sábado, 30 de dezembro de 2023

Agora escolha

Há os estúpidos, há os maldosos e há os estúpidos que são maldosos e vice-versa, agora escolha o leitor. Lanço este desafio referindo-me ao autor anónimo de uma peça publicada no Record na sequência do jogo com o AVS, intitulada “Luz teve a pior casa da época”. O antetítulo também é sugestivo e, por isso, deve ser igualmente considerado: “Menos de 50 mil para o jogo da Allianz Cup”.

Dirá o Record, os factos estão correctos. Mas a forma como os factos são apresentados não tem justificação aceitável. Repare-se no teor da notícia: “Com o Natal a aproximar-se e a uma quinta-feira à noite, o duelo decidia o futuro do Benfica na Allianz Cup, mas a Luz ficou bem longe de uma enchente. De resto, o recinto das águias registou a pior assistência na atual temporada, com 48.959 espectadores presentes nas bancadas, face aos 52.609 que haviam assistido ao triunfo sobre o Famalicão (2-0), a 25 de novembro, para a 4ª eliminatória da Taça de Portugal.”

É óbvia a tentativa de criação de uma imagem de fracasso de afluência de público. E esta é a versão corrigida! A original dizia, em mau português, porém mais revelador, “(…) 48.959 espectadores presentes nas bancadas, a superar os 52.609 que haviam assistido ao triunfo…“. A superar a pior anterior, atenção!

Haveria outras formas de apresentar estes mesmos factos, talvez desrespeitando critérios editoriais desta publicação. E não me parece que só por benfiquismo se justificaria a opção por elas:

- Foi a 7ª maior assistência da temporada em todas as competições nacionais (de todos os clubes – as seis primeiras são do Benfica para o Campeonato Nacional);

- Foi a 11ª maior assistência da temporada em todas as competições oficiais (de todos os clubes – as nove primeiras são do Benfica para o Campeonato Nacional e Liga dos Campeões, mais um jogo do FC Porto na Liga dos Campeões);

- Foi a 2ª maior assistência de sempre na Taça da Liga. O jogo do Benfica com o AVS só foi superado pelo embate com o Sporting, também no estádio da Luz, das meias-finais em 2010/11, no qual estiveram presentes 49.652 espectadores.

Portanto, agora escolha!

P.S.: A Liga Portugal, bem, tem envidado esforços na atracção de público aos jogos e empenha-se ainda mais na autopromoção das suas iniciativas no âmbito deste desafio. Infelizmente, até hoje (26 de dezembro de 2023, 22:13), esta extraordinária afluência de público não motivou qualquer menção no seu site oficial. Um lapso, certamente.

Jornal O Benfica - 29/12/2023

Números da semana (155)

1

O Benfica venceu, pela 1ª vez, o Futsal Women's European Champions, a Liga dos Campeões oficiosa do futsal no feminino;

2

O Benfica é campeão nacional de natação nos masculinos e nos femininos na mesma temporada, o que já não acontecia desde 1988. Nos homens, é o bicampeonato nacional;

A equipa feminina de luta do Benfica é bicampeã nacional;

4

Di María chegou aos 4 golos na Taça da Liga e integra o grupo dos 8º melhores marcadores do Benfica na prova;

7

Ao fim de 4 jornadas na fase de grupos da Liga dos Campeões, a equipa feminina de futebol benfiquista já estabeleceu novo máximo de pontos: 7. A passagem aos quartos de final é uma forte possibilidade nesta altura, o que, por si só, já é extraordinário;

10

Aursnes é o 3º membro do plantel a chegar às 10 participações diretas na finalização de golos em jogos oficiais na presente época (2 golos + 8 assistências). Rafa lidera com 14 (8+6), seguido por Di María, com 11 (9+2);

20

O Benfica conquistou, nas várias modalidades, pelo menos 20 títulos e troféus desde o início da temporada 2023/24 (seniores);

30

Rafa é o 3º a chegar às 30 assistências para golo em jogos oficiais neste estádio da Luz. Antes só Gaitán e Pizzi;

51’’00

Diogo Ribeiro estabeleceu o novo recorde nacional dos 100 metros mariposa: 51 segundos. Também o quarteto feminino benfiquista nos 4x200 metros livres conseguiu a melhor marca portuguesa (8.03,35 minutos);

48959

No jogo do Benfica com o AVS, no estádio da Luz, foi registada a 2ª maior assistência de sempre na Taça da Liga, atrás dos 49652 que estiveram na Luz para assistir ao Benfica-Sporting das meias-finais em 2010/11.

Jornal O Benfica - 29/12/2023

terça-feira, 26 de dezembro de 2023

Chamar o azar

A última peça do famoso dramaturgo Molière é intitulada “O doente de cisma”. É uma comédia em que o personagem principal é hipocondríaco e, por isso, pretende que a filha se case com um médico para que possa poupar nas despesas de saúde. O mais caricato é que, passada uma semana da estreia da peça, quando se realizou a quarta sessão, Molière desmaiou e faleceu pouco depois. O povo pode resumir a moral deste acontecimento a uma frase: “não se deve chamar o azar”.

Não sou dado a superstições nem a mezinhas, logo este é dos axiomas populares a que não atribuo qualquer valor. Mas existe, de facto, “chamar o azar” enquanto imagem de atitudes ou enquanto explicação simplista, e à posteriori, de causas que levam a consequências.

No domínio das atitudes enquadram-se os mal-intencionados, seja por feitio ou por interesses próprios (não confundir com os adeptos, as suas ânsias e pessimismos). São aqueles que se julgam mais relevantes do que na realidade o são e que procuram disfarçar de opinião inconfessáveis desejos. Inconscientes da sua insignificância, acham que, por reiterarem uma ideia e propalarem-na sob diversas capas, por mais ridículas que sejam, a realidade encarregar-se-á de lhes dar razão.

O Schmidt isto, o Schmidt aquilo, e para usar uma expressão popular, por agora “metem a viola no saco”. Claro que se o Benfica não vier a atingir os seus objectivos, esses serão os primeiros a tocar os acordes do “eu tinha razão”, mas essa já a perderam. Quem os ouvisse, por esta altura o Benfica estaria fora das competições europeias e afastado da luta do título. E continuam a ser pagos, digam o que disserem sabe-se lá com que motivação ou propósito.

A outra variante está relacionada com a explicação simplista dos acontecimentos. Por exemplo, esta semana o treinador do FC Porto aludiu à expulsão de Fábio Cardoso na Luz e de Pepe em Alvalade para justificar, pelo menos em parte, as derrotas em ambos os jogos. Claro que nesta ponta da Europa onde tanto se diz adorar o futebol, mas que se fala tão pouco do mesmo, não ocorreu a qualquer jornalista, mesmo aqueles que não abraçam o treinador do FC Porto a seguir a uma conferência de imprensa, perguntar se a razão dessas expulsões não seria de ordem táctica e/ou mental. Deixaram, cordialmente, que ficasse no ar um espectro de suspeição quanto às arbitragens, apesar de, como é evidente, não ser esse o caso.

