segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Temos mérito!

Enquanto benfiquistas, almejamos incessantemente o sucesso desportivo, ao ponto de, por vezes, quando este não é atingido, sermos injustos com os nossos profissionais. Exigir vitórias faz parte da quintessência benfiquista, embora, em boa verdade, a superior qualidade e inexcedível entrega são suficientes para que nos possamos sentir representados por quem tem o privilégio de envergar a camisola do glorioso. Os títulos e troféus são as consequências naturais destes predicados, embora, por si só, não os garantam.

Defendo que, mais do que avaliarmos os nossos treinadores e jogadores pelos títulos e troféus, devemos tentar perceber se são competentes, dedicados e identificados com os valores do clube. Por outras palavras, reconhecer que nem sempre a derrota se deve a culpa própria, mas ao mérito dos adversários. Não procuro desculpabilizar os insucessos, mas antes valorizar os feitos desportivos. E não são poucos!

Em dez (!) supertaças disputadas esta temporada, vencemos sete. Perdemos bem em basquetebol, hóquei em patins e ténis de mesa. No entanto ganhámos ainda melhor nas restantes, tendo o voleibol e o hóquei em patins (feminino) ocorrido no passado fim-de-semana. É o eclectismo na sua expressão máxima, pujante como só no Benfica poderia ser. Mérito, bastante mérito, raramente reconhecido pelos nossos rivais. Então no futebol… Somos tricampeões nacionais e acabámos de estabelecer um novo recorde: 16 vitórias consecutivas fora no campeonato. Reconhecimento adversário do nosso mérito? Desconheço… E ainda bem! É combustível para a nossa ambição…


P.S. Ao Nélson Évora: “No imediato o dinheiro vence a dedicação. No futuro, a dedicação goleia o dinheiro”, Cosme Damião.

Jornal O Benfica - 28/10/2016

Fim de quarentena

Todos estamos agradecidos aos benfiquistas que há uns poucos meses dedicaram parte do seu tempo, dinheiro e esforço para homenagearem vint...