sábado, 30 de dezembro de 2023

Agora escolha

Há os estúpidos, há os maldosos e há os estúpidos que são maldosos e vice-versa, agora escolha o leitor. Lanço este desafio referindo-me ao autor anónimo de uma peça publicada no Record na sequência do jogo com o AVS, intitulada “Luz teve a pior casa da época”. O antetítulo também é sugestivo e, por isso, deve ser igualmente considerado: “Menos de 50 mil para o jogo da Allianz Cup”.

Dirá o Record, os factos estão correctos. Mas a forma como os factos são apresentados não tem justificação aceitável. Repare-se no teor da notícia: “Com o Natal a aproximar-se e a uma quinta-feira à noite, o duelo decidia o futuro do Benfica na Allianz Cup, mas a Luz ficou bem longe de uma enchente. De resto, o recinto das águias registou a pior assistência na atual temporada, com 48.959 espectadores presentes nas bancadas, face aos 52.609 que haviam assistido ao triunfo sobre o Famalicão (2-0), a 25 de novembro, para a 4ª eliminatória da Taça de Portugal.”

É óbvia a tentativa de criação de uma imagem de fracasso de afluência de público. E esta é a versão corrigida! A original dizia, em mau português, porém mais revelador, “(…) 48.959 espectadores presentes nas bancadas, a superar os 52.609 que haviam assistido ao triunfo…“. A superar a pior anterior, atenção!

Haveria outras formas de apresentar estes mesmos factos, talvez desrespeitando critérios editoriais desta publicação. E não me parece que só por benfiquismo se justificaria a opção por elas:

- Foi a 7ª maior assistência da temporada em todas as competições nacionais (de todos os clubes – as seis primeiras são do Benfica para o Campeonato Nacional);

- Foi a 11ª maior assistência da temporada em todas as competições oficiais (de todos os clubes – as nove primeiras são do Benfica para o Campeonato Nacional e Liga dos Campeões, mais um jogo do FC Porto na Liga dos Campeões);

- Foi a 2ª maior assistência de sempre na Taça da Liga. O jogo do Benfica com o AVS só foi superado pelo embate com o Sporting, também no estádio da Luz, das meias-finais em 2010/11, no qual estiveram presentes 49.652 espectadores.

Portanto, agora escolha!

P.S.: A Liga Portugal, bem, tem envidado esforços na atracção de público aos jogos e empenha-se ainda mais na autopromoção das suas iniciativas no âmbito deste desafio. Infelizmente, até hoje (26 de dezembro de 2023, 22:13), esta extraordinária afluência de público não motivou qualquer menção no seu site oficial. Um lapso, certamente.

Jornal O Benfica - 29/12/2023

Números da semana (155)

1

O Benfica venceu, pela 1ª vez, o Futsal Women's European Champions, a Liga dos Campeões oficiosa do futsal no feminino;

2

O Benfica é campeão nacional de natação nos masculinos e nos femininos na mesma temporada, o que já não acontecia desde 1988. Nos homens, é o bicampeonato nacional;

A equipa feminina de luta do Benfica é bicampeã nacional;

4

Di María chegou aos 4 golos na Taça da Liga e integra o grupo dos 8º melhores marcadores do Benfica na prova;

7

Ao fim de 4 jornadas na fase de grupos da Liga dos Campeões, a equipa feminina de futebol benfiquista já estabeleceu novo máximo de pontos: 7. A passagem aos quartos de final é uma forte possibilidade nesta altura, o que, por si só, já é extraordinário;

10

Aursnes é o 3º membro do plantel a chegar às 10 participações diretas na finalização de golos em jogos oficiais na presente época (2 golos + 8 assistências). Rafa lidera com 14 (8+6), seguido por Di María, com 11 (9+2);

20

O Benfica conquistou, nas várias modalidades, pelo menos 20 títulos e troféus desde o início da temporada 2023/24 (seniores);

30

Rafa é o 3º a chegar às 30 assistências para golo em jogos oficiais neste estádio da Luz. Antes só Gaitán e Pizzi;

51’’00

Diogo Ribeiro estabeleceu o novo recorde nacional dos 100 metros mariposa: 51 segundos. Também o quarteto feminino benfiquista nos 4x200 metros livres conseguiu a melhor marca portuguesa (8.03,35 minutos);

48959

No jogo do Benfica com o AVS, no estádio da Luz, foi registada a 2ª maior assistência de sempre na Taça da Liga, atrás dos 49652 que estiveram na Luz para assistir ao Benfica-Sporting das meias-finais em 2010/11.

