terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

Olha, lembrou-se...

Excepção feita a Dias da Cunha, não me recordo de ver um presidente do Sporting a denunciar aberta e sistematicamente a podridão do futebol português fomentada por um FC Porto desde há décadas orientado para a guerrilha sob as mais diversas formas e vontades.

Frederico Varandas, o actual presidente leonino que agora muitos elogiam por, no calor do momento, ter tecido declarações tão inflamadas quanto certeiras, é o mesmo que ainda há poucos meses, no conforto do seu gabinete, patrocinou um acordo com o FC Porto de cedência mútua de jogadores por montantes hipervalorizados face ao valor de mercado (por exemplo, o constante no site transfermarkt), com consequências, no imediato, muito positivas a nível contabilístico para ambos os clubes.

Passar tão depressa de parceiro num negócio destes para um mártir da denúncia pública não cola. Ou será que os tais quarenta anos de Pinto da Costa no futebol português até são úteis para alguma coisa?

Proferir, ocasionalmente, uma afirmação inflamada é curto e inconsequente. Não chega, por certo, para paladino da insurreição nem proto regenerador mor do futebol português, muito menos é um acto heroico de quem, nos anos que leva de presidência do Sporting, sendo certo que em duas ocasiões se insurgiu publicamente contra o estado das coisas, no resto do tempo assobiou para o lado. Como, aliás, o fez sempre que o Benfica foi a vítima do terceiro mundismo recorrente naquele estádio ou quando o terrorismo comunicacional feito ao Benfica não o incomodou minimamente, até por serem evidentes os benefícios colaterais dessa canalhice para o Sporting.

Não quero com isto dizer que Varandas deva tomar as dores do Benfica. Mas considero uma piada de mau gosto ler e ouvir tantos elogios a quem, na posição em que se encontra, tenha optado pelo silêncio conivente quanto ao maior ataque, para mais despudorado e ilícito, alguma vez empreendido por um clube a outro em Portugal.

Varandas tem razão quando fala em 40 anos, é pena que só lhe ocorra quando lhe dá jeito.

Jornal O Benfica - 18/2/2022

Números da semana (62)

3

Golos de diferença na excelente vitória obtida pela nossa equipa de andebol frente ao FC Porto;

9

Darwin voltou a bisar numa partida, elevando para 9 o número de vezes em que marcou pelo menos dois golos num jogo na presente temporada (7 bis; 2 hat-trick). O último a conseguir este feito foi Seferovic, na época passada (9 bis). Para se encontrar um registo superior, há que recuar a 2015/16, quando Jonas o fez por 12 vezes (11 bis; 1 hat-trick). Cardozo, em 2009/10, também alcançou 9 (5 bis, 4 hat-trick);

11

Henrique Araújo, depois de algumas ausências integrado no plantel da equipa A, regressou aos golos na Liga Portugal 2 e passou a ser o 2º melhor marcador da prova;

15

Darwin já é o 15º melhor marcador de sempre do Benfica neste estádio da Luz, com 18 golos apontados e a particularidade da esmagadora maioria destes terem sido feitos com o pé direito (15), o que faz com que o jovem uruguaio ocupe, a par de Saviola, a 8ª posição do ranking de goleadores com esse pé (o líder é Jonas, com 60). Na média de golos por jogo, Darwin é o 9º (0,49), o 5º entre aqueles que disputaram mais de 30 jogos;

23

E são já 23 golos de Darwin nesta época, totalizando 37 em competições oficiais ao serviço do Benfica, o que o coloca à beira do top60 dos goleadores de águia ao peito pela equipa de honra em “jogos oficiais”. No Campeonato já consta nos 60 mais goleadores, com 24 golos, tantos quanto os marcados por Ricardo Gomes e Vítor Martins;

26

Entre golos e assistências, apesar da aproximação de Darwin (23 golos e 2 assistências), Rafa continua a liderar este somatório, com 26 (11 golos e 15 assistências);

50

Everton chegou aos 50 jogos no Campeonato Nacional (36 na condição de titular), nos quais marcou 10 golos e fez 14 assistências.

Jornal O Benfica - 18/2/2022

domingo, 13 de fevereiro de 2022

Playoffs no futebol?

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Dinheiro Vivo - 12/2/2022

Pizzi

Com o empréstimo, por meia época, a um clube turco, talvez tenha chegado ao fim a extraordinária carreira de Pizzi no Benfica. Veremos se regressa ou não para cumprir o último ano de contrato.

