terça-feira, 25 de maio de 2021

Força Benfica!

Ganhar a Taça de Portugal não salva, nem deixa de salvar, uma temporada. É bem mais importante do que isso, tem um valor intrínseco, é a segunda competição mais relevante do calendário competitivo nacional e a mais antiga entre as existentes.

Começou a ser disputada em 1922, alteraram-lhe o nome em 1938 e, como não poderia deixar de ser, o Benfica é o clube mais vezes vencedor: três sob a denominação "Campeonato de Portugal", 26 já como "Taça de Portugal".

E porque o revisionismo se combate com factos, aqui está, mais uma vez e as vezes que forem necessárias, o excerto do relatório da Federação Portuguesa de Futebol, aprovado pelas Associações, referente à temporada 1938/39 que comprova inequivocamente que o Campeonato de Portugal e a Taça de Portugal são uma e a mesma prova (ou a primeira antecede a segunda) e não outra qualquer como o Sporting anda a tentar enganar desrespeitadora e vergonhosamente.

Diz então assim: "Por virtude da reforma a que se procedeu no Estatuto e Regulamentos da Federação, os Campeonatos das Ligas e de Portugal passaram a designar-se, respectivamente, Campeonatos Nacionais e Taça de Portugal". E, no parágrafo seguinte, para que não houvesse confusão, reiteram que “o Campeonato da 1ª Liga passou a ser Campeonato Nacional 1ª Divisão”.

Mais claro que isto é impossível, podendo o Sporting, se quiser, afirmar que já venceu 6347 campeonatos, que tal não alterará a realidade: ficam-se pelos 19 em 2020/21.

Mas, agora, o que realmente me importa é que vençamos a Taça de Portugal, mesmo sem público e longe do Jamor. Venceremos!

P.S.: Um dia ter-se-á que discutir seriamente a questão do estádio Nacional. Deixá-lo degradar-se é um crime lesa futebol português.

Jornal O Benfica - 21/5/2021

Números da semana (24)

2

Everton e Lucas Veríssimo foram chamados à selecção brasileira. Desde Ederson e Jonas que o Benfica não fornecia, em simultâneo, dois jogadores à Canarinha;

5

Seferovic chegou à 5ª posição, com 39 golos, no ranking dos melhores marcadores neste estádio da Luz (incluindo particulares). Cardozo lidera, com 109, e é seguido por Jonas (92), Pizzi (54) e Nuno Gomes (42). O suíço assinou 27 golos com o pé esquerdo e só Cardozo fez mais (72);

8

O Benfica venceu o Sporting por 4-3 pela 8ª vez, a 7ª em competições oficiais, apenas uma delas num prolongamento, curiosamente a anterior, em novembro de 2013 para a Taça de Portugal. De resto, essa partida realizada há cerca de 7 anos e meio era, até ao fim-de-semana passado, a última, de 38, com um 4-3 favorável ao Benfica;

10

O passe de Everton para Pizzi concretizar o nosso 2º golo ao Sporting foi magistral e a 10ª assistência do brasileiro, alcançando Darwin na liderança, entre o plantel benfiquista, deste item estatístico em competições oficiais na presente temporada;

28

Com o bis ao Sporting (o 8º na temporada), Seferovic ocupa agora a 28ª posição entre os melhores marcadores de sempre do Benfica no Campeonato. É o 34º considerando todas as competições oficiais;

30

Com o golo marcado ao Sporting, Pizzi passou a ser o 30º mais goleador da história do Benfica. Chegou aos 96 golos, tantos quanto Simão (29º) e Diamantino (31º). Em competições oficiais leva 92 golos e é o 23º do ranking. No Campeonato isolou-se na 21ª posição, a apenas um golo de Magnusson e João Pinto;

90

Além de ter marcado um golo, Pizzi fez ainda duas assistências frente ao Sporting, totalizando agora 90 em competições oficiais ao serviço do Benfica.