O que Sérgio Conceição fez foi, agora simplifico eu, “chamar o azar”. Fê-lo na Luz ao deixar Neres e Rafa em situações de um para um em transição e fê-lo em Alvalade ao continuar a confiar num jogador que, quanto mais as qualidades definham, mais expostas ficam as debilidades, que no caso de Pepe se trata de descontrolo emocional com apetência para comportamentos violentos só sustentável devido à complacência de árbitros.

Retorno ao “chamar o azar” das superstições: não me diz nada. E por isso não tenho pejo em admitir que estou convicto de que o Benfica será campeão. A boa exibição em Braga não surgiu de geração espontânea, tratando-se antes do mais recente episódio de um período em que equipa tem estado bem, mesmo em jogos com resultado adverso, e que acredito que perdurará até final da época.

Jornal O Benfica  - 22/12/2023

Números da semana (154)

1

O Benfica já garantiu a presença no Mundial de clubes em 2025 (através do ranking europeu de clubes elaborado a partir do desempenho na Liga dos Campeões de 2020/21 a 2023/24);

2’56’’

O golo marcado por Tengstedt em Braga foi o mais madrugador do Benfica na presente temporada (24 jogos oficiais). Também é o autor do mais tardio (96’21’’ ao Sporting). O avançado é um dos 6 elementos do plantel com 3 ou mais golos (Rafa e Di María somam 8 cada, João Mário 6 e, com 3, há Musa e Arthur Cabral). No capítulo das assistências, Tengstedt tem 3, assim como Kökcü (Aursnes, 7, Rafa, 5, e Neres, 4, ocupam o pódio);

4

Sobe para 4 os jogadores com mais de 2000 minutos de utilização por Roger Schmidt em jogos oficiais na presente época (incluindo tempos adicionais). João Neves juntou-se a Aursnes (totalista absoluto com 2410 minutos), Otamendi (2301) e Rafa (2228). Segue-se António Silva, com 1994;

21,9%

Segundo o goalpoint.pt, Trubin é o guarda-redes, nas principais ligas europeias com melhor percentagem de golos esperados evitados. A boa exibição em Braga ajudou o Benfica a ser o primeiro clube, ao fim de 14 jornadas, a não sofrer qualquer golo dos bracarenses;

42

Rafa passou a ser, com Álvaro e Silvino, o 42º com mais jogos (330) pela primeira equipa do Benfica (incluindo particulares). Neste século, só Luisão, Nuno Gomes, Pizzi, Maxi Pereira, André Almeida, Cardozo e Grimaldo jogaram mais vezes do que Rafa;

50

João Neves chegou aos 50 jogos pela equipa de honra do Benfica (incluindo particulares);

150

Otamendi atingiu as marcas dos 150 jogos em competições oficiais pelo Benfica e dos 100 no Campeonato Nacional de águia ao peito.

*Não inclui o Benfica - AVS

Jornal O Benfica - 22/12/2023

segunda-feira, 18 de dezembro de 2023

Demora inexplicável

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Ganhar em Braga

O futebol é maravilhoso. As regras são simples e é fácil de compreender. A raridade do golo faz com que seja mais difícil de prever o resultado de cada jogo e essa é a principal razão por que este desporto é repleto de momentos mágicos e narrativas variadas.

Veja-se o exemplo de Arthur Cabral. Trata-se de um jogador que demora em se afirmar no Benfica, carregando nos ombros as elevadas expectativas depositadas em si, geradas pelo significativo investimento na sua contratação e num percurso entusiasmante até chegar à Luz. Acresce que joga numa posição cuja função principal – marcar golos - tem sido apontada como uma das debilidades da equipa, com consequências óbvias em pelo menos quatro pontos desperdiçados no campeonato (Casa Pia e, gritantemente, Farense).

E foi protagonista de um gesto censurável.

Reconheceu o erro, foi humilde, pediu desculpa, prometeu doravante evitar comportamentos irrefletidos e assegurou que está focado em atingir os níveis exibicionais que motivaram a sua contratação. Beneficiou de apoio e compreensão de colegas e equipa técnica e, estou convencido, da tolerância da generalidade dos benfiquistas. Passados poucos dias, foi, com muita classe, o herói improvável em Salzburgo.

Mais do que uma mera narrativa interessante, esta sequência de acontecimentos mostra porque Roger Schmidt, quando inacreditavelmente maltratado por alguns benfiquistas no estádio da Luz, foi prontamente defendido pelos jogadores, tanto pelas habituais escolhas como pelos menos utilizados. Schmidt não deixou, depois, cair Arthur Cabral, lançando-o logo no jogo seguinte.

É por demais evidente, por muito que profissionais da comunicação desonestos intelectualmente tentem convencer-nos do contrário, que há um fortíssimo espírito de grupo no plantel benfiquista. Só com essa qualidade o Benfica poderia ter feito a notável exibição em Salzburgo após dois empates para o campeonato, qualquer deles injusto (o último inqualificavelmente injusto) não obstante a verborreia de alguns teóricos e vários maledicentes. Só com união e crença na qualidade própria a equipa do Benfica não se deixou abalar pelo golo sofrido em Salzburgo, persistindo na concretização do objetivo de apuramento para a Liga Europa, alcançando-o.

Agora, em Braga, ver-se-á como corre. O jogo é difícil, tudo é possível, mas acredito na vitória porque vejo a equipa a jogar bem nos últimos jogos, mesmo naqueles em que não ganhou (exceptuando em Moreira de Cónegos, onde foi menos impetuosa). E porque, nesta temporada, já venceu duas vezes o Porto, uma o Sporting e fez em Salzburgo exactamente o que precisava de fazer.

P.S.: Disse-o ontem logo a seguir ao golo e fica aqui escrita a minha fezada. O Arthur Cabral marcará 22 golos na presente época.

Jornal O Benfica - 15/12/2023

Números da semana (153)

3

O Benfica ficou em 3º lugar no grupo D da Liga dos Campeões, transitando para o playoff da Liga Europa. A última participação benfiquista na prova foi em 2020/21, chegando aos 16 avos de final. Em 2019/20 foi a última vez que chegou à Liga Europa via fase de grupos da Liga dos Campeões, ficando pelos 16 avos de final;

4

Em estreia nos Campeonatos da Europa de piscina curta, Diogo Ribeiro estabeleceu 3 recordes nacionais (50 e 100 metros mariposa; 100 metros livres) e fez parte da equipa de estafetas que fez o melhor tempo português de sempre nos 4x100 metros estilos (com Miguel Nascimento, o qual fez parte do quarteto misto que também bateu o recorde nacional nos 4x50 metros estilos);

6

Rafa passou a ser o 6º mais goleador do Benfica na Liga dos Campeões / Taça dos Clubes Campeões Europeus. Soma 13 golos na competição de águia ao peito. Só Eusébio, José Augusto, Torres, José Águas e Nené foram mais concretizadores. E tem agora 80 em competições oficiais, ocupando a 29ª posição no ranking dos goleadores benfiquistas, a par de Manniche;

13

Rafa lidera o plantel, na presente temporada, na participação direta na finalização de golos em jogos oficiais: leva 8 golos e 5 assistências. Seguem-se Di María, com 10 (8+2) e Aursnes, com 9 (2+7);

14

Otamendi passou a ser o 14º que mais vezes envergou a braçadeira de capitão em jogos da equipa de honra do Benfica (140, inclui particulares);

22

De acordo com o site playmakerstats, só houve 4 golos de canto direto na Liga dos Campeões (atual formato). Di María marcou passados 22 anos do anterior;

30

Di María chegou às 30 assistências para golo pelo Benfica em competições oficiais. É o 11º neste ranking desde a temporada 2007/08.

