que escrevo. Não tenho opiniões, emito sentenças. E, se insistirem muito, falem com uns mitras no meu bairro, as minhas marionetas de persuasão, sempre solícitos em fazer valer os meus pontos de vista.

A suposta irrelevância dos meus escritos faz parte de uma cabala concebida para me tentar mandar abaixo. Não roubo ideias, as minhas melhores frases não me são sugeridas, os trocadilhos mais engraçados são todos da minha verve. Sei bem quem são os meus inimigos. Escrevem noutros jornais, falam em televisões, dominam os meandros do comentário e impedem-me, porque me invejam, cobiçam a minha originalidade e, obviamente, odeiam-me, de ser sempre o melhor cronista. É tempo de acabar com o centralismo literário e opinativo!

Estimo, porém, que o tempo reservado para a leitura desta crónica se esfumou. Todos, detractores de sempre e para sempre, acham que nada de jeito foi lido, mas acabei de saber pelo editor que posso escrever mais uns parágrafos. Quantos, pergunto. Até que escrevas algo que valha a pena, responde-me. E acrescenta que me dará uma mãozinha se necessário for.

(…)

(…)

(…)

Aproveito o tempo adicional para perguntar à Liga se os constantes mergulhos proveitosos de Taremi tornam o produto “futebol português” mais apetecível no estrangeiro. E também para fazer notar, segundo comunicado do Conselho de Arbitragem, que “o VAR foi introduzido em Portugal em maio de 2017 e o tempo de funcionamento sem quebras do serviço é de 99,8 por cento”. Coincidência das coincidências, se bem percebi, não funcionou na plenitude quando foi necessário avaliar um penálti inexistente, mas assinalado a favor do FC Porto, devido a falta de electricidade numa tomada no estádio do Dragão. E termino com isto: como diz um conhecido meu, o FC Porto protestar o jogo com o Arouca lembra o parricida que pede ao juiz uma atenuante da pena por ser órfão.

Jornal O Benfica - 8/9/2023

Números da semana (139)

2

Mais 2 medalhas de ouro para Fernando Pimenta, desta feita no Campeonato do Mundo de Maratona de canoagem. O canoísta do Benfica foi o mais forte em K1 Short Race e em K2;

6

O duo Rafa e Di María continua a notabilizar-se na participação direta da finalização de golos em 2023/24. Rafa soma 6 (3 golos + 3 assistências), Di María 5 (4+1).

29

Rafa passou a ser o 3º com mais assistências para golo em jogo oficiais no estádio da Luz (29);

60

Roger Schmidt completou 60 jogos oficiais à frente da primeira equipa do Benfica. Nos primeiros 60 jogos, só Cosme Damião conseguiu uma percentagem de vitórias superior. São 47 vitórias e é, a par de Guttmann e Riera, o 2º com melhor desempenho neste domínio na história do clube;

100

João Mário chegou aos 100 jogos em competições oficiais de águia ao peito, nos quais marcou 27 golos e fez 20 assistências;

311

Rafa passou a ser um dos 50 futebolistas com mais jogos pela equipa de honra do Benfica, incluindo particulares. Soma 311, tantos quanto Adolfo e Malta da Silva;

500

500 jogos oficiais no atual estádio da Luz. Venceu 372 (74,4%), empatou 76 (15,2%) e perdeu 52 (10,4%). Marcou 1141 golos e sofreu 370. Luisão é o líder nos rankings dos jogos (264) e do tempo de jogo (24612 minutos – inclui tempos adicionais). Cardozo é o máximo goleador, com 105 golos. Gaitán lidera nas assistências, com 56. Roger Schmidt é o treinador com maior percentagem de triunfos (85,19%);

523

Ao fim de 5 partidas oficiais, resta um totalista absoluto: Aursnes, com 523 minutos de utilização (inclui tempo adicionais). Há mais 7 jogadores participantes em todas os jogos: António Silva (514); Otamendi (508); Rafa (495); Bah (490); Di María (465); Kokcu (437); João Neves (336).

Jornal O Benfica - 8/9/2023

segunda-feira, 4 de setembro de 2023

Critérios muito criteriosos

Ainda o campeonato mal começou e já os casos de arbitragem se sucedem a um ritmo vertiginoso, embora tão português que não surpreenda.

