terça-feira, 3 de maio de 2022

É nossa !

Vencermos a UEFA Youth League foi uma das minhas maiores alegrias nesta extraordinária epopeia que é ser benfiquista. Não por um sentimento desproporcionado face à relevância da competição, mas por finalmente se ter feito justiça ao nosso Benfica, um dos melhores clubes do mundo na formação de futebolistas ao longo da última década.

Sendo eu, desde que me conheço, um dedicado seguidor das camadas jovens do nosso futebol, pesava-me a enorme frustração de constatar, ano após ano, e com três presenças em finais e sucessivas gerações repletas de jogadores promissores, que o magnífico trabalho feito pelo Benfica neste domínio não encontrava eco, como mais do que merecia, no palmarés desta prova.

Ademais, e como não sou hipócrita, não me custa reconhecer que me chateava o facto de o FC Porto ter conseguido ganhar este título num ano ocasional de vasto talento emergente. E este constrangimento ficou resolvido.

Agora há que retomar o caminho tão frutífero em anos ainda recentes, evitando-se eventuais exageros perniciosos, que também ocorreram.

Não que eu ache, como muitos advogam, que a aposta na formação tenha hibernado nos últimos dois anos: afinal, quem formou Gonçalo Ramos, Paulo Bernardo ou Morato? Mas temos condições (talento) para ir mais longe!

O que defendo parece-me muito razoável tendo em conta a enorme competência patenteada no Benfica Campus desde há vários anos.

Deve-se recusar a aposta na formação por decreto, centrando a questão unicamente no potencial de rendimento dos atletas, enquanto se implementa obstinadamente, mas sem pressas, uma política de escolhas em que a prioridade é dada aos jogadores formados pelo clube.

Por outras palavras, entre jogadores similares no binómio rendimento/potencial, desde que a variável rendimento se situe no patamar mínimo exigível, a escolha deve sempre recair naquele formado no Benfica. Não faz sentido o investimento numa incógnita quando, em casa, temos uma incógnita parecida, mas que conhece e sente o clube, além de ser mais barata.

Por racionalidade da gestão económica e financeira, por política desportiva e, sobretudo, por benfiquismo, este tem de ser o caminho, assim se acautele sempre o respeito pelo mais vincado traço identitário do clube, que passa pela maximização constante das possibilidades de conquista de títulos e troféus.

Parabéns, miúdos! Parabéns, Benfica!

Jornal O Benfica - 29/4/2022

Sem comentários:

Enviar um comentário

Números da semana (179)

1 Nas estafetas mistas de triatlo, o Benfica sagrou-se campeão nacional; 2 No futebol de formação, o Benfica é bicampeão nacional de j...