segunda-feira, 4 de julho de 2022

Nada mudou

O futebol português é pródigo em bizarrias. A mais recente (escrevo na quarta-feira, talvez já tenha acontecido outra quando o jornal lhe chegar às mãos) foi a realização de uma assembleia-geral extraordinária da Federação Portuguesa de Futebol para se discutir e votar três pareceres sobre o palmarés do Campeonato Nacional e da Taça de Portugal.

Não se entende como a Federação aceitou sequer discutir a situação vergonhosamente criada pelo Sporting, uma vez que a própria Federação havia deliberado, em tempo útil, ou seja, há 84 anos, e com a concordância das associações, sobre a natureza de cada uma das competições em causa.

O próprio processo foi absurdo: submeter à votação três pareceres de historiadores, como se a história, depois de analisados factos e interpretados acontecimentos, fosse passível de ser votada de acordo com sensibilidades do momento da parte de quem, por muito voluntarismo e interesse que tenha pela matéria em apreço, pura e simplesmente não deveria ser competente para participar num processo deste cariz.

Convém, no entanto, realçar que a Federação actuou bem tendo em conta o futebol que superintende. A forma como este processo se desenrolou talvez fosse a única forma eficaz de arrumar o assunto.

Felizmente, na votação houve bom senso, pudor e honestidade intelectual. Faltou o rigor histórico, mas não se pode ter tudo.

É extraordinário que o único parecer respeitador dos factos, o 2, tenha merecido somente um voto favorável. Perdeu-se assim uma oportunidade (canhestra, pois a FPF já decidiu em 1938) de se respeitar institucionalmente a prova rainha do futebol português, iniciada em 1921/22 sob a anterior designação “Campeonato de Portugal”, a qual foi alterada para “Taça de Portugal” em 1938.

O parecer 1, que considero interpretar abusivamente a natureza do Campeonato de Portugal até 1934, ano em que o Campeonato Nacional começou, mereceu 13 votos favoráveis. E o terceiro parecer, evidentemente revisionista e incluído a pedido, foi aprovado por 8 delegados. Sobraram 7 abstenções e 33 votos de rejeição a qualquer dos pareceres e o mesmo é dizer que nada mudou.

À hora que escrevo os votos não são públicos (desconheço se serão ou não), mas seria interessante perceber quem, além do Sporting, quis vilipendiar a história do futebol português, atribuindo-se na secretaria títulos a quem não os ganhou em campo, desrespeitando-se, pelo caminho, todos os que, ao longo das décadas, lutaram por se sagrar campeões nacionais. Parafraseando Agustina Bessa-Luís, são figurinhas que o país produz para que o futebol se arrependa de as inspirar. Lamentável.

P.S.: E aquele relógio dos 23 títulos de campeão publicitado no canal 11 da FPF? É caso para se concluir que o Sporting deverá ser o único clube do mundo cujo merchandising inclui um relógio adiantado uns 40 anos.

Jornal O Benfica - 1/7/2022

Sem comentários:

Enviar um comentário

Números da semana (179)

1 Nas estafetas mistas de triatlo, o Benfica sagrou-se campeão nacional; 2 No futebol de formação, o Benfica é bicampeão nacional de j...