segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

O nosso destino é o de vencer

Dois jogos, dois pontos para o tão ambicionado tetra. Está quase! E pensar que tudo começou com dois golos que calaram assobios nos descontos de uma partida frente ao Gil Vicente da segunda jornada da temporada 2013/14... Falta o quase! A vitória em Vila do Conde foi excepcional. Que grande exibição da nossa equipa, focada, determinada e imune à pressão frente a um excelente adversário. À Benfica, numa palavra. E quando assim é, surgem as vitórias e conquistam-se os títulos.

Só à Benfica venceremos o Vitória de Guimarães e depois, só depois, poderemos festejar o 36º Campeonato Nacional do nosso palmarés, o “bi18” que tanto importunará os anti-benfiquistas primários do Lumiar, o tetra que porá a nu a fragilidade andrade de uma estrutura já muito despida desde que foi exposta no youtube e que, sentindo-se protagonista de uma crónica de uma morte anunciada, não se coíbe agora de usar Salazar na sua propaganda infame, desprezível e desesperada para desviar as atenções do regresso à sua condição subalterna, tanto a nível desportivo como social, relativamente ao Benfica... Sobretudo, se chegarmos ao título que tanto merecemos, este cimentará uma realidade que se tem vindo a solidificar e simultaneamente nos orgulha e os deprime: O Benfica reencontrou-se com o seu destino! E o nosso destino, como diz a música, “é o de vencer”.


E é com a mesma mentalidade que a nossa equipa de voleibol terá que defrontar amanhã o Sporting de Espinho. Ponto a ponto, seremos campeões, assim consigamos estar ao nosso nível. Confio na capacidade da nossa equipa para celebrarmos mais uma conquista! E o mesmo se aplica aos nossos hoquistas na final four da Liga Europeia. O Benfica é enorme!

Jornal O Benfica - 12/5/2017

Fim de quarentena

Todos estamos agradecidos aos benfiquistas que há uns poucos meses dedicaram parte do seu tempo, dinheiro e esforço para homenagearem vint...