Convém dizer, no entanto, que em jogos do Benfica não se pode dizer, para já, que haja uma tendência de óbvio prejuízo. Um possível penálti por assinalar a favor, uma eventual expulsão perdoada a um adversário e o vermelho mostrado a Musa que, havendo margem para discussão, entende-se perfeitamente. Não é nada mau face ao que estamos habituados. Afinal, nas últimas dez épocas em que ganhámos seis campeonatos, tivemos menos 21 penáltis do que o FC Porto e menos 25 do que o Sporting. Jogámos claramente mais tempo em inferioridade numérica e espantosamente muito menos tempo em superioridade numérica. São factos.

Mas os jogos de FC Porto e Sporting têm sido repletos de erros, sobretudo se fossem aplicados os mesmos critérios usados em jogos do Benfica. O que mais precisará de fazer Eustáquio ou Gyokeres, só para citar um jogador de cada adversário na luta pelo título, para verem um vermelho? Musa pisou a bola, escorregou, embateu violentamente de sola num adversário e foi expulso, jogadores há do FC Porto que, sem terem pisado a bola nem escorregado, cometeram faltas com igual perigo para oponentes e os cartões ficaram no bolso. Ou Gyokeres, cujos cotovelos são especiais, pois parecem adquirir imunidade a partir do primeiro amarelo admoestado.

E houve ainda um golo em fora de jogo porque o vídeoárbitro se enganou a colocar as linhas, outros, que valeram pontos, para lá dos descontos e um penálti conveniente, que ajudou o FC Porto a conseguir a reviravolta no resultado já no tempo adicional do jogo em Vila do Conde. Este último é um bom exemplo do que são critérios muito criteriosos.

Erros haverá sempre, mesmo com VAR, e por isso fiz questão de enunciar decisões prejudiciais ao Benfica que, apesar de darem azo a críticas, são aceitáveis. O que não pode acontecer é o que se tem visto nestas três jornadas em partidas de FC Porto e Sporting: critérios tão díspares em relação aos aplicados em lances do Benfica que, por beneficiarem sempre os mesmos, parecem muito criteriosos.

É evidente que o Benfica poderia ter tido mais sorte e feito um pouco mais no Bessa, mas tal não pode escamotear os evidentes benefícios a FC Porto e Sporting neste início de temporada.

Jornal O Benfica - 1/9/2023

Números da semana (138)

3

São 3 os jogadores do Benfica no Campeonato do Mundo de basquetebol: Ivan Almeida e João Gomes por Cabo Verde; Eduardo Francisco por Angola;

4

No Campeonato do Mundo de velocidade de canoagem, 4 medalhas conquistadas por canoístas do Benfica. A dupla constituída por João Ribeiro e Messias Baptista foi prata em K2 500 metros. E Fernando Pimenta conseguiu o ouro em K1 1000 metros, a prata em K1 5000 metros e o bronze em K1 500 metros, passando a ter 18 medalhas (5 ouro; 7 prata; 6 bronze) na competição;

5

Nos 4 primeiros jogos oficiais da temporada, Rafa é o líder no plantel benfiquista na participação direta nas finalizações de golo, com 3 golos e 2 assistências. Esteve em 5 dos 9 golos marcados pela equipa. Segue Di María (3 golos), Musa (2 golos) e Neres (2 assistências);

8

Até ao fecho da edição, são 8 os elementos do plantel chamados para trabalhos das seleções: Aursnes, Bah, Di María, Morato, Musa, Otamendi, Schjelderup e Trubin;

12

Isaac Nader participou, pela 1ª vez, na final dos 1500 metros do Campeonato do Mundo de atletismo, classificando-se no 12º lugar;

31

Rafa é o 31º futebolista a atingir a marca de 75 golos em jogos oficiais pela primeira equipa do Benfica. Está a 4 do 30º, Humberto Coelho. No Campeonato Nacional soma 53 e integra o quarteto dos 26º mais goleadores do Benfica na prova (com Lima, Isaías e Diamantino);

50

Musa atingiu a meia centena de jogos pelo Benfica, incluindo particulares, nos quais apontou 15 golos. Nas 44 partidas oficiais em que participou (6 a titular, 38 como suplente utilizado), marcou 13 golos, estando em campo durante 1445 minutos (inclui tempos adicionais) e marcando um golo a cada 111 minutos de utilização.

Jornal O Benfica - 1/8/2023

Números da semana (178)

1 Terminadas as principais 7 ligas europeias e a Liga dos Campeões, Trubin foi o melhor guarda-redes sub-23 nos seguintes dados estatístic...