*Não inclui o V. Guimarães – Benfica.

Jornal O Benfica - 21/5/2021

Superliga não morreu

Crónica publicada no Dinheiro Vivo. Também publicada em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de Notícias.

Dinheiro Vivo - 15/5/2021

Campeãs

Confesso o meu pessimismo quando, embora feliz pelo apuramento para a final dos playoffs, receei que a lesão da norte-americana Altia Anderson hipotecasse seriamente as hipóteses de vencermos, pela primeira vez, o Campeonato Nacional de basquetebol feminino. Julgava difícil com ela apta, afigurou-se-me quase impossível sem o seu contributo.

Claro que conhecia a inegável competência do plantel e treinador, além de ter plena consciência, pelas muitas provas dadas, do espírito de equipa e determinação da nossa equipa, mas do outro lado estava um clube que conta com três estrangeiras no plantel, foi três vezes campeão nas últimas cinco épocas e tinha vencido a fase regular.

E, depois, as detentoras da Taça de Portugal (também um título inédito para o Benfica) venceram com relativa facilidade o primeiro jogo da final, o que me levou, aí sim, a crer na possibilidade do título. A derrota no segundo jogo não surpreendeu e temi que o sucesso pleno não seria ainda uma realidade esta época, mas a nossa valorosa equipa, só com uma estrangeira, soube superar as adversidades e revelou-se imune à enorme pressão, fazendo um parcial de 7-0 na parte final do jogo que garantiu o triunfo, podendo assim celebrar o título mais desejado.

Este título ficará na história como o primeiro do Sport Lisboa e Benfica numa modalidade em que, apesar do regresso à competição há uns poucos anos (duas subidas sucessivas até à Liga, primeiro troféu ao mais alto nível em 2018/19 e dobradinha em 2020/21), era já longo o trajecto benfiquista. E passámos a ser o único em Portugal que, na vertente feminina, já foi campeão nacional pelo menos uma vez em cada uma das modalidades de pavilhão. Parabéns!

Jornal O Benfica - 14/5/2021

Números da semana (23)

1

1º Campeonato Nacional de basquetebol feminino conquistado pelo Sport Lisboa e Benfica. Até 2019/20, a 25ª temporada de actividade benfiquista, nunca havíamos ganho um título ou troféu ao mais alto nível. Fomos campeões da 2ª divisão em 1971/72, 1972/73 e 2013/14; e campeões da 3ª divisão em 2012/13. Finalmente, na época passada, vencemos a Taça Vítor Hugo. Na presente temporada celebrámos o triunfo na Taça de Portugal e sagrámo-nos campeões nacionais. Brilhante!

2

Bis de Gonçalo Ramos na Madeira frente ao Nacional, o segundo da ainda curta carreira do jovem goleador pela equipa de honra em competições oficiais. Na primeira temporada enquanto sénior, leva 4 golos na equipa principal (417 minutos incluindo tempos adicionais) e 11 na B (em 11 jogos);

10

Darwin fez mais duas assistências na partida com o Nacional e chegou às 10 pelo Benfica em provas oficiais. Considerando as épocas desde 2013/14, inclusive, é o 12º com mais assistências, num ranking das últimas 8 épocas liderado por Pizzi, com 88, seguido de Gaitán, com 45, e André Almeida, 38. Darwin voltou a ser o líder das assistências, entre os jogadores benfiquistas, na presente temporada, com mais uma do que Everton e duas do que Grimaldo e Rafa;

198

Grimaldo superou o registo de Preud’Homme e é agora o 61º com mais jogos “oficiais” pelo Benfica. Incluindo jogos particulares é o 76º, com 217. E, no campeonato, chegou aos 133, mais 1 que Jonas. No actual plantel, só Pizzi, André Almeida e Jardel representaram mais vezes o Benfica;

327

Jogos “oficiais” de Pizzi de águia ao peito. Ao participar no desafio com o Porto, isolou-se na 21º posição do ranking dos jogadores com mais jogos em competições oficiais pelo Benfica.

