quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Bem vindo Otamendi

Optimista, me confesso, nunca hei-de entender plenamente o benfiquismo autofágico. A mentalização, dos pessimistas militantes, para lidarem com uma eventual decepção no futuro é compreensível; já a irritante predisposição para, confirmadas as propaladas desgraças, logo se recolherem louros por uma suposta capacidade premonitória (só evocada quando se acerta), nem por isso.

Não está em causa o arrebatado amor pelo clube, a dedicação ou o enorme desejo de sucesso e conquistas, pelo que estranho ainda mais, por tão recorrente, que estes benfiquistas em tudo vejam defeitos e que quase nada os satisfaça. Chamam-lhe exigência, mas é outra coisa qualquer. Algumas das reacções à estreia de Otamendi são exemplificativas do que estou a tentar explicar.

Saiu Rúben Dias, entrou Otamendi. Por conseguinte, Rúben Dias foi imediatamente elevado ao estatuto de Humberto Coelho, enquanto que, a Otamendi, já só deveria restar o Chipre ou a Arábia Saudita.

A exibição categórica de Otamendi na primeira parte ante o Farense, no seu primeiro jogo da época passados escassos dias da chegada a Portugal, motivou, diria à falta de melhor expressão, uma decepção feliz nesse tipo de benfiquistas. Otamendi mostrou todos os seus excelentes atributos e eles, desconfiadamente, pensaram “talvez sirva”. Com o desacerto na segunda parte ressurgiu a má vontade e o lamento “Com o Rúben isto não teria acontecido”. Não interessa que Rúben Dias, não obstante o seu enorme valor como futebolista, tenha sido o protagonista de diversos lances infelizes (de resto, como qualquer outro defesa central). Ou que tenha sido mais que evidente a falta sobre Otamendi no segundo golo do Farense. Só a “exigência”, como a apelidam.

Jornal O Benfica - 9/10/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

Ângelo

Desde miúdo que, para mim, “Ângelo” era sinónimo de benfiquismo e grandeza. Apercebi-me da presença constante do nome Ângelo nos maiores fei...