terça-feira, 16 de agosto de 2022

Chalana

O Chalana, para mim, é quase uma figura mitológica. As minhas primeiras memórias futebolísticas remontam ao Campeonato da Europa em 1984, mais concretamente a algumas jogadas estonteantes do Chalana pela selecção portuguesa nesse europeu. O resto é posterior, portanto já só acompanhei o ocaso da sua carreira.

Mas crescer a ouvir o meu pai e os seus amigos, que passaram a adolescência no estádio da Luz a ver o Eusébio e companhia na década de sessenta, e mesmo assim era ao Chalana, além de Eusébio, que dedicavam maior admiração, tem muito impacto. “Lembro-me de ver um jogo dos juniores no início de época e de ficar siderado com o Chalana. Fui a quase todos os jogos nessa época só para o ver jogar” ou “era inacreditável, os adversários caiam sozinhos” são apenas dois exemplos do muito que fui ouvindo.

A minha idolatria pelo Chalana é, portanto, em grande parte herdada e posteriormente cimentada por apontamentos ocasionais que lhe vi fazer em campo depois de regressar de Bordéus. Mais tarde, também pelos inúmeros testemunhos de antigos colegas em público e em privado e pela consulta de edições antigas de jornais na pesquisa para os meus livros. E sem esquecer algumas imagens, surpreendentemente poucas para quem atingiu o auge na sua carreira futebolística já na década de oitenta.

Aliás, considero mesmo um crime lesa futebol não haver mais imagens do Chalana. Se a RTP as tem em arquivo, seria verdadeiro serviço público divulgá-las. Não se trata de futebol apenas. É arte, é ilusão, é paixão. Chalana não foi um mero grande jogador de futebol. Foi um criador de sonhos, foi, nos relvados do rigor da táctica e do aprumo físico, a personificação da alegria que muitas crianças sentem a jogar futebol.

Ao morrer Chalana morre também um bocadinho do Benfica, daquele Benfica idealizado pelos benfiquistas em que todos os que têm a honra e o privilégio de o representar têm de ser Chalanas ou Eusébios. Chalana é uma das maiores figuras da história do Benfica, um ídolo com pés de ouro.

Até sempre!

Jornal O Benfica - 12/8/2022

Sem comentários:

Enviar um comentário

O triunfo dos imbecis

Crónica publicada no  Dinheiro Vivo . Também publicada, em papel, no suplemento que acompanha as edições do Diário de Notícias e Jornal de N...