Jornal O Benfica - 14/5/2021

Crónica imaginária

As palavras que se seguem foram escritas na terça-feira, dois dias antes do chamado “Clássico”, anteriores até às conferências de imprensa de antevisão ao jogo. É avisada aquela asserção de que, no futebol, “prognósticos só a seguir ao jogo”, e levo-a muito a sério. Estas são palavras sábias, que não minhas, mas de uma figura do nosso adversário de ontem na Luz, por certo inadvertidas, pois nunca me pareceu dada a esmeros intelectuais. O desportivismo termina aqui.

E termina porque, perto de completar 44 anos de vida, são quase quatro as décadas em que fui constatando o quotidiano futebolístico nacional sob o jugo da perfídia e de comportamentos inescrupulosos, da instrumentalização do regionalismo bacoco e do exercício de poderes informais variados, que as cenas degradantes recentemente ocorridas em Moreira de Cónegos em nada contrariaram, antes robusteceram, a ideia de que Pinto da Costa e seus acólitos personificam, do meu ponto de vista, tudo o que deve ser rejeitado no desporto, incluindo o da alta competição.

Acredito que vencemos o jogo e sei que, independentemente do resultado que se verifique, haverá uma qualquer razão, motivada por aquela gente que representa o F.C. Porto, para sentir vergonha alheia. Não se trata de premonição, é mera experiência acumulada.

Creio que, no papel, temos tudo para ter ganho. Sei, no entanto, que o futebol não se joga no papel. Acontece dentro do campo, desejavelmente sem interferências externas – com o adversário em questão tratar-se-á de um sonho mirífico – e há a inegável aleatoriedade do futebol. Só tenho uma certeza: quando o caro leitor ler esta crónica, serei mais benfiquista que ontem e menos do que amanhã. Viva o Benfica!

Jornal O Benfica - 7/5/2021

Números da semana (22)

5

Atletas do Benfica medalhados no Campeonato do Mundo de Estafetas. Todos bronze (4 por Portugal e uma pelo Equador);

9

O basquetebolista Bryce Alford fez um jogo inacreditável em Oliveira de Azeméis, frente à Oliveirense, ajudando a equipa a selar o apuramento para as meias-finais dos playoffs da Liga Placard. Concretizou 9 lançamentos triplos (em “apenas” 11 tentativas), perfazendo uma impressionante percentagem de 81,8%. Curiosamente já havia feito 9/11 nos 3 pontos por UCLA, num jogo do campeonato universitário americano frente a SMU, na qual pontificava o agora colega Nic Moore. Não me recordo de ter havido, desde o Carlos Lisboa, qualquer jogador do Benfica a anotar mais de 9 triplos numa partida. O melhor jogador português de todos os tempos fê-lo, pelo menos, cinco vezes (10 – 4 vezes; 11 ao Phillips Milano);

196

Jogos em competições oficiais pelo Benfica de Grimaldo, os mesmos de Samaris. O lateral espanhol já só tem 3 colegas no plantel que representaram o Benfica em mais “jogos oficiais”. São eles Pizzi, Jardel e André Almeida;

279

16 anos e 279 dias, a idade com que Cher Ndour se estreou pela equipa B, sendo agora o mais novo de sempre a estrear-se nesta equipa benfiquista em competições oficiais. João Félix era o anterior recordista;

91

Golos de Pizzi pelo Benfica em competições oficiais, o que o coloca na 23ª posição do ranking de goleadores de águia ao peito. No Campeonato Nacional marcou por 62 vezes, igualando o registo do 21º, o avançado Jordão;

325

E Pizzi voltou a subir na lista dos jogadores com mais “jogos oficiais” pela equipa de honra do Benfica. Passou a ser o 21º mais vezes utilizado, a par de Pietra.

*Não inclui o Benfica – Porto.

