terça-feira, 1 de setembro de 2020

Entrevista

Há diversas formas de avaliar um presidente, sendo que prefiro aquela proposta por Joaquim Bogalho: Deve ter-se em conta o estado do clube quando se toma posse, o que foi feito ao longo do(s) mandato(s) e o estado em que se deixa o clube ao sucessor.

Não é um exercício fácil, pois requer profunda cultura benfiquista (conhecimento) e distanciamento da espuma dos dias. Enquanto Luís Filipe Vieira for presidente, e se, entretanto, não mudar de opinião em relação aos seus antecessores, continuarei a sentir-me dividido entre Bogalho e Maurício Vieira de Brito quanto ao “melhor presidente” da história do SLB.

Salvaguardadas estas questões, considero mais que justo incluir, por agora, Luís Filipe Vieira na categoria de candidato a essa “eleição”. O clube melhorou em cada um dos seus mandatos e, para aferi-lo, basta ver o tipo de crítica mais comum em cada momento.

Se hoje se lhe exige um Benfica europeu mais pujante, há dez anos apontavam-se-lhe os escassos títulos nacionais.

Se hoje se lhe exige maior investimento na equipa de futebol, há dez anos era o elevado passivo o que mais atormentava os benfiquistas.

Se hoje se lhe exige o aumento da capacidade de retenção de talento, há dez anos entendia-se como uma inevitabilidade a saída de todo e qualquer jogador perante a necessidade de facturação.

E se hoje se lhe exige menos “obra”, há quinze anos poucos tiveram a clarividência de perceber os benefícios decorrentes, na sua plenitude, do pesadíssimo investimento na construção de um novo estádio e do Benfica Campus.

Na entrevista à BTV identifiquei a determinação habitual e uma visão estratégica para o futuro do Benfica. Gostei muito!

Jornal O Benfica - 05/06/2020

Sem comentários:

Enviar um comentário

Números da semana (179)

1 Nas estafetas mistas de triatlo, o Benfica sagrou-se campeão nacional; 2 No futebol de formação, o Benfica é bicampeão nacional de j...