Jornal O Benfica - 15/12/2023

quarta-feira, 13 de dezembro de 2023

Números da semana (152)

1

O Benfica assumiu, disputadas 7 jornadas, a liderança isolada do Campeonato Nacional de râguebi. É ainda uma fase precoce da prova, mas são visíveis os sinais de evolução relativamente à temporada passada;

2:07:35

Samuel Barata conseguiu, em Valência, os mínimos da maratona para os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris. Baixou o seu melhor tempo em 2 minutos e 38 segundos e estabeleceu a 3ª melhor marca portuguesa de sempre na distância;

7

São 7 as hoquistas do Benfica no Campeonato da Europa, 6 por Portugal e 1 por Itália;

44

Rafa chegou aos 327 jogos pela equipa de honra do Benfica (incluindo particulares) e passou a ser o 44º, a par de Jaime Graça, com mais jogos. Está a 5 de se juntar a Vítor Paneira na cauda do top 40;

54

Foram 54 os atletas do Benfica distinguidos na festa do triatlo 2023, num ano em que o clube se sagrou campeão nacional de triatlo e duatlo em masculinos e femininos e de aquatlo em masculinos;

100

Gonçalo Guedes atingiu, incluindo particulares, a centena de jogos pela primeira equipa do Benfica. É o 219º a alcançar esta marca redonda;

2001

Otamendi é o 2º membro do plantel do Benfica a superar os 2000 minutos de utilização em competições oficiais na presente temporada (participou em 20 dos 21 jogos realizados, atuando em 2001 minutos – inclui tempos adicionais). Aursnes é, entre os 27 utilizados por Roger Schmidt (8 da formação), o único totalista absoluto, com 2110 minutos em campo. Rafa, o único, além de Aursnes, totalista em jogos (1950), António Silva (1794) e João Neves (1747) são os seguintes no ranking. Acima do milhar de minutos há ainda Trubin (1493), Di María (1443), João Mário (1423) e Morato (1124).

Jornal O Benfica - 8/12/2023

terça-feira, 5 de dezembro de 2023

Números da semana (151)

3

João Mário conseguiu um hattrick pela primeira vez ao serviço do Benfica. Bisou 5 vezes. Leva 33 golos em jogos oficiais de águia ao peito e passou a ser o 16° com mais golos em jogos oficiais na Luz;

4

Na estreia europeia benfiquista do polo aquático no feminino, o Benfica obteve um honroso 4º lugar na Challenger Cup;

21

Com 21 assistências para golo, João Mário passou a ser o 15º neste ranking desde 2007/08 (época de estreia de Di María no Benfica). No atual plantel, só Rafa (57) e Di María (29) fizeram mais passes/cruzamentos para golo. Segue-se Neres, com 20. João Mário é ainda o 18º com mais assistências (13) em jogos oficiais no atual estádio da Luz;

25

O Benfica é campeão nacional de corta-mato longo pela 25ª vez, a terceira consecutiva. Etson Barros, 3º classificado, mas 1º entre os portugueses em prova, é o campeão nacional absoluto e sub23 a nível individual. Nos 5 primeiros classificados, 4 são atletas do Benfica;

33

Rafa passou a ser o 33º com mais jogos oficiais pelo Benfica, somando agora 294. E passou a ser, a par de Shéu, o 14º com mais jogos de águia ao peito nas competições europeias (é o 10º na Liga dos Campeões / Taça dos Clubes campeões Europeus);

100

Florentino chegou, na partida com o Famalicão, aos 100 jogos oficiais pela equipa de honra do Benfica (agora 82 vezes titular em 101 jogos). 44 dos jogos em que participou aconteceram no estádio da Luz, o que faz de Florentino o 3º, entre os formados no Benfica Campus, com mais partidas na Luz. No atual plantel, é o 6º com mais jogos oficiais de águia ao peito.

Jornal O Benfica - 1/12/2023

segunda-feira, 27 de novembro de 2023

A ter em conta

Que o Benfica é o maior clube português em todos os domínios relevantes, qualquer um sabe, até aqueles que não o admitem publicamente, seja por interesse ou por receio de reação alérgica. Mais do que factual, é axiomático, só deixando margem para discussão a ordem de grandeza em relação aos adversários.

Este tema secular (nos anos 20 do século passado estiveram muito em voga as taças de popularidade, geralmente da iniciativa da imprensa e atribuídas com recurso a ovações) não é de lana-caprina.

É determinante, por exemplo, para as decisões dos patrocinadores sobre o alvo e a dimensão do seu investimento. E, devido à imposição governamental da exploração centralizada dos direitos televisivos, redobrou a relevância. Isto é, partindo-se do pressuposto, que não é certo, de que a matriz de distribuição das receitas televisivas incluirá o peso das preferências clubísticas, se é que se pretende minimamente justa num país cujas assimetrias no clubismo são gigantes.

A recente publicação do relatório e contas 2022/23 do Futebol Clube do Porto (finalmente e com buraco financeiro acima de 191 milhões de euros!) permite, em conjunto com outras fontes, comparar alguns dados, tão actuais quanto possível, dos três clubes mais populares em Portugal (as estimativas variam entre 80 e 95% de todos os adeptos).

Nos dois maiores estudos efectuados sobre a massa adepta do futebol em Portugal, ambos num período de menor fulgor benfiquista no futebol, o Benfica surgiu destacadíssimo. A Bola/Marktest – 7668 inquiridos, SLB 40,4%, FCP 19,2%, SCP 20,3%; Vox Populi (1997-2001) - 8169 inquiridos, SLB 50,3%, FCP 23,1%, SCP 22,5%; Ademais, num estudo feito para a banca (em 2012), estimou-se que 48,4% dos detentores de conta bancária eram benfiquistas (24,8% portistas e 22,4% sportinguistas).

E há dados que robustecem as conclusões destes estudos (entre parêntesis a percentagem de Porto e Sporting relativamente ao Benfica).

Retirados dos RC 2022/23, temos: Número de sócios: SLB - 298948; FCP - 122744 (41%); SCP - 137849 (46,1%); Receitas de quotização: 18,8M€; 6M€ (31,9%); 10,4M€ (55,3%).

Retirados do site da Liga Portugal, temos (2022/23): Espectadores nos jogos em casa: SLB - 970837; FCP - 604536 (72,5%); SCP - 497967 (51,3%); Espectadores nos jogos em casa sem três grandes: SLB - 846514; FCP - 604536 (71,4%); SCP - 419091 (49,5%); Espectadores nos jogos fora (capacidade limitada dos estádios mitiga as diferenças): SLB - 237716; FCP - 226251 (95,2%); SCP - 225053 (94,7%); Espectadores nos jogos fora sem três grandes (capacidade limitada…): SLB - 148869; FCP - 124695 (83,8%); SCP - 113328 (76,1%).

