segunda-feira, 19 de julho de 2021

Em choque

Como os terramotos, a detenção do presidente Luís Filipe Vieira pode ser medida sob duas perspectivas. Assim, por muita elevada que seja a magnitude (Richter), enorme e sem precedentes, importa sobretudo minimizar, tanto quanto possível, as consequências do abalo (Mercalli modificada).

A avaliação da culpabilidade de Luís Filipe Vieira competirá à justiça. Conhecemos, para já, os ecos de uma acusação, o pedido de suspensão do mandato, medidas de coacção e a substituição, no cargo, por Rui Costa. E temos o contexto em que estamos inseridos.

Com a temporada em fase de preparação e ultimação das muitas equipas do clube, acrescendo a emissão em curso de um empréstimo obrigacionista pela Benfica SAD, torna-se essencial que “a máquina” não emperre, pois independentemente das várias sensibilidades entre os associados benfiquistas, deve haver o denominador comum do desejo de que o Benfica consiga preservar a estabilidade institucional, financeira e desportiva. Tudo deve ser devidamente ponderado em função dos superiores interesses do Sport Lisboa e Benfica.

Vencer sempre o maior número de títulos possível é uma aspiração imutável inerente ao benfiquismo, logo aplicável também à presente temporada, sendo que no curto prazo teremos igualmente o importante desafio, tanto desportiva como financeiramente, de assegurar a presença na fase de grupos da Liga dos Campeões.

É essencial dotar todas as nossas equipas das condições que lhes permitam vencer. Conforme escrevi na semana passada, tendo por base informação oficial e oficiosa propalada pela comunicação social, tenho a convicção de que, de forma genérica, estão a ser dados passos nesse sentido. A frase chave é “o Benfica não pára”. Nunca nos esqueçamos disso.

Jornal O Benfica - 16/7/2021

Números da semana (32)

3

Os atletas benfiquistas continuam a dar cartas por Portugal. Desta vez foram Isaac Nader (1500m), Etson Barros (3000m obstáculos) e Leandro Ramos (lançamento do dardo) os medalhados e o certame o Campeonato da Europa de Sub23;

7

Taças de Portugal conquistadas pelo Benfica no hóquei em patins (feminino). As octacampeãs nacionais selaram a dobradinha, a 7ª consecutiva. A definição de hegemonia!

17,92

Pichardo estabelece nova melhor marca mundial do ano no triplo salto, ficando a apenas 3 cms do (seu) recorde nacional. Na fase final da preparação para os Jogos Olímpicos, presumindo-se ainda aquém do auge da forma, ficou a 16 cms da sua melhor marca e a 37 do recorde mundial. São dados que robustecem as elevadas expectativas em torno do atleta do Benfica para a mais nobre competição do atletismo;

21,4

Montante que será pago, no próximo dia 16, a investidores em empréstimos obrigacionistas (EO) da Benfica, SAD, conforme anunciado em comunicado (20,4 M€ relativos ao que agora finda; 1M€ relacionado com juros do EO 2020-23). Num momento periclitante do ponto de vista institucional, em função da detenção do presidente Luís Filipe Vieira, este é um sinal muito importante que se dá ao mercado, demonstrando que a solidez financeira, a saúde da tesouraria e a credibilidade junto de investidores não estão afetadas, não se justificando, assim, qualquer quebra de confiança face ao EO recentemente lançado;

28

Custa a acreditar, tal a profusão de estrelas mundiais oriundas do país das pampas, que a Argentina tenha levado 28 anos a vencer de novo a Copa América, mas é a realidade. Otamendi foi titular na final e o único golo foi marcado pelo “nosso” Di María. Do outro lado esteve o Brasil, com Everton no onze inicial.

Jornal O Benfica - 16/7/2021

2021/22

Já com a época a dar os primeiros passos, terminámos a anterior com dois triunfos, atletismo e hóquei em patins feminino, esperados em função da respectiva hegemonia e competência dos plantéis. Que sirvam de mote para as muitas conquistas benfiquistas que todos desejamos em 2021/22.

A informação que tem sido veiculada oficial e oficiosamente deixa-me optimista. Muito carece ainda de confirmação, mas pelo que é possível antever, parece-me evidente que as nossas equipas estarão mais bem apetrechadas para os desafios que se avizinham. Já não estamos habituados a temporadas caracterizadas pelo insucesso, como foi o caso das nossas equipas masculinas, excepção à de voleibol, em 2020/21. É justo reconhecer que essa não é a norma no Sport Lisboa e Benfica na última década, pelo que não se tratará de benevolência, mas de uma visão realista, pensar que o rumo de triunfo não sofreu qualquer desvio, apenas um percalço.

Creio que a política seguida é, de forma genérica, a correcta, aliás trata-se mesmo da receita ideal em quaisquer circunstâncias: identificação dos pontos fortes e fracos, preservação dos primeiros, eliminação ou mitigação dos segundos, sempre com uma perspectiva de estabelecimento das bases de um futuro que se pretende vitorioso de forma regular.

Estou entusiasmado para 2021/22. Tudo indica que estaremos mais competitivos e, por isso, mais próximos de conquistarmos títulos.

P.S.: Euro (4): A participação benfiquista terminou. Vertonghen foi um esteio na defesa belga, Seferovic evidenciou-se na surpreendente Suíça, e Rafa, apesar de decisivo na única vitória portuguesa (participou nos três golos), ficou na bancada nos oitavos-de-final, vá-se lá perceber isto.

