segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Grandeza do Benfica

Defrontar o Arsenal relembra-me sempre o “Fever Pitch”, de Nick Hornby, publicado em 1992 e considerado, diria unanimemente, como um dos melhores livros sobre futebol. O autor, escritor consagrado, descreve magistralmente, num registo autobiográfico, a paixão por futebol e o fanatismo por um clube, no caso o nosso próximo adversário na Liga Europa.

Hornby confessa que despertou definitivamente para o futebol com a final da TCCE de 1968, na qual o Manchester United derrotou o Benfica, e termina a narração em 1991 quando se está a preparar para sair de casa e ir até Highbury para ver um jogo do seu clube, também frente ao Benfica (a nossa vitória, por 1-3, é o epílogo perfeito para o livro, e digo-o muito satisfeito, mas sem qualquer ironia).

Leio muitos livros sobre futebol e, por isso, sei o muito que o Benfica é referenciado e, por conseguinte, respeitado. Não me incomodam as menções aos nossos desaires porque tenho a consciência de que, caso não fosse relevante ganharem-nos, elas não existiriam. O triunfo sobre o Benfica não é um mero dado estatístico, mas um feito em si mesmo.

O Benfica está nas biografias de Best, Charlton, Clough, Cruyff, Pelé, Puskás e tantos outros que se notabilizaram ao longo dos tempos no futebol. Veja-se George Best, cuja consagração precoce da sua genialidade futebolística ocorreu em 1965, com a exibição feita no estádio da Luz. Ou de Pelé, que se recorda sempre da exibição pelo Santos na Luz. Ou da matreirice do mítico Brian Clough, quando liderava o Derby County e encharcou o relvado nos dias anteriores à recepção ao Benfica em 1972. Há muitos mais exemplos, mas precisaria do jornal inteiro. Talvez escreva um livro sobre o tema...

Jornal O Benfica - 18/12/2020

Sem comentários:

Enviar um comentário

Números da semana (180)

1 A equipa feminina do Benfica de minitrampolim sagrou-se campeã nacional; 3 O canoísta Fernando Medalha conseguiu 3 medalhas no Campe...