Jornal O Benfica - 24/11/2023

Números da semana (150)

1

O Benfica é campeão nacional de judo 2023;

O Benfica conquistou, pela 1ª vez, a Taça de Portugal de paintball;

2.0

Está inaugurada a primeira Casa do Benfica 2.0. Foram cerce de 800 os benfiquistas presentes na inauguração;

4

Na Gala Quinas de Ouro 2023, o Benfica recebeu 4 distinções pelos títulos nacionais de futebol (masculino e feminino) e futsal (feminino), e excelência na formação de futebol. Houve ainda vários atletas do Benfica distinguidos a nível individual: João Neves (futebol – estreia internacional A); Rute Costa, Carole Costa, Sílvia Rebelo, Ana Seiça, Catarina Amado, Lúcia Alves, Andreia Norton, Francisca Nazareth e Jéssica Silva (mundialistas por Portugal); Carlos Monteiro e Edmilson Sá (futsal – estreia internacional A), Inês Matos (futsal – estreia internacional A) e Ana Seiça (futebol – estreia internacional A); Lúcio Rocha, Pedro Marques, Diogo Carrera, Afonso Serra e Tomás Colaço (campeões europeus de futsal sub19 por Portugal);

5

Com a importante vitória em Braga, subiu para 5 os pontos de distância do líder Benfica relativamente aos 2º classificados no Campeonato Nacional de futebol no feminino;

36

Nas mais recentes convocatórias das seleções jovens constam 36 futebolistas do Benfica, a saber: 31 por Portugal, distribuídos pelos sub21 (4), sub20 (4), sub19 (4), sub18 (10); sub17 (2) e sub16 (7); e 5 em seleções sub21 e sub19 estrangeiras;

121

Medalhas conquistadas por nadadores do Benfica nos campeonatos regionais de juvenis e absolutos de piscina curta: 59 medalhas de ouro, 34 de prata e 28. Relativamente ao lugar cimeiro do pódio, 39 foram conseguidos no masculino e 23 no feminino.

Jornal O Benfica - 24/11/2023

segunda-feira, 20 de novembro de 2023

Elas também jogam… e bem!

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

As crises do Benfica

A do treinador, que já perdeu, desde que chegou ao Benfica, um dos sete jogos frente a Sporting e Porto, ganhando somente quatro, três na presente temporada, um deles valendo a conquista da Supertaça, não conseguindo sequer, neste particular, apresentar um número redondo como os 10 clássicos e dérbis consecutivos sem ganhar de Rúben Amorim ou arranjar desculpa atrás de desculpa para justificar insucessos como é costume de Sérgio Conceição. E que, em 45 jornadas do campeonato com Roger Schmidt, o Benfica só tenha estado na frente em 35, agora e em todas de 2022/23;

A do plantel, por ter vários jogadores lesionados ou que já se lesionaram na presente temporada, não podendo tais ocorrências, como é óbvio, conferir qualquer margem de tolerância relativamente ao desempenho. Também por terem deixado tudo em campo com o Sporting, tornando a recuperação física mais exigente;

A exibicional, sobre a qual o último jogo, frente ao Sporting, é elucidativo: mais golos, mais remates, mais remates enquadrados, mais oportunidades de golo criadas, mais golos esperados, mais bolas nos ferros, mais cantos, mais posse de bola, mais toques na bola, mais dribles bem-sucedidos e percentagem de sucesso mais alta de dribles, mais duelos ganhos, incluindo aéreos, mais recuperações de bola, mais passes efectuados, acertados e decisivos, mais garra, mais cabeça (e, segundo os analistas, mais dois possíveis penáltis sonegados)… tudo, mas mesmo tudo mais, menos as faltas cometidas, os erros e os golos sofridos, além, claro, da justiça da vitória, que essa, como só poderia ser, deve ser atribuída por inteiro ao Sporting porque sim;

A institucional, cuja instabilidade já motivou desacatos e pancadaria na mais recente Assembleia-Geral do FC Porto;

A financeira, pelos capitais próprios da SAD que, apesar de se situarem acima dos 113 milhões de euros, em gritante contraste com a do FC Porto e muito acima da sportinguista (mesmo com a caríssima ajuda da banca), estarem muitíssimo abaixo da valorização bolsista de todas as empresas do Nasdaq e do Nyse, em conjunto;

Por fim, a associativa, porque, se é provável que o Sport Lisboa e Benfica tenha mais sócios do que todos os outros clubes juntos e angarie receitas de quotização em idêntica proporção, a verdade é que somos menos de dez milhões e não conseguimos ter uma média de 200 mil espectadores por jogo no Estádio da Luz.

São tantas as crises que nem sobra uma, por mini que seja, para os outros.

Jornal O Benfica - 17/11/2023

Números da semana (149)

1

Ao fim de 11 jornadas, o Benfica está no topo da classificação do Campeonato Nacional;

2

Os 2 golos marcados ao Sporting foram da autoria de 2 jogadores, João Neves e Tengstedt, que somam agora 2 golos pela primeira equipa do Benfica;

5

Aursnes leva 5 assistências para golo na presente temporada, tanta quanto as realizadas em toda a época passada. É, com Rafa, quem mais fez passes/cruzamentos para golo no plantel em 2023/24. Segue-se Neres, com 4;

Passaram a 5 os jogadores com mais de 1500 minutos de utilização nesta época (incluindo tempos adicionais). Aursnes, totalista absoluto, soma 1811 minutos. Os restantes são Otamendi (1702), Rafa (1652), António Silva (1510) e João Neves (1508);

8

Rafa é agora o 8º com mais tempo de utilização em competições oficiais no atual estádio da Luz. Soma 10441 minutos (inclui tempos adicionais);

9

O Benfica começou a época da melhor maneira no voleibol. São 9 vitórias em 9 jornadas no Campeonato Nacional, incluindo as deslocações ao Fonte do Bastardo e ao Sporting, além da conquista da Supertaça;

16

João Neves marcou 2 golos pela equipa de honra do Benfica, ambos contra o Sporting. Curiosamente, no 94º minuto dos jogos, com 16 segundos de diferença. Em Alvalade, na época passada, aos 93:30, desta vez aos 93:14;

42

Florentino passou a ser o 3º, entre os futebolistas formados no Benfica campus, com mais jogos oficiais no estádio da Luz;

150

Incluindo particulares, Otamendi completou 150 jogos pelo Benfica. E, com 97 jogos no Campeonato Nacional pelo Benfica, passou a integrar o Top 100 de futebolistas do clube com mais partidas nesta competição.

