terça-feira, 1 de setembro de 2020

Regresso!

 Se tudo correr bem (ou se nada correr mal) a bola voltará a rolar nos relvados portugueses da primeira liga (nem todos são sempre de “primeira liga”) já na próxima quarta-feira (quinta-feira, dia de Benfica, é o que verdadeiramente interessa).

O uso excessivo de parêntesis acima (não me levem a mal) é propositado. As dez jornadas do campeonato, mais a final da Taça, oxalá sejam realizadas, serão, espero poder vir a dizê-lo daqui a uns anos, um breve hiato na nossa vivência benfiquista. No meu caso em particular, tal é a frequência com que vou ao estádio da Luz, sempre, sinto que o Benfica só joga verdadeiramente em casa se eu lá estiver nas bancadas. Mesmo a ocasional alteração de lugar, que é rara e nunca desejada, revela-se-me, de certa forma, desarmoniosa.

Mas pior que futebol sem público é nenhum futebol. Teremos jogos para ver, golos para festejar e, assim o esperamos, títulos para celebrar. Exigir a eventual perpetuação da suspensão das competições – quando será possível a reabertura dos estádios? – seria um atentado à sobrevivência do futebol tal como o conhecemos.

Pelas avultadas quebras de receitas (direitos televisivos e patrocinadores), mas também por um fenómeno de desabituação. Desconheço estudos sobre este hipotético fenómeno, mas desconfio que, a cada dia que as novas plataformas de distribuição de entretenimento conquistam adeptos, o potencial de transferência destes existe em alguma medida. Afinal, os dias continuarão a ter 24 horas e as carteiras não engordarão certamente. Dir-me-ão que tal nunca aconteceria, mas acho avisado mitigar-se esse risco. E nós, os que vamos aos estádios, até somos minoritários. É na TV, de longe, que se vê mais futebol.

Jornal O Benfica - 29/05/2020

Sem comentários:

Enviar um comentário

Números da semana (179)

1 Nas estafetas mistas de triatlo, o Benfica sagrou-se campeão nacional; 2 No futebol de formação, o Benfica é bicampeão nacional de j...