Jornal O Benfica - 29/12/2023

terça-feira, 26 de dezembro de 2023

Chamar o azar

A última peça do famoso dramaturgo Molière é intitulada “O doente de cisma”. É uma comédia em que o personagem principal é hipocondríaco e, por isso, pretende que a filha se case com um médico para que possa poupar nas despesas de saúde. O mais caricato é que, passada uma semana da estreia da peça, quando se realizou a quarta sessão, Molière desmaiou e faleceu pouco depois. O povo pode resumir a moral deste acontecimento a uma frase: “não se deve chamar o azar”.

Não sou dado a superstições nem a mezinhas, logo este é dos axiomas populares a que não atribuo qualquer valor. Mas existe, de facto, “chamar o azar” enquanto imagem de atitudes ou enquanto explicação simplista, e à posteriori, de causas que levam a consequências.

No domínio das atitudes enquadram-se os mal-intencionados, seja por feitio ou por interesses próprios (não confundir com os adeptos, as suas ânsias e pessimismos). São aqueles que se julgam mais relevantes do que na realidade o são e que procuram disfarçar de opinião inconfessáveis desejos. Inconscientes da sua insignificância, acham que, por reiterarem uma ideia e propalarem-na sob diversas capas, por mais ridículas que sejam, a realidade encarregar-se-á de lhes dar razão.

O Schmidt isto, o Schmidt aquilo, e para usar uma expressão popular, por agora “metem a viola no saco”. Claro que se o Benfica não vier a atingir os seus objectivos, esses serão os primeiros a tocar os acordes do “eu tinha razão”, mas essa já a perderam. Quem os ouvisse, por esta altura o Benfica estaria fora das competições europeias e afastado da luta do título. E continuam a ser pagos, digam o que disserem sabe-se lá com que motivação ou propósito.

A outra variante está relacionada com a explicação simplista dos acontecimentos. Por exemplo, esta semana o treinador do FC Porto aludiu à expulsão de Fábio Cardoso na Luz e de Pepe em Alvalade para justificar, pelo menos em parte, as derrotas em ambos os jogos. Claro que nesta ponta da Europa onde tanto se diz adorar o futebol, mas que se fala tão pouco do mesmo, não ocorreu a qualquer jornalista, mesmo aqueles que não abraçam o treinador do FC Porto a seguir a uma conferência de imprensa, perguntar se a razão dessas expulsões não seria de ordem táctica e/ou mental. Deixaram, cordialmente, que ficasse no ar um espectro de suspeição quanto às arbitragens, apesar de, como é evidente, não ser esse o caso.

O que Sérgio Conceição fez foi, agora simplifico eu, “chamar o azar”. Fê-lo na Luz ao deixar Neres e Rafa em situações de um para um em transição e fê-lo em Alvalade ao continuar a confiar num jogador que, quanto mais as qualidades definham, mais expostas ficam as debilidades, que no caso de Pepe se trata de descontrolo emocional com apetência para comportamentos violentos só sustentável devido à complacência de árbitros.

Retorno ao “chamar o azar” das superstições: não me diz nada. E por isso não tenho pejo em admitir que estou convicto de que o Benfica será campeão. A boa exibição em Braga não surgiu de geração espontânea, tratando-se antes do mais recente episódio de um período em que equipa tem estado bem, mesmo em jogos com resultado adverso, e que acredito que perdurará até final da época.

Jornal O Benfica  - 22/12/2023

Números da semana (154)

1

O Benfica já garantiu a presença no Mundial de clubes em 2025 (através do ranking europeu de clubes elaborado a partir do desempenho na Liga dos Campeões de 2020/21 a 2023/24);

2’56’’

O golo marcado por Tengstedt em Braga foi o mais madrugador do Benfica na presente temporada (24 jogos oficiais). Também é o autor do mais tardio (96’21’’ ao Sporting). O avançado é um dos 6 elementos do plantel com 3 ou mais golos (Rafa e Di María somam 8 cada, João Mário 6 e, com 3, há Musa e Arthur Cabral). No capítulo das assistências, Tengstedt tem 3, assim como Kökcü (Aursnes, 7, Rafa, 5, e Neres, 4, ocupam o pódio);

4

Sobe para 4 os jogadores com mais de 2000 minutos de utilização por Roger Schmidt em jogos oficiais na presente época (incluindo tempos adicionais). João Neves juntou-se a Aursnes (totalista absoluto com 2410 minutos), Otamendi (2301) e Rafa (2228). Segue-se António Silva, com 1994;

21,9%

Segundo o goalpoint.pt, Trubin é o guarda-redes, nas principais ligas europeias com melhor percentagem de golos esperados evitados. A boa exibição em Braga ajudou o Benfica a ser o primeiro clube, ao fim de 14 jornadas, a não sofrer qualquer golo dos bracarenses;

42

Rafa passou a ser, com Álvaro e Silvino, o 42º com mais jogos (330) pela primeira equipa do Benfica (incluindo particulares). Neste século, só Luisão, Nuno Gomes, Pizzi, Maxi Pereira, André Almeida, Cardozo e Grimaldo jogaram mais vezes do que Rafa;

50

João Neves chegou aos 50 jogos pela equipa de honra do Benfica (incluindo particulares);

150

Otamendi atingiu as marcas dos 150 jogos em competições oficiais pelo Benfica e dos 100 no Campeonato Nacional de águia ao peito.