Jornal O Benfica - 17/11/2023

segunda-feira, 13 de novembro de 2023

Números da semana (148)

1

Diogo Ribeiro e Madalena Lousa foram distinguidos na Gala de Natação 2023 como melhor nadador do ano e melhor jogadora de polo aquático do ano, respetivamente;

3

Aursnes ascendeu à 3ª posição no ranking da participação direta na finalização de golos na atual temporada, com 2 golos e 4 assistências. A lista é liderada por Rafa, com 10 (5+5), seguido por Di María, com 8 (7+1). No que respeita às assistências, só Rafa fez mais do que o norueguês e apenas Neres o iguala neste capítulo;

12

Rafa passou a ser o 6º com mais golos pelo Benfica na Liga dos Campeões. Soma 12 golos, tantos quanto Cardozo. Eusébio é o máximo goleador benfiquista na prova, com 46 golos;

15

Rafa passou a ser o 15º com mais jogos pelo Benfica em competições da UEFA (61). E é agora o 34º que mais vezes alinhou na primeira equipa do Benfica em jogos oficiais (291);

Otamendi é o 15º, a par de Fernando Caiado, em número de jogos (incluindo particulares) que envergou a braçadeira de capitação do Benfica (134);

27

Otamendi é o 27º futebolista a representar o Benfica em pelo menos 30 jogos na Taça dos Clubes Campeões Europeus / Liga dos Campeões, uma lista encimada por Luisão (69), Eusébio (64) e Coluna (58). Rafa é o 10º, com 46;

30

João Mário chegou aos 30 golos em competições oficiais de águia ao peito (20 no Campeonato Nacional). Leva 3 em 2023/24 e é o 3º melhor marcador da equipa, atrás de Di María (7) e Rafa (4).

Jornal O Benfica - 10/11/2023

terça-feira, 7 de novembro de 2023

"O que é demais enjoa"

As críticas à equipa e a Roger Schmidt, sejam provenientes da comunicação social ou dos adeptos, são normais. O desempenho (até ver) aquém das muito elevadas expectativas, formadas, em parte, por se tratar do Benfica e pelo forte investimento no defeso, mas também pela excelente temporada passada com o treinador alemão, assim o determina. O que não se pode aceitar é a perseguição de que Schmidt tem sido alvo.

É inaudito que haja uma campanha em curso nalguma comunicação social a um treinador que, nos seus primeiros 70 jogos oficiais no Benfica, obteve 53 vitórias, perfazendo uma percentagem de sucesso de 75,71%, o que só Cosme Damião, Béla Guttmann, e Fernando Riera conseguiram superar em igual período (considerando vitórias ou derrotas após desempate nos “penáltis”). E que leva 81,4% de vitórias no Campeonato Nacional desde que chegou ao Benfica, uma percentagem inferior somente às alcançadas por Manuel Alexandre (13 jogos apenas) e Jimmy Hagan em toda a história encarnada na competição.

A estupefacção aumenta ao se observar o seguinte: Sérgio Conceição, nos primeiros 70 jogos oficiais no FC Porto, ganhou 52 (74,29%). E Rúben Amorim, no mesmo conjunto de jogos iniciais no Sporting, venceu 51 (72,86%). Qualquer deles com desempenho abaixo de Roger Schmidt e beneficiários, indubitavelmente, de maior tolerância.

Campeão nacional, vencedor da Supertaça, quarto finalista da Liga dos Campeões de um Benfica recordista de pontos na fase de grupos não chega, pelos vistos, para um conjunto de jogos menos felizes (ainda assim a três pontos da liderança e uma Supertaça conquistada), como se o Benfica, na sua história, tivesse ganho todas as partidas do Campeonato Nacional ou tido, sempre, extraordinárias campanhas europeias.

Roger Schmidt, por ter contribuído para uma grande época, não goza, nem poderia gozar, de tolerância infinita. Os eventuais erros podem ser apontados e daí não vem mal ao mundo.

No entanto, chega a ser indigna a forma como já há quem, no actual contexto, se dedica insistentemente, nos meios de comunicação social, a pedir a sua cabeça. Serão, por certo, aqueles que, vendo a cabeça de Schmidt rolar, se apressariam a pedir a do próximo treinador do Benfica, fosse ele quem fosse. Schmidt, no fundo, é um mero dano colateral de uma muito enraizada vontade de prejudicar o Benfica…

Jornal O Benfica - 3/11/2023

Números da semana (147)

3

Di María apontou o seu 3º golo na Taça da Liga. Só 10 jogadores marcaram mais pelo Benfica na competição e Jonas lidera com 10;

5

Rafa ascendeu à 5ª posição, partilhada com André Almeida, dos futebolistas com mais jogos oficiais pelo Benfica no atual estádio da Luz (144). É o 9º em tempo de utilização;

15

O Benfica é o 15º no ranking europeu de clubes no futebol no feminino. Era o 94º em 2020;

16

Otamendi passou a ser o 16º futebolista que capitaneou a equipa de honra do Benfica em mais jogos (incluindo particulares);

35

Rafa é agora, a par de Paneira, o 35º com mais jogos oficiais pelo Benfica (289);

59

Arthur Cabral é o mais recente membro da lista de marcadores do Benfica na Taça da Liga (59 jogadores, excluindo autogolos). Ao todo, o Benfica marcou 131 golos na competição (2 autogolos);

70

Roger Schmidt é o 20º treinador a completar 70 jogos oficiais na primeira equipa do Benfica. É o 4º com melhor percentagem de vitórias nos primeiros 70 jogos oficiais no clube (75,71%), só superado por Cosme Damião, Béla Guttmann e Fernando Riera (considerando-se vitórias ou derrotas após desempate nos “penáltis”). Considerando todos os treinadores, independentemente do número de jogos, tem a 4ª melhor percentagem de vitórias em competições oficiais (Manuel Alexandre, Lajos Czeizler, Jimmy Hagan – 2º com um mínimo de 45 jogos) e a 3ª melhor no Campeonato Nacional (Manuel Alexandre, Jimmy Hagan – 2º com um mínimo de 15 jogos);

1513

Ao fim de 15 jogos, já só restam 3 totalistas no plantel (Aursnes, João Neves e Rafa). O norueguês é o único totalista absoluto, com 1513 minutos de utilização (inclui tempos adicionais). Otamendi, com 14 jogos, é o 2º em tempo de utilização (1404 minutos).

Jornal O Benfica - 3/11/2023

sábado, 28 de outubro de 2023

Muito para ganhar

O percurso na Liga dos Campeões da presente temporada é, até ao momento, desapontante, para mais na sequência de duas presenças consecutivas nos quartos de final e de uma época excecional ao nível, também, das exibições.

Claro que, agora, compete à equipa do Benfica tentar fazer o melhor possível, procurando, apesar da dependência de terceiros, o apuramento para as rondas a eliminar, até porque essa é, não o alcançando, a melhor forma de lograr a continuidade nas provas europeias, mesmo que seja na Liga Europa.

O que está feito, feito está. É imperativo que se melhore o que tiver de ser melhorado e sobretudo se tenha a capacidade para destrinçar as várias competições, impedindo que o desempenho europeu, para já, abaixo das expectativas, influencie o estado de espírito do plantel ao ponto de afectar a luta pelos restantes objetivos.

É necessária liderança e maturidade para que não se repitam 2017/18 e 2019/20, cujos plantéis do Benfica, nessas épocas, me pareceram permeáveis às críticas pelo desempenho europeu, soçobrando no Campeonato Nacional.

Neste momento é importante reter o seguinte: o Benfica, em 2023/24, já conquistou a Supertaça; leva, depois da derrota no jogo inaugural, sete triunfos consecutivos na Liga, incluindo o clássico com o FCPorto; e está em prova na Taça de Portugal e Taça da Liga, tendo tudo ainda para continuar nas competições europeias.