À oitava temporada no Benfica, levava 360 jogos em competições oficiais (18º), 94 golos marcados (23º) e 94 assistências para golo (1º nas últimas 10 épocas). Foi campeão nacional quatro vezes, absolutamente preponderante em três desses títulos, titularíssimo com Rui Vitória e Bruno Lage.

Se estes registos não forem suficientes para se aquilatar do fabuloso percurso de Pizzi no Benfica e a relevância do seu desempenho de águia ao peito, atente-se às estatísticas do actual estádio da Luz: Pizzi é o segundo em jogos e assistências, o terceiro nos golos. À luz das estatísticas, Pizzi é um dos grandes jogadores da história do Benfica, incluído, por certo, numa segunda linha de predestinados.

Os números podem não dizer tudo, mas também não mentem. Relativizando-os, o seu significado pode ser diminuído ou aumentado, até em simultâneo. E se é verdade que se pode argumentar que Pizzi atingiu estes registos numa era em que os melhores jogadores se aventuraram pelo estrangeiro e fazem carreiras curtas no Benfica (e no futebol português), não menos o é que a quantidade absurda de golos e assistências conseguidas por Pizzi não são, ainda assim, suficientes para demonstrar o seu enorme impacto no sucesso benfiquista durante o período em que representou o clube. O elevado QI futebolístico apreende-se mais do que se quantifica e Pizzi é dos jogadores mais inteligentes que vi jogar no nosso Benfica.

Tendo em conta o desempenho por temporada, é evidente que assistimos a um declínio acentuado de Pizzi no último ano e meio.

Será que a absurda reconversão em médio centro anunciada e implementada por Jorge Jesus à chegada, sem aparentemente cuidar de observar o notável percurso do jogador em épocas anteriores, acelerou este desgaste? Terá, entretanto, expirado o seu prazo de validade? É possível que sim. E, se for essa a situação, é com naturalidade que a encaro. Estranho é o contentamento de muitos benfiquistas por este ocaso de Pizzi. Alguém desdenharia os 30 golos e 19 assistências de 2019/20? Ou os 15 golos e 23 assistências de 2018/19? A resposta deveria ser óbvia, mas por razões insondáveis desconfio que não será bem assim. Que seja muito feliz na Turquia, obrigado!

Jornal O Benfica - 11/2/2022

Números da semana (61)

3

Foi longo o jejum de golos de Gonçalo Ramos no Campeonato, mas agora marca há 3 jornadas consecutivas. Só ao 11º jogo se estreou a marcar no Campeonato na presente época e esteve em branco nas 3 partidas seguintes, mas o golo voltou a encontrá-lo: marcara 4 golos em 5 jogos na prova nas duas épocas anteriores, marcara por 11 vezes em 12 jogos pela equipa B em 2020/21 e fôra autor de 8 golos em 9 jogos na UEFA Youth League em 2019/20;

7

Grimaldo e Everton (2) fizeram as assistências para golo em Tondela, passando a ocupar a segunda posição ex-aequo neste item estatístico, em 2021/22, entre os membros do plantel. O líder destacado, com 15, é Rafa. De resto, considerando as últimas 10 temporadas, e a saída de Pizzi confirmada, Grimaldo é o 2º com mais assistências (45), Rafa o 4º (40) e Everton já é o 11º (17);

21

Darwin chegou aos 21 golos na presente temporada com um magnífico remate colocadíssimo ao ângulo superior direito da baliza. Já tem, ao fim de 26 jogos disputados, mais 50% do que os golos conseguidos na época de estreia, totalizando 35 (14+21) em competições oficiais desde que representa o Benfica. A enorme evolução do jovem jogador uruguaio é notória e confirmada pelos números. Em 2020/21, Darwin necessitou de 2893 minutos em campo para marcar 14 golos (207 minutos por golo), enquanto nesta época é autor de um golo a cada 81 minutos (21 golos em 1707 minutos);

360

A época não correu de feição a Pizzi e o empréstimo não surpreende (30 “jogos oficiais”, 2 golos, 4 assistências, apenas 986 minutos). 4 vezes campeão, os números não mentem: é um dos grandes jogadores da história do Benfica. Em competições oficiais, 18º em jogos (360) e 23º em golos (94, os mesmos do 22º Simão, mas mais 130 jogos).