*Não inclui o Benfica - AVS

Jornal O Benfica - 22/12/2023

segunda-feira, 18 de dezembro de 2023

Demora inexplicável

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Ganhar em Braga

O futebol é maravilhoso. As regras são simples e é fácil de compreender. A raridade do golo faz com que seja mais difícil de prever o resultado de cada jogo e essa é a principal razão por que este desporto é repleto de momentos mágicos e narrativas variadas.

Veja-se o exemplo de Arthur Cabral. Trata-se de um jogador que demora em se afirmar no Benfica, carregando nos ombros as elevadas expectativas depositadas em si, geradas pelo significativo investimento na sua contratação e num percurso entusiasmante até chegar à Luz. Acresce que joga numa posição cuja função principal – marcar golos - tem sido apontada como uma das debilidades da equipa, com consequências óbvias em pelo menos quatro pontos desperdiçados no campeonato (Casa Pia e, gritantemente, Farense).

E foi protagonista de um gesto censurável.

Reconheceu o erro, foi humilde, pediu desculpa, prometeu doravante evitar comportamentos irrefletidos e assegurou que está focado em atingir os níveis exibicionais que motivaram a sua contratação. Beneficiou de apoio e compreensão de colegas e equipa técnica e, estou convencido, da tolerância da generalidade dos benfiquistas. Passados poucos dias, foi, com muita classe, o herói improvável em Salzburgo.

Mais do que uma mera narrativa interessante, esta sequência de acontecimentos mostra porque Roger Schmidt, quando inacreditavelmente maltratado por alguns benfiquistas no estádio da Luz, foi prontamente defendido pelos jogadores, tanto pelas habituais escolhas como pelos menos utilizados. Schmidt não deixou, depois, cair Arthur Cabral, lançando-o logo no jogo seguinte.

É por demais evidente, por muito que profissionais da comunicação desonestos intelectualmente tentem convencer-nos do contrário, que há um fortíssimo espírito de grupo no plantel benfiquista. Só com essa qualidade o Benfica poderia ter feito a notável exibição em Salzburgo após dois empates para o campeonato, qualquer deles injusto (o último inqualificavelmente injusto) não obstante a verborreia de alguns teóricos e vários maledicentes. Só com união e crença na qualidade própria a equipa do Benfica não se deixou abalar pelo golo sofrido em Salzburgo, persistindo na concretização do objetivo de apuramento para a Liga Europa, alcançando-o.

Agora, em Braga, ver-se-á como corre. O jogo é difícil, tudo é possível, mas acredito na vitória porque vejo a equipa a jogar bem nos últimos jogos, mesmo naqueles em que não ganhou (exceptuando em Moreira de Cónegos, onde foi menos impetuosa). E porque, nesta temporada, já venceu duas vezes o Porto, uma o Sporting e fez em Salzburgo exactamente o que precisava de fazer.

P.S.: Disse-o ontem logo a seguir ao golo e fica aqui escrita a minha fezada. O Arthur Cabral marcará 22 golos na presente época.

Jornal O Benfica - 15/12/2023

Números da semana (153)

3

O Benfica ficou em 3º lugar no grupo D da Liga dos Campeões, transitando para o playoff da Liga Europa. A última participação benfiquista na prova foi em 2020/21, chegando aos 16 avos de final. Em 2019/20 foi a última vez que chegou à Liga Europa via fase de grupos da Liga dos Campeões, ficando pelos 16 avos de final;

4

Em estreia nos Campeonatos da Europa de piscina curta, Diogo Ribeiro estabeleceu 3 recordes nacionais (50 e 100 metros mariposa; 100 metros livres) e fez parte da equipa de estafetas que fez o melhor tempo português de sempre nos 4x100 metros estilos (com Miguel Nascimento, o qual fez parte do quarteto misto que também bateu o recorde nacional nos 4x50 metros estilos);

6

Rafa passou a ser o 6º mais goleador do Benfica na Liga dos Campeões / Taça dos Clubes Campeões Europeus. Soma 13 golos na competição de águia ao peito. Só Eusébio, José Augusto, Torres, José Águas e Nené foram mais concretizadores. E tem agora 80 em competições oficiais, ocupando a 29ª posição no ranking dos goleadores benfiquistas, a par de Manniche;

13

Rafa lidera o plantel, na presente temporada, na participação direta na finalização de golos em jogos oficiais: leva 8 golos e 5 assistências. Seguem-se Di María, com 10 (8+2) e Aursnes, com 9 (2+7);

14

Otamendi passou a ser o 14º que mais vezes envergou a braçadeira de capitão em jogos da equipa de honra do Benfica (140, inclui particulares);

22

De acordo com o site playmakerstats, só houve 4 golos de canto direto na Liga dos Campeões (atual formato). Di María marcou passados 22 anos do anterior;

30

Di María chegou às 30 assistências para golo pelo Benfica em competições oficiais. É o 11º neste ranking desde a temporada 2007/08.