Olhemos para o passado e recordemos que houve várias grandes equipas do Benfica cujo desempenho na Europa foi aquém do expectável, porém mantendo-se firmes na busca de mais um título nacional, conseguindo-o diversas vezes. Continuar a apoiar a equipa é determinante, pois são os jogadores quem nos representa em campo. E temos muito para ganhar em 2023/24.

Jornal O Benfica - 27/10/2023

Números da semana (146)

1

O Benfica participa, pela 1ª vez, numa competição europeia de polo aquático no feminino e conseguiu o apuramento para a fase final da Challenger Cup;

2

Na visita ao Lusitânia, 2 jogadores (Arthur Cabral e Tiago Gouveia) estrearam-se na autoria de golos pela equipa A do Benfica;

20

O estádio da Luz foi inaugurado há 20 anos. Nos 583 jogos disputados na Luz, estiveram presentes 22080492 espectadores, dos quais 20732638 em partidas da equipa de honra do Benfica. O Benfica ganhou 373 dos 503 jogos oficiais realizados na Catedral (74,16% de aproveitamento – no anterior estádio da Luz, ganhou em 79,96% das 988 partidas);

37

Rafa passou a ser o 37º com mais jogos oficiais de águia ao peito. Soma 287 e está a somente 6 de alcançar o 33º, Cardozo. Contando com particulares, é o 46º (319 jogos). E passou a ser o 6º com mais jogos oficiais neste estádio da Luz (143);

40

Com o golo marcado ao Lusitânia, Rafa ocupa agora a 40ª posição no ranking dos goleadores do Benfica com 80 golos (incluindo jogos particulares). Leva 76 em jogos oficiais e é o 31º mais goleador de sempre do Benfica em competições oficiais;

59:40

Samuel Barata estabeleceu o novo recorde nacional da meia-maratona e tornou-se no primeiro português a percorrer a distância em menos de uma hora;

60

Rafa juntou-se a Bento, José Augusto, Coluna e Salvio no, agora, quinteto de jogadores com 60 jogos pelo Benfica nas competições europeias. Só 14 jogadores representaram mais vezes o Benfica na Europa.

Jornal O Benfica - 27/10/2023

Curta sobre as contas das SAD

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Números da semana (145)

1

A nova instalação sonora do estádio da Luz foi distinguida nos prémios MONDO-DR como melhor projeto mundial de instalação em estádios de 2023;

3

O Benfica está pela 3ª vez, de forma consecutiva, na fase de grupos da Liga dos Campeões de futebol no feminino. Nenhum outro clube português, neste ou em formatos anteriores, integrou os últimos 16 da competição europeia;

10

A equipa feminina de hóquei em patins do Benfica conquistou a 10ª Supertaça do palmarés encarnado (10ª seguida entre 30 títulos e troféus nacionais consecutivos, todos desde 2013/14, época em que se sagrou bicampeão nacional, mas não venceu a Taça de Portugal: 9 Campeonatos Nacionais; 9 Taças de Portugal, 10 Supertaças, 2 Elite Cups);

O Benfica já conquistou 10 Supertaças em 2023/24. Nos masculinos, em futebol, basquetebol, futsal, hóquei em patins e voleibol. Nos femininos, em futebol, andebol, futsal, hóquei em patins e polo aquático;

13

Ascende a 13 os troféus ganhos pelo Benfica em 2023/24, todos os disputados. Além dos referidos no “10”, venceu ainda a Elite Cup de hóquei em patins em masculinos e femininos e a Taça Vítor Hugo de basquetebol no feminino;

20

Os sócios do Benfica têm a oportunidade de votar em 11 jogadores para a escolha de 20 entre os que representaram o Benfica neste estádio da Luz. Os eleitos figurarão no mural dos campeões, um foto-mosaico especial composto por milhares de fotografias dos adeptos. Excelente iniciativa!

350

Mais de 350 crianças que praticam futebol em16 escolas do Benfica nos distritos de Lisboa e Setúbal conviveram no Benfica Campus no passado domingo;

1000

O Benfica chegou aos 1000 golos no futebol feminino (2º golo ao Appolon, no Chipre, da autoria de Marie Alidou).

Jornal O Benfica - 20/10/2023

segunda-feira, 16 de outubro de 2023

Números da semana (144)

2

O Benfica venceu, pela 2ª vez, a Elite Cup de hóquei em patins no feminino;

4

Com a ausência de Bah e Kökcü no Estoril, já só restam 4 totalistas nos 11 jogos oficiais: Aursnes, João Neves, Otamendi e Rafa. O norueguês é o único totalista absoluto, com 1126 minutos de utilização. Otamendi (1111), Rafa (1051), Bah (867) e António Silva (834) compõe o quinteto mais utilizado por Roger Schmidt de um total de 27 jogadores, sendo que a mais recente estreia foi protagonizada por Gonçalo Guedes (inclui tempos adicionais);

Vasco Vilaça venceu a Taça do Mundo de Roma 2023 e é o 4º no ranking mundial do triatlo;

5

A equipa feminina de polo aquático do Benfica conquistou a Supertaça pela 5ª vez;

7

A equipa comandada por Roger Schmidt alcançou a 7ª vitória consecutiva no Campeonato Nacional na presente temporada, ficando a uma do 2º melhor registo da época transata (o melhor foi 10);

11

O Benfica somou a 11ª Supertaça de voleibol ao seu palmarés;

12

Subiu para 12 os troféus nacionais ganhos pelo Benfica em 2023/24, entre os quais 9 Supertaças, com a particularidade de ter disputado 12, ou seja, perfez o pleno de vitórias;

13

São 13 os elementos da equipa A do Benfica convocados por seleções (incluindo duas dispensas por lesão);

João “Betinho” Gomes tornou-se no 13º mais pontuador na história do basquetebol benfiquista. É expectável que, no final da presente temporada, ocupe o 12º lugar do ranking, a uma pequena distância do 11º (de acordo com a estatística apurada – trabalho em curso);

46

Rafa passou a ser, a par de Vítor Martins, o 46º com mais jogos (317) pela equipa de honra do Benfica (incluindo particulares). É o 38º em jogos oficiais (285) e o 19º nas competições europeias (59).

Jornal O Benfica - 13/10/2023

segunda-feira, 9 de outubro de 2023

Semana agridoce

A vitória ao FC Porto foi mais do que justa. O Benfica, porque tem mais equipa e joga melhor, ganhou conforme esperado, pecando somente pelo resultado escasso. Foi bastante superior, mereceu o triunfo. A derrota com o Inter espelha a superioridade dos italianos na segunda parte e Trubin foi o melhor em campo.

No clássico, Roger Schmidt surpreendeu com a presença de Di María e Neres no onze inicial. Mais do que o argentino ter marcado assistido pelo brasileiro, saliento a dificuldade que a equipa do FC Porto teve para suster as investidas benfiquistas sempre que a bola circulou com velocidade de um lado ao outro do campo. Nessas situações, o talento individual, mais liberto do espartilho portista, fez a diferença. Não fosse a ineficácia, teria sido goleada.

