segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

De Luisão a Renato Sanches

A breve troca de passes entre Renato Sanches e Luisão, no término da partida frente ao Boavista, revestiu-se, creio, de grande significado e simbolismo.

A estreia do nosso médio, ainda júnior, no estádio da Luz, após uma curta participação em Aveiro, foi, assim, apadrinhada pelo nosso capitão, em tarde de particular importância para o central brasileiro que, como habitual, foi ignorada pela generalidade da comunicação social, mais preocupada com o acessório do que com o essencial.

Daqui a uns tempos, mais próximos até do que se julga, poucos se recordarão das críticas extemporâneas, injustas e alarmistas aos desempenhos de Luisão. No entanto, o marco atingido pelo defesa-central constará na história. O nosso capitão igualou, em número de jogos, Francisco Ferreira, sendo agora o 11º futebolista com mais presenças em jogos da equipa principal do Benfica (523). À sua frente, apenas Nené, Coluna, Humberto Coelho, Veloso, Shéu, Bento, Eusébio, Simões, Toni e Cavém.

Naqueles passes entre Renato Sanches e Luisão, o futuro foi tocado pelo presente, que inclui já Gonçalo Guedes, no seu primeiro ano de sénior, a marcar golos e a fazer assistências, tornando-se rapidamente num dos valores mais válidos do nosso plantel.

Não fossem as sucessivas arbitragens a beneficiar o Sporting (já são tantas que, apesar da péssima exibição benfiquista no dérbi, legitima recordar o penálti perdoado na Luz ao Sporting estava ainda 0-0), a afirmação destes jovens atletas poderia ser ainda mais enaltecida.


Já se sabia que a implementação desta filosofia acarretaria riscos desportivos. É pena que as más arbitragens os potenciem. Pedro Proença bem ameaçou que iria mudar o “futebol”…

Jornal O Benfica - 13/11/2015

Fim de quarentena

Todos estamos agradecidos aos benfiquistas que há uns poucos meses dedicaram parte do seu tempo, dinheiro e esforço para homenagearem vint...