Jornal O Benfica - 9/7/2021

Números da semana (31)

8

A nossa equipa feminina de hóquei em patins só sabe vencer, somos octocampeões nacionais! E convém recordar que a temporada passada terminou sem a atribuição do título, éramos então líderes;

8

É também o número de jogos de preparação previstos na pré-época da equipa de honra de futebol, com grau de dificuldade crescente de forma a proporcionar o célere ganho de competitividade e uma boa entrada na temporada, logo com uma eliminatória a contar para a Liga dos Campeões;

11

Hendecacampeões nacionais de atletismo e o Benfica a proporcionar cultura sobre prefixos gregos aos amantes do desporto português. São já 11 títulos consecutivos e é sempre bom relembrar que esta hegemonia assenta no magnífico trabalho feito na formação já há mais de uma década. Vencemos 17 das 21 provas e nem sequer contámos com a participação de Pichardo no triplo salto;

18

Depois de 18 temporadas de águia ao peito (3+15), o andebolista João Pais pôs ponto final à carreira. Dignificou o clube e contribuiu para títulos. Continuará ligado ao Benfica, mas em novas funções (na sua área de formação, o nutricionismo), tratando-se de uma justa recompensa pela dedicação, profissionalismo e competência patenteados ao longo dos anos. Obrigado!

172

Jogos em competições oficiais de Cervi ao serviço do Benfica, o que é demonstrativo de não ser um jogador qualquer que passou pelo clube. Contribuiu para a conquista de 2 Campeonatos, 1 Taça de Portugal e 2 Supertaças, marcando 21 golos (22 em 196 jogos, incluindo particulares) em 5 temporadas. Abnegado, rápido e tecnicista, teve impacto na chegada à Luz, mas foi perdendo fulgor e preponderância no plantel. Creio que sai no tempo certo, merecedor do apreço dos benfiquistas.

Jornal O Benfica - 9/7/2021

segunda-feira, 5 de julho de 2021

Negócio da China

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Dinheiro Vivo - 3/7/2021

Euro (3)

Portugal está fora do Europeu, o qual só interessa agora, no nosso país, aos amantes do futebol. Acabam as liturgias patrioteiras, os slogans bacocos e as gaffes de políticos sempre predispostos a cavalgarem ondas de entusiasmo colectivo. E vão-se as demonstrações exacerbadas de patriotismo de pacotilha e a comunhão artificial de um propósito. Quem finge entusiasmo pode descansar.

Resta a confirmação de que o triunfo em 2016 se tratou de um acaso. Os jogadores figuram entre os melhores da actualidade, mas o enorme talento disponível encontra-se agrilhoado por uma proposta futebolística ultrapassada, desinteressante e coitadinha. É até caricato ler e ouvir muitas das opiniões elogiosas a Fernando Santos, desde logo porque não cola com a promoção feita ao valor dos jogadores. Diz-se que é um treinador pragmático, orientado ao resultado, não passando estes de eufemismos para medroso e mau futebol, respectivamente. Ganhou, é verdade, apesar dele próprio. Não se entende que aquele conjunto de jogadores de inegável competência só assuma a iniciativa do jogo quando em desvantagem.

E depois o capitão e a braçadeira, que em nada se coaduna com as mensagens de marcas ávidas por consumidores patrioteiros. Entendo a frustração e não condenaria o gesto irreflectido se isolado, mas a repetição do mesmo em meses já incomoda. Num país de ronaldettes, a crítica a Ronaldo parece ilegal, ao ponto de se constituir um crime lesa-pátria preferir Messi. Talvez, afinal, ser capitão da selecção não tenha significado por aí além, já que nada se diz do episódio além da costumeira desresponsabilização e muito menos haverá consequências. Importante será uns quantos amigáveis para assegurar recordes…

Jornal O Benfica - 2/7/2021

Números da semana (30)

1

Estamos a uma vitória do título no hóquei em patins feminino, dispondo de duas oportunidades para sagrarmo-nos campeões nacionais pela 8ª vez consecutiva. A concretizar-se, esta equipa superará os 7 campeonatos consecutivos do basquetebol masculino na década de 90 e ficará a 1 de igualar o feito dos 9 títulos consecutivos das Marias no voleibol. No atletismo masculino somos decacampeões em título;

2

Restam 2 atletas do Benfica no Euro’2020, Seferovic e Vertonghen. São também 2 a continuarem em actividade na Copa América, Everton e Otamendi. Silas, se voltar a comentar um jogo da Bélgica na prova, terá assim nova oportunidade de criticar injustificada e até vergonhosamente Vertonghen como o fez no jogo com Portugal. A insistência foi inqualificável, mais pareceu perseguição, contrastante face ao que o nosso jogador foi fazendo em campo, ao ponto de não se perceber se o teor dos comentários se baseava em forte convicção ou em qualquer motivação;

3

Seferovic leva 3 golos no Euro’2020, com a curiosidade dos dois que ajudaram a eliminar a favoritíssima França terem sido conseguidos de cabeça, qualquer deles muito bem executados. Recordo que o nosso avançado, em 173 jogos em competições oficiais de águia ao peito, marcou 69 golos, mas apenas 9 de cabeça, sendo que 4 deles aconteceram em 2020/21, a sua melhor temporada neste capítulo, indiciando assim evolução do suíço neste gesto técnico;

13

Foram 13, ao longo desta semana, os atletas do Benfica em estágio nas selecções de sub17 (7) e sub16 (6), asseverando, uma vez mais, o bom trabalho desenvolvido no Benfica Campus. Neste momento, Diego Moreira e Hugo Félix, nos primeiros, e Ussumane Djaló, nos segundos, são os que mais aprecio.

Jornal O Benfica - 2/7/2021

Números da semana (178)

1 Terminadas as principais 7 ligas europeias e a Liga dos Campeões, Trubin foi o melhor guarda-redes sub-23 nos seguintes dados estatístic...