Jornal O Benfica - 7/5/2021

segunda-feira, 3 de maio de 2021

Porto démodé

Diz-se do vinho que melhora com a idade, mas um carrascão, por muitos anos que mature, nunca passará de um carrascão. Um carrascão velho, ultrapassado e intragável. Numa palavra, lixo.

Os recorrentes espectáculos degradantes protagonizados pela estrutura do FC Porto – o que se passou após o final da partida em Moreira de Cónegos, como em tantas outras, já não surpreende – vão subsistindo com a conivência, por omissão de consequências sérias, dos órgãos disciplinares do futebol.

Só num país complacente com a mediocridade, paternalista até ao tutano, indulgente fervoroso, atrozmente cobarde e pululado por demasiados calculistas subservientes ao poder informal, resultando numa impunidade generalizada, é possível que gente desta persista em comportamentos que deveriam fazer corar de vergonha quem os perpetra e, sobretudo, quem se deixa representar por estas tristes e indecorosas figuras. Diz-se que as pessoas passam e a instituição fica, mas já são 40 anos disto, tornando-se tarefa onírica tentar distinguir entre clube e adeptos. E não faltam homenagens, loas e servilismo ao líder, de babados e interesseiros, que nos permitam sequer tentar essa distinção.

Mas o que se passa no campo (parte, pelo menos) tem o condão de poder ser visto por todos. Não que haja grandes consequências ou se tirem as devidas ilações, mas é já alguma coisa. Fora dele, no entanto, são raras as ocasiões em que nos é permitido perceber a verdadeira extensão de uma forma de estar e ser que há muito deveria ter sido banida do futebol. As ameaças e agressões a um jornalista foram, desta vez, filmadas. Desta vez, saliente-se. Quantas mais, filmadas ou não, voltarão a acontecer sem repercussões significativas?

Jornal O Benfica - 30/4/2021

Números da semana (21)

2

Bicampeões nacionais de pólo aquático feminino. A nossa equipa promete dominar a modalidade nos próximos anos;

7

Kika Nazareth, aos 18 anos apenas, vai confirmando o enorme potencial que muitos lhe auguram. Conquistou a titularidade em março e soma 7 golos em somente 9 jogos disputados (7 como titular) na fase de apuramento de campeão, 3 dos quais nos últimos 2 jogos, frente a Braga e Famalicão, dois dos candidatos ao título. Aos golos marcados acrescenta inúmeras jogadas de fino recorte técnico e classe invulgar;

35

Grimaldo, com as duas assistências para golo na partida com o Portimonense, elevou para 37 a contagem pessoal, pelo Benfica em jogos “oficiais”, neste item estatístico. Desde 2013/14, inclusive, é o 4º com mais assistências;

50

Golos de Seferovic no Campeonato, é o 30º mais goleador do Benfica na prova. Em competições oficiais leva 65 e é o 35º no ranking (com os mesmos de Vítor Baptista, mas em mais 11 partidas). Frente ao Portimonense, bisou pela 7ª vez na presente temporada, superando os 6 bis conseguidos em 2018/19. Curiosamente, ambos os golos aos algarvios foram concretizados com o pé direito, com o qual assinou apenas 20% (13) dos 65 golos (pé esquerdo – 44; Cabeça – 8);

90

Pizzi regressou aos golos em Portimão e chegou aos 90 pelo Benfica em competições oficiais. Igualou o registo de João Pinto, precisando de mais 22 jogos. Ocupa a 24ª posição na lista dos melhores marcadores benfiquistas. No Campeonato Nacional é o 23º melhor de sempre, com 61 tentos, os mesmo do 22º, Joaquim Teixeira;

324

Na 7ª temporada de águia ao peito, Pizzi já é o 22º com mais jogos em competições oficiais pelo clube. Chegou aos 324 ante o Santa Clara, tantos quanto Carlos Manuel (9 épocas) e Chalana (12).