Jornal O Benfica - 15/12/2023

quarta-feira, 13 de dezembro de 2023

Números da semana (152)

1

O Benfica assumiu, disputadas 7 jornadas, a liderança isolada do Campeonato Nacional de râguebi. É ainda uma fase precoce da prova, mas são visíveis os sinais de evolução relativamente à temporada passada;

2:07:35

Samuel Barata conseguiu, em Valência, os mínimos da maratona para os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris. Baixou o seu melhor tempo em 2 minutos e 38 segundos e estabeleceu a 3ª melhor marca portuguesa de sempre na distância;

7

São 7 as hoquistas do Benfica no Campeonato da Europa, 6 por Portugal e 1 por Itália;

44

Rafa chegou aos 327 jogos pela equipa de honra do Benfica (incluindo particulares) e passou a ser o 44º, a par de Jaime Graça, com mais jogos. Está a 5 de se juntar a Vítor Paneira na cauda do top 40;

54

Foram 54 os atletas do Benfica distinguidos na festa do triatlo 2023, num ano em que o clube se sagrou campeão nacional de triatlo e duatlo em masculinos e femininos e de aquatlo em masculinos;

100

Gonçalo Guedes atingiu, incluindo particulares, a centena de jogos pela primeira equipa do Benfica. É o 219º a alcançar esta marca redonda;

2001

Otamendi é o 2º membro do plantel do Benfica a superar os 2000 minutos de utilização em competições oficiais na presente temporada (participou em 20 dos 21 jogos realizados, atuando em 2001 minutos – inclui tempos adicionais). Aursnes é, entre os 27 utilizados por Roger Schmidt (8 da formação), o único totalista absoluto, com 2110 minutos em campo. Rafa, o único, além de Aursnes, totalista em jogos (1950), António Silva (1794) e João Neves (1747) são os seguintes no ranking. Acima do milhar de minutos há ainda Trubin (1493), Di María (1443), João Mário (1423) e Morato (1124).

Jornal O Benfica - 8/12/2023

terça-feira, 5 de dezembro de 2023

Números da semana (151)

3

João Mário conseguiu um hattrick pela primeira vez ao serviço do Benfica. Bisou 5 vezes. Leva 33 golos em jogos oficiais de águia ao peito e passou a ser o 16° com mais golos em jogos oficiais na Luz;

4

Na estreia europeia benfiquista do polo aquático no feminino, o Benfica obteve um honroso 4º lugar na Challenger Cup;

21

Com 21 assistências para golo, João Mário passou a ser o 15º neste ranking desde 2007/08 (época de estreia de Di María no Benfica). No atual plantel, só Rafa (57) e Di María (29) fizeram mais passes/cruzamentos para golo. Segue-se Neres, com 20. João Mário é ainda o 18º com mais assistências (13) em jogos oficiais no atual estádio da Luz;

25

O Benfica é campeão nacional de corta-mato longo pela 25ª vez, a terceira consecutiva. Etson Barros, 3º classificado, mas 1º entre os portugueses em prova, é o campeão nacional absoluto e sub23 a nível individual. Nos 5 primeiros classificados, 4 são atletas do Benfica;

33

Rafa passou a ser o 33º com mais jogos oficiais pelo Benfica, somando agora 294. E passou a ser, a par de Shéu, o 14º com mais jogos de águia ao peito nas competições europeias (é o 10º na Liga dos Campeões / Taça dos Clubes campeões Europeus);

100

Florentino chegou, na partida com o Famalicão, aos 100 jogos oficiais pela equipa de honra do Benfica (agora 82 vezes titular em 101 jogos). 44 dos jogos em que participou aconteceram no estádio da Luz, o que faz de Florentino o 3º, entre os formados no Benfica Campus, com mais partidas na Luz. No atual plantel, é o 6º com mais jogos oficiais de águia ao peito.

Jornal O Benfica - 1/12/2023

Números da semana (178)

1 Terminadas as principais 7 ligas europeias e a Liga dos Campeões, Trubin foi o melhor guarda-redes sub-23 nos seguintes dados estatístic...