terça-feira, 22 de junho de 2021

Rival invisível

É impressionante ouvir os vários testemunhos acerca do impacto, a todos os níveis, do surto de Covid no seio do plantel (série “Rival Invisível”, disponível no Benfica Play e redes sociais do clube). Pela extensão em tão curto espaço de tempo, em que chegou a haver, salvo erro, 25 infectados em simultâneo (jogadores, técnicos e estrutura de apoio), o Benfica teve de lidar com uma situação que assumiu contornos quase únicos a nível mundial.

Este é um documento precioso que nos ajuda a perceber, em profundidade, o que se passou com a equipa naquele período da temporada.

Não entendo a série como uma mera peça ilibatória do rendimento em campo, mas antes considero-a essencial para a compreensão das circunstâncias extremamente adversas com que o plantel se deparou em determinado momento e que, por força da insatisfação com os resultados, foram injustamente menosprezadas.

Mais do que as questões de natureza desportiva, saúde ou aptidão física para a competição futebolística, relevo a dimensão humana. Por boa vontade que tenha, só remotamente poderei compreender pelo que passaram os elementos do plantel naquela altura.

A angústia por eventuais consequências nefastas para a carreira (caso grave de Daniel dos Anjos, da B), o receio de prejudicar os familiares e, num plano secundário, mas sempre latente e prioritário para os adeptos, a impossibilidade de reversão de um percurso desportivo aquém das legítimas expectativas, certamente foram dificílimos de lidar e ultrapassar e só com a passagem do tempo e o restabelecimento da saúde esvaneceram.

Haverá muito a corrigir para regressarmos ao título já na próxima temporada. Mas é um erro menosprezar o impacto do surto de covid na nossa equipa em 2020/21.

Jornal O Benfica - 11/6/2021

Sem comentários:

Enviar um comentário

Em choque

Como os terramotos, a detenção do presidente Luís Filipe Vieira pode ser medida sob duas perspectivas. Assim, por muita elevada que seja a m...