terça-feira, 19 de outubro de 2021

Temos presidente!

O contexto era adverso quando Rui Costa assumiu o cargo da presidência. Luís Filipe Vieira que, meses antes, fora reeleito com a sua pior votação nas seis vezes em que concorreu, denotando-se algum desgaste de poder, demitiu-se a contas com a justiça.

Sob o espectro do vazio institucional, Rui Costa assumiu a responsabilidade de liderar o clube com eleições no horizonte. Os desafios mais prementes foram todos superados com distinção: gestão corrente assegurada; sucesso da emissão do empréstimo obrigacionista; plantel mais competitivo; e época futebolística iniciada de feição (líder do campeonato e presença garantida na fase de grupos da Liga dos Campeões, mais a retumbante vitória ao Barcelona).

Acrescem o uso do espaço mediático por Rui Costa que, apesar de escasso até à campanha eleitoral, foi suficiente para que o novel presidente demonstrasse dominar os dossiers, e os passos dados em prol de um processo eleitoral mais transparente e democrático, nomeadamente promovendo a utilização, pelas listas candidatas, dos meios de comunicação do clube para a campanha.

Glória do clube há muito considerado presidenciável, garante da estabilidade institucional e promotor de várias boas decisões em meses recentes, a eleição estava garantida.

Assim torna-se ainda mais relevante a participação recorde. Mesmo num cenário em que se antecipava o vencedor, 33754 sócios do Benfica deslocaram-se às urnas para depositar o voto em Rui Costa. Notável!

P.S.: Creio que a lista B nunca acreditou na possibilidade de vitória nas eleições e concorreu motivada unicamente pelo benfiquismo e pela crença de que seria importante promover o debate. Na prática evitou o plebiscito a Rui Costa, prestando assim um grande serviço ao clube.

Jornal O Benfica - 15/10/2021

Sem comentários:

Enviar um comentário

Bola no próprio cesto

A situação no basquetebol português é muito grave e há, de facto, razões para preocupação. O Porto entendeu, na minha opinião injustificad...