terça-feira, 3 de novembro de 2020

Depois das eleições

Enquanto escrevo, há três candidaturas para a eleição dos órgãos sociais do Sport Lisboa e Benfica (há umas horas havia quatro). Apoiei uma delas publicamente e todas merecem o meu respeito e consideração, pois reconheço-lhes, sem excepção, o benfiquismo com que se propõe a gerir os destinos do clube e o firme propósito da contribuição positiva para a causa benfiquista.

Independentemente que quem tiver merecido a confiança da maioria dos associados do Sport Lisboa e Benfica, ontem (quinta-feira) tratou-se, não obstante ter havido jogo e o início de um novo mandato, somente de mais um dia da história centenária do clube, mais precisamente, se não me enganei nas contas, o 42616º, e tantos outros lhe sucederão certamente.

Muito foi sendo dito e escrito ao longo da campanha, e é nesse contexto que se deverá confinar o teor das afirmações. Independentemente dos escolhidos pela maioria nas eleições, é o clube de todos os sócios que os eleitos têm a honra, o privilégio e a suprema responsabilidade de dirigir.

A este propósito convém recordar as sábias palavras de Miguel Magalhães (que cito de cor), proferidas aquando da sua eleição, em 1987, integrado na lista liderada por João Santos (com o devido agradecimento ao meu amigo João Loureiro, antigo director deste jornal, que me contou o episódio): “No Benfica, quando há eleições, não há inimigos nem adversários, há apenas benfiquistas que se revezam na missão de servir o nosso querido e glorioso clube”.

Passadas as eleições não há, ou não deve haver, “vieiristas”, “lopistas” ou “gomistas”, só benfiquistas. Quem quer que tenha sido eleito é – tem de ser – o presidente de todos os benfiquistas! Viva o glorioso Sport Lisboa e Benfica!

Jornal O Benfica - 30/10/2020

2 comentários:

Números da semana (180)

1 A equipa feminina do Benfica de minitrampolim sagrou-se campeã nacional; 3 O canoísta Fernando Medalha conseguiu 3 medalhas no Campe...