Jornal O Benfica - 30/4/2021

Superliga

Há uns anos escrevi uma crónica para o Vida Económica em que abordei a inevitabilidade da criação de uma Superliga Europeia de futebol. Então, como hoje (dia 20), julguei que a criação da Associação Europeia de Clubes (ECA) era motivada, principalmente, pela necessidade do exercício de pressão sobre a UEFA (e a FIFA) em questões fundamentais, desde logo a necessidade de maior redistribuição das receitas televisivas e de patrocínios das competições europeias ou de estancar o abuso das datas reservadas para as selecções ao longo da temporada, entre outros.

Por isso não me surpreenderam as sucessivas reformulações da Liga dos Campeões, tanto no incremento dos prémios distribuídos como até no formato competitivo, verificando-se um afunilamento cada vez mais acentuado nos participantes. Este fenómeno nem sequer é recente, pois esteve na base da transição do antigo modelo da Taças dos Clubes Campeões Europeus para a versão inicial da Liga dos Campeões.

Terminei o tal artigo elogiando a UEFA por ceder às reivindicações dos clubes, ao invés de entrar em conflito aberto, mas interrogando até quando seria possível evitar uma cisão. Aparentemente, esse momento pode ter chegado.

Sou daqueles que reconhecem mérito à demanda da ECA. E não me incomoda, inclusivamente agrada-me, que a UEFA seja cada vez mais reguladora e organizadora e menos parte interessada nos proveitos financeiros do negócio. Se a ECA substituísse a UEFA, daí não viria mal ao mundo. Porém, esta revolta de alguns clubes enferma de um defeito grave: haver privilegiados.

Não se trata apenas do garante de mais receitas ou da libertação de espartilhos da UEFA, mas também, lamentavelmente, da tentativa de perpetuação do status de uns poucos.

Jornal O Benfica - 23/4/2021

Números da semana (20)

1

Estamos a um ponto de revalidarmos o título no pólo aquático feminino. O projecto, apesar de recente, é vencedor;

3

Judocas benfiquistas medalhados no Campeonato da Europa. Mérito, sobretudo, dos atletas, mas também do Sport Lisboa e Benfica, que tanto os apoia e lhes providencia as condições indispensáveis;

4

Tetracampeões de futsal feminino. A nossa equipa é extraordinária, só sabe vencer. Que assim continue por muitos anos;

5

O CIES analisou o tempo útil dos jogos de 37 provas europeias realizados entre 1 de julho de 2019 e 3 de março de 2021 e concluiu que apenas cinco apresentam um registo pior que o da Liga NOS. Repito, entre 30 campeonatos de primeira divisão, cinco campeonatos da segunda, mais a Liga dos Campeões e a Liga Europa, Portugal é o sexto pior no tempo útil de jogo. Enquanto por cá se entretêm com a centralização dos direitos televisivos, parecem ignorar aspectos básicos como este, o estado dos relvados ou as condições para os adeptos;

6

Telma Monteiro sagrou-se campeã europeia de judo pela 6ª vez e subiu ao pódio pela 15ª vez em 15 participações. É uma atleta de excelência, das melhores de sempre na modalidade a nível mundial e uma das melhores desportistas na história de Portugal;

12

Clubes, para já (escrevo na 3ª feira), que manifestaram a intenção de formar uma Superliga Europeia de futebol fora da égide da UEFA. Acompanho as preocupações quanto ao aprofundamento do fosso entre clubes, já de si muito significativo (basta analisar a origem dos clubes presentes nas meias-finais da Liga dos Campeões desde 2006), e, sobretudo, o favorecimento de um pequeno grupo deles, perpetuando a sua participação. Na UEFA ou fora dela, a questão da meritocracia é fundamental.

Jornal O Benfica - 23/4/2021

Números da semana (178)

1 Terminadas as principais 7 ligas europeias e a Liga dos Campeões, Trubin foi o melhor guarda-redes sub-23 nos seguintes dados estatístic...