segunda-feira, 5 de julho de 2021

Euro (3)

Portugal está fora do Europeu, o qual só interessa agora, no nosso país, aos amantes do futebol. Acabam as liturgias patrioteiras, os slogans bacocos e as gaffes de políticos sempre predispostos a cavalgarem ondas de entusiasmo colectivo. E vão-se as demonstrações exacerbadas de patriotismo de pacotilha e a comunhão artificial de um propósito. Quem finge entusiasmo pode descansar.

Resta a confirmação de que o triunfo em 2016 se tratou de um acaso. Os jogadores figuram entre os melhores da actualidade, mas o enorme talento disponível encontra-se agrilhoado por uma proposta futebolística ultrapassada, desinteressante e coitadinha. É até caricato ler e ouvir muitas das opiniões elogiosas a Fernando Santos, desde logo porque não cola com a promoção feita ao valor dos jogadores. Diz-se que é um treinador pragmático, orientado ao resultado, não passando estes de eufemismos para medroso e mau futebol, respectivamente. Ganhou, é verdade, apesar dele próprio. Não se entende que aquele conjunto de jogadores de inegável competência só assuma a iniciativa do jogo quando em desvantagem.

E depois o capitão e a braçadeira, que em nada se coaduna com as mensagens de marcas ávidas por consumidores patrioteiros. Entendo a frustração e não condenaria o gesto irreflectido se isolado, mas a repetição do mesmo em meses já incomoda. Num país de ronaldettes, a crítica a Ronaldo parece ilegal, ao ponto de se constituir um crime lesa-pátria preferir Messi. Talvez, afinal, ser capitão da selecção não tenha significado por aí além, já que nada se diz do episódio além da costumeira desresponsabilização e muito menos haverá consequências. Importante será uns quantos amigáveis para assegurar recordes…

Jornal O Benfica - 2/7/2021

Sem comentários:

Enviar um comentário

Números da semana (179)

1 Nas estafetas mistas de triatlo, o Benfica sagrou-se campeão nacional; 2 No futebol de formação, o Benfica é bicampeão nacional de j...