Ouvi e li até à exaustão que o vermelho mostrado a Fábio Cardoso condicionou o FC Porto e enviesa a análise. É evidente que condicionou e teve influência, mas discordo da tese do enviesamento da análise.

Recuemos à Supertaça, disputada em agosto: o FC Porto começou melhor, pressionante, teve mais remates. O Benfica equilibrou o jogo por volta dos 20/25 minutos, Roger Schmidt fez alterações ao intervalo e a partida mudou, com o Benfica a ser muito superior e a ganhar por 2-0. Desta feita, não foi diferente: o FC Porto teve o ímpeto inicial, embora bem menor do que no jogo anterior. Fábio Cardoso foi expulso e a toada passou a ser de equilíbrio. Ao intervalo, Roger Schmidt fez mudanças, não de jogadores, mas, pareceu-me, da forma como Neves e Kokcu estavam a atacar, assumindo o risco de passes verticais e a fazerem circular a bola mais rapidamente, e só deu Benfica. Tendo em conta a Supertaça, alguém poderá afirmar que, com Fábio Cardoso em campo, o rumo do jogo não seria mais ou menos o mesmo?

E nada disto pode escamotear o facto de a expulsão ter sido mais do que justa. Um lance que nasce numa transição rápida e tem em Neres, que jogou no onze com Di María para surpresa de toda a gente, o protagonista mor (eu próprio, que coloquei essa hipótese na BTV após o jogo com o Portimonense, não acreditei, no dia do clássico, que pudesse acontecer).

Aliás, para Artur Soares Dias, o VAR do jogo, até houve uma expulsão perdoada. João Pinheiro talvez tenha razão em ter optado pelo amarelo, mas mais importante é perceber como essa jogada aconteceu, em tudo similar à da expulsão, mas protagonizada por Rafa. Ou seja, o Benfica teve uma estratégia muito bem definida naquela primeira parte, sabendo que os jogos – tanto este como o da Supertaça e todos – têm duas metades.

E o mesmo se aplica a Milão. O inter alterou ao intervalo subindo as linhas e o Benfica não foi capaz de suster as investidas adversárias. A primeira parte foi positiva, a melhor oportunidade é mesmo do Benfica e ficou um penálti por assinalar sobre Neres (já me cansa ser prejudicado pela arbitragem frente ao Inter). No segundo tempo, os italianos foram claramente superiores.

Muito bem esteve Trubin, que já estava a ser queimado por tanta gente ao fim de dois ou três jogos. Houve até um jornal que teve o desplante de entrevistar um antigo guarda-redes, agora treinador de um clube da segunda divisão ucraniana, que nada mais fez do que regurgitar um arrazoado de críticas ao jovem guarda-redes seu compatriota. Pareceu escolhido a dedo. E é com o dedo apontado que eu pergunto: quando sai a próxima entrevista a esse perito?

Termino dizendo que já tive tempo, desde terça-feira, para confirmar dois dados que até cheguei a duvidar em função do que tem sido dito desde o jogo: sim, o Inter foi mesmo à final da Liga dos Campeões na temporada passada e lidera a Serie A.

Jornal O Benfica - 6/10/2023

Números da semana (143)

2

O Benfica está pelo 2º ano consecutivo na fase de grupos da Basketball Champions League. No atual modelo de competições europeias do basquetebol, é o único clube português a ter disputado esta fase;

No hóquei patins no feminino, o Benfica ganhou o troféu regional “Taça Professor João Campelo” pela 2ª vez em 2 edições;

3

Kika Nazareth fez um hat-trick ao Marítimo. Já havia marcado 3 ou mais golos pela equipa A em 4 jogos, mas nunca com “apenas” 5 golos obtidos pelo Benfica. 4 ao Moreirense (0-17); 5 ao Atlético (0-13); 3 ao Condeixa (7-0); e 3 ao A-dos-Francos (0-14). Na presente temporada leva 7 golos em 5 jogos;

10

Neres soma 10 assistências para golo em competições oficiais no estádio da Luz. É o 22º a consegui-lo. Ao todo já assistiu para golo 20 vezes em jogos oficiais pelo Benfica;

Chegou ao fim a sequência máxima, na história do Benfica, de 10 jogos fora consecutivos sem derrota em provas da UEFA. O anterior recorde era 5, conseguido 4 vezes;

38

Rafa passou a ser o 38º com mais jogos oficiais de águia ao peito. Soma 284 e está a 21 de alcançar da 30º posição. Tem 75 golos em competições oficiais e é o 31º mais goleador do Benfica, estando a 4 do 30º. Neste século, é o 4º com mais assistências para golo, com 57, atrás de Pizzi (94), Gaitán (81) e Grimaldo (62). Relativamente aos jogos no estádio da Luz, incluindo particulares, passou a ser o 6º no ranking;

40

Florentino tornou-se no 4º jogador formado no Benfica Campus a chegar aos 40 jogos oficiais no estádio da Luz;

50

Musa chegou aos 50 jogos oficiais, 11 como titular) pelo Benfica (9 na presente época, 6 no 11 inicial). Apontou 15 golos (4 em 2023/24), um a cada 124 minutos de utilização (incluindo tempos adicionais).

Jornal O Benfica - 6/10/2023

segunda-feira, 2 de outubro de 2023

Vamos ganhar!

Tenho lido e ouvido repetidamente uma ladainha sobre atributos do FC Porto que já enjoa. Não é desta semana, tem anos. E sempre que há um clássico, lá vem ela, qual mantra de pessimistas e mal-intencionados.

“Contra o Benfica, é o jogo da vida deles”, “medo cénico”, “aguentam melhor a pressão” e outros que tais, todos querem dizer o mesmo e nenhum tem validade se pararmos por um segundo e nos lembrarmos que, nas últimas três partidas, ou seja desde que Roger Schmidt chegou ao Benfica, foram duas vitórias para o nosso lado, qualquer delas antecedida por estes mesmíssimos argumentos.

E que tal olhar para cada um dos jogadores mais utilizados do Benfica e tentar descortinar essa suposta sina. Mas quem, afinal, se amedronta, ou seja lá o que for? Um dos muitos estrangeiros, quase todos há pouco tempo em Portugal? O Otamendi? Deixem-me rir. O Di María dos grandes palcos? Só pode ser piada. Os portugueses, como o António Silva e o João Neves, que não tremem e parecem ter nascido ensinados sobre como se joga futebol? Ou o Rafa, que até já marcou duas vezes no Dragão em triunfos benfiquistas? Por favor…

O que esta conversa reflecte é o pessimismo de alguns benfiquistas e, sobretudo, a vontade dos nossos adversários. Tomara eles que a historieta do medo fosse verdadeira. E tentam que o seja, disso não duvido. Se se socorreram de Delanes Vieiras e Alexandrinos, não hão-de acreditar no poder de sugestão, que até é comprovado cientificamente?

Este discurso, ainda por cima, é pernicioso. Relega, para um plano secundário, as duas vitórias nos últimos três jogos, os inúmeros exemplos de arbitragens prejudiciais ao Benfica ao longo de décadas e também erros próprios, que os houve, em diversos desafios. Além de alimentar os anseios dos benfiquistas, logo muito audíveis durante o jogo caso o FC Porto esteja por cima durante cinco minutos (como se tal fosse inconcebível perante um bom adversário), correndo-se, aí sim, o perigo da equipa se enervar.

