segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

Mais do que três pontos

Houve quem quisesse a tenda montada. A sucessão de resultados entre o insatisfatório e o mínimo exigível, sem que o teor de dificuldade, o contexto, as exibições em alguns dos jogos ou as incidências das partidas fossem consideradas, acrescida de uma polémica tão artificial quanto insidiosa, prometiam abalar as fundações da nossa equipa de futebol.

Enganaram-se! A tentativa de desestabilização foi engenhosa, mas não resistiu à realidade e à estabilidade do clube.

Tendo a concordar, no entanto sem convicção plena, com o que Jorge Jesus afirmou sobre o assunto no que diz respeito à comunicação social. Em princípio – e sei, face ao que penso e venho observando desde há muitos anos e tendo em conta a origem das notícias, que teimo em esticar demasiado a minha corda do benefício da dúvida – , que deve ter existido alguém que levou os jornalistas a acreditarem que ocorrera uma situação grave no seio do plantel.

A ânsia da cacha, a costumeira falta de rigor jornalístico, provavelmente o acentuado anti-benfiquismo também, atearam um fogo inexistente, mais parecendo daquelas lareiras a gás e labaredas postiças, subindo a temperatura com um fogo que se vê sem arder...

A goleada infligida ao Braga vale, por isso, mais do que os três pontos conquistados. Não tanto pelos muitos golos marcados, mas pela grande atitude em campo, que nem sequer foi abalada pelo golo do empate bracarense ou a substituição forçada de João Mário e Lucas Veríssimo, dois esteios da equipa. Ficou assim clara a gritante dessintonia entre a realidade e o que é propalado por certa comunicação social, evidenciando a primeira e expondo o segundo. Que sirva de ensinamento para o futuro. Eles são como são e não mudam, cabe-nos avaliar quem merece credibilidade.

Jornal O Benfica - 12/11/2021

Sem comentários:

Enviar um comentário

"Veia" exportadora

Crónica publicada no  Dinheiro Vivo . Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de N...