Jornal O Benfica - 11/2/2022

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

Não sei do que estão a falar, mas discordo

Chega a parecer pavloviana a forma como, por parte de algumas pessoas com espaço na comunicação social, são entendidas e abordadas algumas das temáticas do futebol. O mercado de inverno é um bom exemplo.

Anos há em que movimentações nesta janela de transferência são, num sentido, reveladoras de falta ou de mau planeamento da época, apostas em jogadores sobrevalorizados ou excedentários por alguma razão, noutro, um recurso para colmatar problemas de tesouraria e/ou compor ou mesmo disfarçar uma gestão deficitária.

Mas outros anos há em que as compras são reveladoras de acutilância negocial, scouting esmerado e poder financeiro, sendo que as vendas se enquadram na resolução antecipada de eventuais problemas futuros, propostas irrecusáveis.

Chamem-me faccioso ou conspirativo, mas cá para mim a variável determinante nestas oscilações opinativas reside, sobretudo, na actuação benfiquista. O Benfica faz uma coisa, a reacção é uma. O Benfica faz outra, a reacção é outra, quais cães amestrados a babarem-se pelo biscoito da crítica ao Benfica em função do momento.

Neste âmbito, acaba por ser indiferente se o Benfica, numa janela de transferências concreta, procedeu mal ou bem. Ou se procedeu mal ou bem de acordo com o contexto ou com o encontro ou desencontro entre oportunidades de mercado e necessidades identificadas. Abra-se os cordões à bolsa, fechem-na a sete chaves, gaste-se todo o dinheiro, se possível adiantado do século seguinte, poupe-se que é essencial, venda-se já, recuse-se toda e qualquer proposta por inútil que seja o jogador, enfim, já ouvimos e lemos de tudo.

Pois eu tenho uma opinião formada há anos e não a mudo. Defendo que se deve estar sempre predisposto a comprar ou vender atletas seja em que altura for e sem olhar a quem, assim o binómio financeiro-desportivo saia reforçado.

Passo o jogo de palavras, já é tempo das opiniões troca-tintas sobre janelas de transferências (e outros assuntos) serem defenestradas. Já não há paciência.

Jornal O Benfica - 4/2/2022

Números da semana (60)

2

Dois jogos, duas derrotas, duas más exibições, duas más arbitragens em prejuízo do Benfica. A nossa equipa de futebol tem de jogar melhor e obter resultados mais consentâneos com os pergaminhos do clube, mas essa constatação não desobriga os árbitros de serem justos e competentes ou, pelo menos, que a sua incompetência não penalize sempre o mesmo;

5

Excelente vitória da nossa equipa feminina de andebol, por 5 golos, no Madeira, SAD, campeão em título. Falta muito campeonato, mas é inevitável o entusiasmo pela possibilidade de regresso ao título nacional;

22

Rafa tem-se notabilizado no capítulo das assistências, já leva 15 em 2021/22. Com o cruzamento para golo de Gonçalo Ramos ao Gil Vicente passou a ser o 5º com mais assistências, incluindo em jogos particulares, neste estádio da Luz (Gaitán, Pizzi, Aimar e Salvio são os líderes deste ranking). Considerando todos os jogos de competições oficiais nos últimos 10 anos (desde 2012/13), soma 40, só superado por Pizzi, Gaitán, Grimaldo e Salvio;

23

Numa final de má memória, Pizzi juntou-se a André Almeida e Maxi Pereira na 3ª posição do ranking dos jogadores com mais jogos pelo Benfica na Taça da Liga;

25

André Almeida passou a ser o 25º a capitanear mais vezes a equipa de honra do Benfica (incluindo jogos particulares);

31

Com a estreia de Henrique Araújo, passaram a ser 31 os utilizados pela equipa de honra do Benfica em competições oficiais na presente temporada;

53

A equipa de juniores venceu a zona sul do Campeonato Nacional. Trata-se de um registo interessante, especialmente pela circunstância dos jogadores utilizados serem predominantemente ainda do primeiro ano do escalão. Dju, com 19 golos, foi o melhor marcador desta fase (zonas norte e sul).

Jornal O Benfica - 4/2/2022

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Não passarão

Está para breve o anúncio das conclusões do estudo de uma Comissão, instituída pela Federação Portuguesa de Futebol, acerca do pedido do Sporting para que os vencedores do Campeonato de Portugal sejam considerados campeões nacionais. E como pedir não custa, o Sporting pretende ainda que as quatro primeiras edições do Campeonato Nacional sejam expurgadas do palmarés, alegando que foram experimentais.