A realidade é esta: o Benfica tem um treinador capaz de implementar um futebol mais atrativo e um plantel melhor. Tem jogado uns furos claramente acima, tem tudo para ganhar hoje, assim como o fez na Supertaça.

Tal significa que o jogo é fácil e a vitória está assegurada? De todo. O FC Porto tem potencial para ser organizado defensivamente, jogará nos limites da agressividade que o árbitro permitir, torneará as dificuldades da pressão alta do Benfica com passes longos, apostará muito nos duelos individuais e segundas bolas, tentará ocupar o meio-campo encarnado, colocará vários jogadores na área benfiquista e terá uma equipa, apesar de menos talentosa, evidentemente mais física.

E então? Não foram exactamente estes os predicados tão propalados antes da Supertaça com o resultado que se conhece?

Desconheço antecipadamente, como é óbvio, o desfecho do jogo. Só sei que estou confiante e a razão é simples: a equipa do Benfica merece que se confie nela.

Jornal O Benfica - 29/9/2023

Números da semana (142)

2

A judoca Rochele Nunes chegou à final, na categoria +78kgs, no Grand Slam de Baku;

4

Vasco Vilaça classificou-se em 4º lugar no Campeonato do Mundo de triatlo, a melhor classificação de sempre de um português;

6

Está reduzido a 6 o grupo de totalistas nos 8 jogos oficiais em 2023/24 (Aursnes, Bah, João Neves, Kökcü, Otamendi e Rafa). Aursnes é o único totalista absoluto (826 minutos – inclui tempos adicionais);

8

Rafa cimentou a liderança na participação direta na finalização dos golos do Benfica em competições oficiais em 2023/24. Soma 3 golos e 5 assistências. Seguem-se Di María, com 6 (5+1), Musa (4+0) e Neres (1+3), com 4, e Kökcü, com 3 (1+2);

9

O Benfica conquistou a Supertaça de hóquei em patins pela 9º vez e elevou para 9 os troféus (7 Supertaças) ganhos em 2023/24 no futebol e modalidades de pavilhão. E o mesmo é dizer que venceu todos os disputados a nível nacional;

15

Musa tem 15 golos em jogos oficiais pelo Benfica em 48 jogos. No entanto, foi titular em 10 partidas somente, conseguindo um golo a cada 118 minutos de utilização, um registo muito assinalável (inclui tempos adicionais);

17

O Benfica Campus completou 17 anos de existência e de importância primordial para o clube. No atual plantel contam-se 10 futebolistas formados no Benfica Campus (André Gomes, António Silva, Florentino; Gonçalo Guedes; João Neves, Kokubo, Morato, Samuel Soares, Tiago Gouveia e Tomás Araújo);

50

Aursnes e Bah atingiram a marca dos 50 jogos oficiais pelo Benfica;

82,27%

O relatório e contas do exercício de 2022/23 do Sport Lisboa e Benfica foi aprovado com 82,27% dos votos. Participaram na votação 474 sócios.

Jornal O Benfica - 29/9/2023

segunda-feira, 25 de setembro de 2023

Bom início de 2023/24

No que à conquista de troféus respeita, o começo de temporada não poderia ser mais auspicioso para o Benfica. Para já, no futebol e nas modalidades de pavilhão, oito disputados, oito ganhos, dando expressão a uma aposta pujante no eclectismo, tanto em abrangência (género e quantidade) como em competitividade das equipas.

Melhorar em relação à extraordinária temporada passada é um objetivo vincadamente ambicioso, mas acertado. Nestas seis modalidades, ganhámos 27 das 44 competições em que participámos (46 existentes). Comparando, repetimos os triunfos das Supertaças de futsal no masculino e de andebol, futebol e futsal no feminino, além da Taça Vítor Hugo de basquetebol. Ainda ganhámos a Supertaça de futebol em que não participáramos e a Supertaça de basquetebol e a Elite Cup de hóquei em patins, nas quais não havíamos sido felizes.

Resumindo, nos oito troféus iniciais da temporada, ganhámos todos, sendo que, nestas competições na época anterior, celebráramos cinco. Notável!

Dar continuidade ao sucesso alcançado é o desiderato que se impõe. Em 2022/23 ganhámos uns impressionantes oito em 12 campeonatos. Conseguiremos igualar ou ainda melhorar este desempenho em 2023/24? Mesmo sabendo da enorme dificuldade, acredito que sim. Uma crença alicerçada em benfiquismo e na constatação dos bons plantéis que temos à disposição.

Com a publicação do relatório e contas do Sport Lisboa e Benfica relativo a 2022/23, sabemos agora que a temporada passada foi bem-sucedida também noutras vertentes além da desportiva.

Quase 300 mil sócios activos, recorde de receitas operacionais, recorde também de várias das parcelas que compõe as receitas operacionais, com particular ênfase na quotização e merchandising, números históricos nas visitas ao estádio e museu e, finalmente, mais um exercício lucrativo (o 14º consecutivo sem influência das participadas), reforçando assim os fundos patrimoniais do clube.

Saúde desportiva, associativa e financeira. Que o Benfica siga, em 2023/24, as mesmas pisadas da época transata nestes domínios!

Jornal O Benfica - 22/9/2023

Números da semana (141)

1

1ª Elite Cup de hóquei em patins (oficial) para o palmarés benfiquista;

2

Viti e Martim Costa são campeões europeus sub19 de hóquei em patins;

3

O Benfica ganhou a Taça Vítor Hugo de basquetebol no feminino pela 3ª vez;

4

A equipa feminina de andebol do Benfica venceu a 4ª Supertaça;

8

O Benfica conquistou, pela 8ª vez (7ª consecutiva), a Supertaça de futsal no feminino;

15

Outra Supertaça para o Benfica, a 15ª do seu palmarés no basquetebol;

50

António Silva atingiu a marca dos 50 jogos oficiais de águia ao peito pela primeira equipa, todo na condição de titular;

100

Cristy Ucheibe, Kika Nazareth e Nycole Raysla chegaram aos 100 jogos oficiais pela equipa A do Benfica;

298948

O Sport Lisboa e Benfica tinha, a 30 de junho passado, 298948 sócios ativos, um aumento de 36922, correspondente a 14,1%;

1936000

Quase 2 milhões de euros de lucro do Sport Lisboa e Benfica sem influência das participadas. É o 14º exercício lucrativo do clube. Os resultados operacionais, sem participadas, também foram positivos (acima de 2 milhões de euros), facto ocorrido pelo 17º exercício seguido. Os rendimentos operacionais atingiram o máximo histórico de 59,1 milhões de euros. A contribuir para este recorde estão, entre outras, as receitas, também elas, recorde, de quotização (18,8 milhões de euros) e merchandising (16,1 milhões de euros). Os fundos patrimoniais (sem participadas) foram reforçados, situando-se agora nos 37,7 milhões de euros.

Jornal O Benfica - 22/9/2023

Números da semana (178)

1 Terminadas as principais 7 ligas europeias e a Liga dos Campeões, Trubin foi o melhor guarda-redes sub-23 nos seguintes dados estatístic...