Vindo este pedido do Sporting, só faltará que, não obstante a questão dos títulos, se continue a contar com os golos marcados, de forma a garantir que Peyroteo perdure na liderança dos goleadores da prova. Não me admirarei se for este o caso, afinal do Sporting tudo deve ser esperado.

Veja-se bem: num ápice, por decreto administrativo sem qualquer base factual, o Sporting passaria a contar com 23 campeonatos nacionais ganhos (mais quatro). O Porto com 32 (mais quatro e menos um). E o Benfica continuaria nos 37 (mais três e menos três).

E o que dizem os factos? Basta ler o relatório da FPF sobre 1938/39, no qual é referido que o Campeonato da I Liga passou a ser denominado de Campeonato Nacional e o Campeonato de Portugal passou a ser chamado Taça de Portugal.

A alteração dos nomes demonstra o que é cada competição. Aquela em que se apura o campeão nacional começou em 1934 e teve o nome modificado em 1938. A Taça de Portugal foi estreada em 1922, tendo o nome sido mudado em 1938. O que não mudou foi a natureza, o formato e até os troféus de cada prova (no da Taça continuaram a constar as placas dos vencedores desde 1922) e ninguém, em 1938, esperou que tal ocorresse, uma vez que as competições eram as mesmíssimas, mas com nome diferente.

Que o Sporting faça um pedido destes, pretendendo adulterar na secretaria o que alcançou em campo, é uma coisa, mas que a Federação sequer tenha aceitado estudar o caso já roça o domínio do absurdo.

A lata com que estes dirigentes da Federação ousam pôr em causa o que os seus antecessores, em conjunto com as associações regionais, determinaram no tempo certo, é absolutamente espantosa. O desrespeito por quem decidiu em conformidade com a realidade é inqualificável.

Esperemos que o bom senso e o respeito por todos os que se dedicaram ao futebol no passado prevaleçam sobre estes movimentos insidiosos e atentatórios à história do futebol português.

Jornal O Benfica - 28/1/2022

Números da semana (59)

1

Everton estreou-se a marcar na Taça da Liga, sendo o 52º jogador do Benfica a fazê-lo (122 golos, com dois autogolos, em 61 partidas). Jonas, com 10 golos, é o recordista, seguido de Cardozo, com 7, e Rodrigo, com 6. Pizzi faz parte do quarteto com 5 golos;

3

Com a vitória ante o Braga, a equipa feminina chegou à liderança isolada do Campeonato ao fim de 3 jornadas, com pleno de triunfos;

6

Foi a 6ª vez que o Benfica disputou um desempate por pontapés da marca da grande penalidade na Taça da Liga (21 jogos a eliminar, incluindo finais, a 3ª nas meias-finais). Foi a 5ª vez que foi bem-sucedido;

8

O Benfica está pela 8ª vez na final da Taça da Liga, tendo vencido em todas as presenças anteriores, a última em 2016 (triunfo em Coimbra, por 6-2, frente ao Marítimo);

20

Darwin marcou em Arouca e chegou aos 20 golos em competições oficiais na presente temporada, superando em 6 o registo da época de estreia e elevando a contagem pessoal, de águia ao peito, para 34;

32

João Mário apanhou Rafa em “jogos oficiais” na presente época e o duo lidera esta contagem. Vlachodimos, com 2768 minutos (incluindo tempos adicionais), lidera no tempo de utilização;

80

Se fosse vivo, Eusébio teria feito 80 anos nesta semana;

150

Jogos de Vlachodimos pelo Benfica em competições oficiais. No atual plantel, só Pizzi, André Almeida, Grimaldo, Rafa e Seferovic representaram mais vezes a equipa de honra do clube. É o 2º guarda-redes estrangeiro com mais jogos, só superado por Preud’homme;

232

Grimaldo passou a estar isolado na 50ª posição dos futebolistas com mais jogos pela equipa de honra do Benfica em competições oficiais;

2025

Kika Nazareth renovou o contrato que a liga ao Benfica. Uma excelente notícia!

Jornal O Benfica - 28/1/2022

Números da semana (178)

1 Terminadas as principais 7 ligas europeias e a Liga dos Campeões, Trubin foi o melhor guarda-redes sub-23 nos seguintes dados estatístic...